O homem integral e o Übermensh – O Manifesto da ANB

Nos ajude a espalhar a palavra:
Assim como os integralistas, nós pensamos que o ser humano é um ser complexo, e que ao ser analisado, deve ser desmembrado e que cada parte deve ser estudada como própria, puxando até mesmo as ideias de nosso grande jusfilósofo brasileiro Miguel Reale, que propôs que o direito possui três dimensões inseparáveis, e inclusive, indo além das ideias do ilustre Plínio Salgado, chegamos a nossa própria conclusão.
Para nós o ser humano é composto de cinco dimensões inseparáveis, interligadas, e dependentes, que são elas: O homem Econômico, o homem que busca o Lazer e o descanso, o homem Político, o homem Religioso, e por fim, o homem Selvagem.
O homem Econômico é aquele que estuda, e trabalha a vida inteira em busca da ascensão social, que busca dinheiro, patrimônio, e uma vida boa, e próspera, sem preocupações, para ele e sua família.
O homem que busca o Lazer é aquele que trabalha a semana inteira, e que, aos finais de semana, quer descanso, é aquele que busca se divertir, aproveitar a sua vida, aproveitar a oportunidade dada a ele nessa terra, de conhecer pessoas e lugares diferentes, e dar um tempo das correrias de seu dia-a-dia, sendo essa dimensão ligada diretamente a última, já que o homem econômico só consegue prosperar e trabalhar com afinco, se for recompensado, se tiver descanso, e se for tratado como humano.
O homem Político é aquele que busca, e luta por seus direitos, pelo bem estar de seu povo, e de sua nação, é aquele que busca a melhora em sua condição de vida, já que como o mesmo faz seu papel na sociedade, sente-se no direito, correto, de exigir do Estado o retorno, um acordo típico de um Estado contratualista, previsto por Rousseau, como o nosso. Porém, o homem só se torna político se houver emprego, ambições, se seu lado econômico funcionar, e também necessita do lazer, do ócio, para poder pensar, filosofar, e chegar a suas próprias conclusões.
O homem Religioso, ou Introspectivo, não é, necessariamente, um homem temente a um deus, mas sim o homem que conecta a si mesmo, que se conhece, que é altruísta, e que é capaz de pensar na sociedade como um só corpo. O homem só se sente inteiramente completo quando entra em contato com si mesmo, seja ele ateu, seja cristão, ou budista, o homem precisa de seus momentos reflexivos, e precisa entrar em contato com o seu eu interior.
E finalmente, o homem é Selvagem, é um animal, possui desejos e impulsos, e precisa aprender a controlá-los, se quiser viver em sociedade. Lembramos que civilização é o oposto de selvageria, civilização são modos, aprender a portar-se como o ser inteligente que é, mas sem negar completamente a sua natureza.
Todas essas cinco dimensões estão interligadas e são dependentes uma da outra, se falta uma, o homem não será completo, sendo assim, cabe ao Estado, analisar o homem como um todo, seus desejos e direitos, assim como seus deveres.  Aquele que souber completar suas cinco dimensões, será, como Nietzsche pensava, o Übermensch, ou o Super-homem, e em tempos de ruínas, como o que nós passamos, precisamos de super-homens, homens capazes de restaurar toda uma civilização, capazes de sangrar e matar pelo seu povo, uma sociedade composta de além-homens é uma super sociedade, que jamais será vencida, é um Império de mil anos!
A QUESTÃO DAS RAÇAS E ETNIAS

É sabido que todas as ideologias nacionalistas tendem a se preocupar com a questão racial, algumas levando ao ponto racialismo, como em boa parte do Nacional-Socialismo, e outras, buscando a unificação de diversas raças num único povo, como o Integralismo. Porém, o comum entre todas elas, é o fato de aceitarem as diferentes raças, e suas características distintas, preservando-as.

Nós não ficamos distantes, aproximando, inclusive, da doutrina Integralista. Para nós são claras as diferenças raciais, sejam entre brancos, negros, asiáticos, indígenas, etc. Porém, não acreditamos que raças sejam algo que determine uma separação, muito menos uma união, raças são irrelevantes para o contexto geopolítico atual. Todas as raças devem se unir contra um inimigo comum, não importa quais sejam, não nos importa as suas diferenças e seus conflitos. Negar tal união é coisa que repudiamos, com toda a força.
Contudo, a questão a ser defendida, são as diferentes Etnias. Sendo Etnia um conjunto de pessoas que compartilham de mesma cultura, nós acreditamos que Etnias jamais devem ser separadas, e uma jamais deve aceitar ser sobrepujada por outra. Os diferentes grupos étnicos merecem respeito, e merecem seu espaço. Os alemães na Alemanha, os Ingleses na Inglaterra e países culturalmente semelhantes, nós, brasileiros, juntos aos latinos, etc.
Não devemos aceitar muçulmanos em nosso território, assim como não devemos aceitar russos, alemães, chineses e diversos outros, se esses quiserem impor sua cultura. Entretanto, serão bem-vindos a morar aqui se aceitarem nossos traços, e se incorporarem a eles. É nosso dever preservar nossa cultura e nossa tradição.
Defendemos, ainda, a unificação de etnias semelhantes, a fim de fundar impérios longínquos em todo o planeta. Por exemplo, os brasileiros e os demais latino americanos, assim como os ibéricos, italianos, e franceses, compartilhamos de culturas semelhantes, línguas similares, e traços sociais parecidos, devido a nossa ascendência comum, o Império Romano, sendo assim, a unificação de tais países seria, de todo, benéfica, já que a mesma proporcionaria a nós um poder jamais antes visto.

