fbpx

A mídia estatal chinesa chamou o bilionário globalista George Soros de “terrorista econômico global” que financia a propaganda anti-China.

O Global Times publicou um artigo neste fim de semana que acusava Soros de financiar o editor e proprietário da Apple Daily, Jimmy Lai, preso em Hong Kong por apoiar os protestos no estilo “Revolução Colorida” contra Pequim em 2019 na cidade.

O artigo intitulado “Este terrorista econômico global está olhando para a China!“, afirmou que Soros e suas Fundações da conhecida e mundialmente famosa Open Society (Sociedade Aberta) financiaram a Human Rights Watch, que segundo ela espalha informações contra a China, bem como as origens do coronavírus.

Segundo relatórios do Presstv.ir: O comentário do Global Times apontou que o magnata judeu húngaro dos negócios naturalizado estadunidense de 91 anos conspirou com o fundador do Apple Daily, Jimmy Lai, para tentar iniciar uma “revolução colorida” em Hong Kong no ano de 2019.

O artigo também descreveu Soros como “a pessoa mais perversa do mundo” e “o filho de Satanás”.

Vários outros sites chineses republicaram o artigo, que foi amplamente citado por publicações da mídia de Hong Kong e de Taiwan nos últimos dias. O Global Times havia destacado anteriormente o papel de Soros em desencadear “revoluções coloridas” na África, Europa Oriental e Sudeste Asiático.

Por sua vez, Soros classificou as políticas econômicas da China como anti-transparentes e dissuadiu abertamente as empresas estadunidenses de investir na China. O magnata escreveu recentemente um artigo para o Wall Street Journal que disse que o recente investimento de 6,7 bilhões de yuans (R$ 5,55 bilhões) da BlackRock na China foi um “erro trágico” e provavelmente perderia dinheiro para os clientes do gestor de ativos.

“A iniciativa BlackRock põe em perigo os interesses de segurança nacional dos EUA e de outras democracias porque o dinheiro investido na China ajudará a sustentar o regime do presidente Xi”, escreveu Soros, que controla o grupo Open Society Foundations.

Em junho, a polícia de Hong Kong prendeu cinco executivos do Apple Daily e Next Digital – o grupo do qual o jornal é oriundo – por conspirar com forças estrangeiras para colocar em risco a segurança nacional durante a operação. A polícia disse que mais de 30 artigos publicados por essa mídia desde 2019 pedindo sanções estrangeiras contra líderes da China e de Hong Kong violaram a lei de segurança nacional.

O fundador do Apple Daily foi detido sob custódia por participar de assembleias ilegais enquanto enfrentava julgamento por colocar em risco a segurança nacional. Os restantes foram libertados sob fiança e não foram acusados. Cerca de 18 milhões de dólares de Hong Kong (12,38 milhões de reais brasileiros) em ativos relacionados ao jornal também foram congelados.

Em junho de 2019, protestos antigovernamentais sem precedentes começaram em Hong Kong por causa de um projeto de extradição. Mais tarde, foi arquivado devido à pressão das manifestações, mas o turbulento movimento de protesto continuou nos meses seguintes e tornou-se mais violento, colocando em risco a vida e a propriedade dos cidadãos.

Os manifestantes vêm exigindo a secessão total de Hong Kong desde então. Pequim diz que os Estados Unidos e a Grã-Bretanha têm alimentado as chamas da agitação no centro semiautônomo ao apoiar os manifestantes separatistas.

Hong Kong saiu do domínio britânico para o chinês em 1997.

O escritor e analista estadunidense Walt Peretto disse na quarta-feira (8) que Soros financia projetos, movimentos, programas e iniciativas destinadas a alcançar “a dissolução de fato da soberania nacional em todo o mundo”.

“Antes conhecido como um gestor de fundos de hedge e agora um filantropo, Soros está conectado aos maiores criadores de dinheiro do mundo e regularmente canaliza dinheiro daqueles que estão no ápice das finanças globais em projetos projetados para reestruturar a sociedade global de maneiras benéficas para os proponentes do despovoamento em massa e a tirania global”, comentou ele à Press TV.

“Soros provavelmente tem acesso a informações privilegiadas que quase garantem o sucesso financeiro de seus investimentos em troca de seu financiamento de projetos de engenharia social globalista. Este esquema funciona como um amortecedor entre os criadores de dinheiro e o financiamento de suas iniciativas globalistas sem uma conexão direta e clara”, afirmou.

O analista também acrescentou que “Soros financiou muitos projetos, movimentos, programas e iniciativas ao longo das últimas décadas destinadas a alcançar a abertura das fronteiras nacionais e a dissolução de fato da soberania nacional em todo o mundo”.

“Essa ‘rixa’ entre Soros e o governo chinês é principalmente uma distração que favorece ambas as partes de várias maneiras. Isso desvia a censura crescente de informações baseadas em evidências e a promoção de narrativas globalistas fabricadas e projetos de engenharia social”, observou ele. “Essas trocas de idas e vindas entre Soros e autoridades estatais chinesas ajudam a manter os olhos do mundo longe de questões mais urgentes, como a natureza genocida da operação global da Covid-19, o movimento de pessoas induzidas pelo terrorismo em grande parte do ‘Sul Global’ para o Ocidente, a hegemonia sionista sobre os governos ocidentais, incluindo os EUA, e a censura crescente na internet de informações baseadas em evidências em favor do reforço de mentiras ‘oficiais’ fabricadas e desinformação ”, disse o analista.


Fonte: Jornal Tribuna Nacional

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Quer receber nossas notificações?    SIM! Não, obrigado (a)