O que a peste de Atenas nos pode ensinar sobre o Coronavírus hoje?

Nos ajude a espalhar a palavra:

O coronavírus está a concentrar a nossa mente na fragilidade da existência humana em face de uma doença mortal. Palavras como “epidemia” e “pandemia” (e ‘pânico’!) passaram a fazer parte do nosso discurso diário. Mas se olharmos para trás através da história, muitas semelhanças podem ser desenhadas. Tomemos a Peste de Atenas, por exemplo. Que lições podemos aprender?

Origens da Grécia Antiga

As palavras epidemia e pandemia são de origem grega e apontam para o fato de os gregos da antiguidade pensarem muito na doença, quer no seu sentido puramente médico, quer como metáfora para a condução mais ampla dos assuntos humanos. O que os gregos chamavam de “peste” (loimos) aparece em algumas passagens memoráveis da literatura grega.

Uma dessas descrições situa-se logo no início da literatura ocidental. A Ilíada de Homero (cerca de 700 a. C.) começa com uma descrição de uma praga que atinge o exército grego em Troia. Agamenon, o principal príncipe do exército grego, insulta um sacerdote local de Apolo chamado Chryses.

Apolo é o deus da peste – um destruidor e curandeiro – e castiga todos os gregos enviando uma pestilência entre eles. Apolo é também o deus arqueiro, e ele é representado atirando flechas para o exército grego com um efeito terrível:

Apolo caminhou para baixo ao longo dos pináculos do Olimpo enraivecido
No seu coração, carregando nos ombros o arco e o capuz
Tremeu; e as hastes se chocaram nos ombros do deus caminhando furiosamente. …
Terrível foi o confronto que se levantou do arco de prata.
Primeiro, ele foi atrás das mulas e dos cães de caça em círculo, depois soltou
Uma seta lacrimogênea contra os próprios homens e os atingiu.
O fogo nos cadáveres ardeu por todo o lado e não parou de arder.

Narrativas da Praga de Atenas

Pintura representando uma praga antiga, de Peter van Halen.

Cerca de 270 anos após a praga da Ilíada, ou a partir de então, é o ponto central de duas grandes obras clássicas de Atenas – Édipo, rei de Sófocles, e o Livro 2 da História da Guerra Peloponesiana de Tucídides.

Tucídides (460-400 a.C.) e Sófocles (490-406 a.C.) se conheceriam em Atenas, embora seja difícil dizer muito mais do que isso por falta de evidência. Os dois trabalhos mencionados acima foram produzidos aproximadamente ao mesmo tempo. A peça Édipo provavelmente foi produzida por volta de 429 a.C., e a Praga de Atenas ocorreu em 430-426 a.C.

Tucídides escreve prosa, não verso (como Homero e Sófocles fazem), e ele trabalhou no campo relativamente novo da “história” (que significa ‘inquérito’ ou ‘pesquisa’ em grego). Seu foco era a guerra do Peloponeso travada entre Atenas e Esparta e seus respectivos aliados, entre 431 e 404 a.C. A descrição de Tucídides da praga que atingiu Atenas em 430 a.C. é uma das grandes passagens da literatura grega. Uma das coisas notáveis sobre o assunto é como ele se concentra na resposta social geral à pestilência, tanto aos que morreram quanto aos que sobreviveram.

Retrato da estátua do historiador Tucídides fora do parlamento austríaco em Viena. Foto: Shutterstock

Uma crise de saúde

A descrição da praga segue imediatamente o relato renomado de Tucídides da Oração Funeral de Péricles (é importante dizer que Péricles morreu da praga em 429 a.C., enquanto Tucídides a pegou, mas sobreviveu). Tucídides faz um relato geral dos estágios iniciais da praga – com origens prováveis no norte da África, sua propagação nas regiões mais amplas de Atenas, as lutas dos médicos para lidar com isso e a alta taxa de mortalidade dos próprios médicos.

Oração fúnebre de Péricles, de Philipp Foltz.
Oração fúnebre de Péricles, de Philipp Foltz.

Nada parecia melhorar a crise – nem conhecimento médico ou outras formas de aprendizado, nem orações ou oráculos. De fato, “no final, as pessoas foram tão vencidas por seus sofrimentos que não deram mais atenção a essas coisas”.

Sintomas mortais

Ele descreve os sintomas com mais detalhes – a sensação de queimação de pessoas que sofrem dores de estômago e vômitos, o desejo de ficar totalmente nu, sem nenhum linho apoiado no próprio corpo, a insônia e a inquietação.

A praga de Michiel Sweerts em uma cidade antiga (por volta de 1652).
A praga em uma cidade antiga, de de Michiel Sweerts (por volta de 1652). Imagem: Wikimedia Commons

O estágio seguinte, após sete ou oito dias, se as pessoas sobreviverem por tanto tempo, via a pestilência descer para os intestinos e outras partes do corpo – órgãos genitais, dedos das mãos e pés. Algumas pessoas até ficaram cegas.

As palavras realmente falham quando alguém tenta dar uma imagem geral dessa doença; e quanto aos sofrimentos dos indivíduos, eles pareciam quase além da capacidade da natureza humana de suportar.
Aqueles com constituições fortes não sobreviveram melhor que os fracos.

O mais terrível foi o desespero em que as pessoas caíram quando perceberam que haviam pegado a praga; pois eles adotariam imediatamente uma atitude de total desesperança e, cedendo dessa maneira, perderiam seus poderes de resistência.

Repartição dos valores tradicionais

Por fim, Tucídides se concentra no colapso dos valores tradicionais, onde a autoindulgência substituía a honra, onde não existia medo de Deus ou do homem.

Quanto às ofensas contra a lei humana, ninguém esperava viver o tempo suficiente para ser levado a julgamento e punido: em vez disso, todos achavam que uma sentença muito mais pesada havia sido proferida sobre ele.

Toda a descrição da praga no Livro 2 dura apenas cerca de cinco páginas, embora pareça mais longa.

O primeiro surto de peste durou dois anos, após o que ocorreu uma segunda vez, embora com menos virulência. Quando Tucídides capta muito brevemente o fio da praga um pouco depois (3,87), ele fornece um número de mortos: 4.400 hoplitas (cidadãos-soldados), 300 cavaleiros e um número desconhecido de pessoas comuns.

Os atenienses não fizeram mal equivalente para si, ou reduziram sua força para a guerra.

Uma lente moderna

Os estudiosos modernos discutem sobre a ciência de tudo isso, principalmente porque Tucídides oferece uma quantidade generosa de detalhes dos sintomas.

Tifo epidêmico e varíola são os mais favorecidos, mas cerca de 30 doenças diferentes foram postas.
Tucídides nos oferece uma narrativa de uma peste que é diferente em todos os tipos de formas do que enfrentamos.

As lições que aprendemos da crise do coronavírus virão de nossas próprias experiências, e não da leitura de Tucídides. Mas estes não são mutuamente exclusivos. Tucídides nos oferece uma descrição de uma cidade-estado em crise que é tão comovente e poderosa agora, como era em 430 a.C.

Fonte: The Conversation

Publicado originalmente em 19 de março de 2020

  • Tradução de Leonardo Campos
  • Edição original de Prodita Sabarini, editora da The Conversation da Indonésia
  • Adaptação de site O Sentinela
Chris Mackie
siga em
Últimos posts por Chris Mackie (exibir todos)
Nos ajude a espalhar a palavra:
Gostou do artigo? Você pode contribuir para o site com uma doação:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 × um =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.