Sendo assim, em suma, cada um deve ficar em uma sociedade que compartilhe de seus ideais, de sua cultura, tradições, e até mesmo traços genéticos, se assim desejar. Porém, jamais devemos acreditar que somos superiores a outros, por que é a diferença que proporcionou os diversos avanços que temos acesso hoje.

OS INIMIGOS DA PÁTRIA

Quando se fala de inimigos da pátria, não nos atemos a quesitos meramente ideológicos, nos atemos a fatos. Sendo assim, o nosso maior inimigo, aquele que deve ser combatido a todo custo, e sem pudor, são os imperialistas, tanto os estadunidenses, quanto a crescente leva imperialista dos chineses, todos, comandados pelos Sábios de Sião. Tais países, assim como seus representantes, objetivam a exploração, desenfreada, de todos os nossos recursos naturais, toda nossa mão-de-obra, toda nossa juventude, e toda nossa liberdade, disfarçados de malditos “banqueiros”. Tal classe pouco se importa com o povo trabalhador, só querem encher seus bolsos, e obedecem, cegamente, e de cabeça baixa, aos comandos de seus mestres. Os Bancos são a representação de nosso maior inimigo, e devem ser fechados, permitindo o funcionamento dos bancos nacionais, apenas. Porém, seu modo de agir, vai além de meros empréstimos abusivos. Os banqueiros internacionais financiam movimentos políticos ditos “apartidários”, como a já conhecida MBL, para agir por seu interesse, com um falso fervor patriótico. Financiam falsos artistas, cujo objetivo é deturpar nossa juventude, nossa moral, nossos valores, e nossa cultura, entre outros.

Em segundo lugar, entra a disputa ideológica. Para nós, todos aqueles que não são nacionalistas são nossos inimigos, e devem ser derrotados, pelo bem geral da nação. Comunistas, Liberais, Anarquistas, Libertários, e falsos patriotas, como Bolsonaro e companhia, são nossos inimigos. Todos curvados aos interesses dos banqueiros internacionais, dos imperialistas. Isso, claro, quando não estão envolvidos em diversos escândalos absurdos de corrupção, nesse caso, a situação se agrava ainda mais, por que além de permitir que sejamos constantemente roubados e explorados, eles mesmos fazem isso.
Em terceiro, adotamos o pós-modernismo e o globalismo. Correntes de pensamento fora do espectro político, que visa à destruição das tradições e das culturas. Tais linhas de pensamento visam à padronização da humanidade, querem acabar com tudo que conhecemos, forçam-n os a aceitar padrões completamente fora do normal, e totalmente antinaturais. Silenciam-nos, em nome da “liberdade de expressão” reconhecida pelo nosso Estado, simplesmente por que discordamos de suas ideias lunáticas. E todos eles, claro, são fantoches dos grandes banqueiros.
Como vimos, só há um inimigo de verdade. Aquele que, como o Diabo, assume diversas formas, para nos enganar. Aquele que nos manipula. Aquele que nos separa. Aquele que nos vende e que nos escraviza. Aquele que nos explora. E, sobretudo, aquele que nos destrói. O imperialismo estrangeiro em nossas terras ceifou vidas demais, tiraram a oportunidade do povo brasileiro. E calaram todos aqueles que eram contra tal plano, como Pedro II, Vargas, e até mesmo Éneas. Todos deram sua vida em nome de sua pátria, e foram calados pelos banqueiros, façamos deles nossos exemplos, e juntos, iremos reclamar o que é nosso por direito. E expulsar, nem que seja a base da mais extrema violência, aquele que tanto nos faz mal, os malditos Banqueiros.

————————————————————————————————————————–

Outras formas de doação? Entre em contato: osentinelabrasil@gmail.com

Últimos posts por Daniel Paiva (exibir todos)

Nos ajude a espalhar a palavra:

One thought on “O homem integral e o Übermensh – O Manifesto da ANB”

  1. No Brasil não tem um único judeu ou judia casados com negros! Na Alemanha holocau$tizada e toda a Europa judaizada, não tem um único judeu ou judia casados com negros, chineses, mongóis, ciganos ect!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.