O Direito fundamental dos povos à ambição do “domínio total”

Nos ajude a espalhar a palavra:

Todo povo (ou “nação”) tem o direito de reivindicar o “Mundo” para si; a auto-laudação e a vontade de domínio exercem uma função indispensável na ecologia da coletividade (tal como o ódio também exerce). Isto está muito arraigado na estrutura psicossomática do ser humano. Todo povo é, aos seus próprios olhos, o “povo eleito”. O centro do universo é o centro da sua aldeia.

No entanto, “Mundo” não tem o mesmo significado, para o homem da tradição (o homem normal), que tem para nós. Para nós, o Mundo é a totalidade do espaço físico; ou seja, o “Globo”. “Dominar o mundo” é, para nós, “dominar a terra inteira”. Para o homem tradicional, o “Mundo” era uma experiência, não uma “coisa”; o limite do “Mundo” era o limite da redoma coletiva; para além do círculo da Aldeia, da Pólis ou do Império, estavam os “extra-terrestres”; meio-humanos meio-animais, criaturas monstruosas de um hibridismo com seres naturais ou sobrenaturais. Enfim… É também por isto que todos os Impérios arcaicos são ditos serem Impérios “Universais”, “seu domínio estendia-se sobre todo o mundo”. Isto está presente nas palavras do poeta, segundo o qual “o tamanho do mundo é até onde meus olhos alcançam.”

O problema é que hoje, com a Globalização, a experiência de todos os povos particulares é a experiência do Globo, ou seja, falar em dominação total, hoje, é falar realmente do domínio de todo o espaço físico. Aqui o veneno ocidental, ou melhor, se quiserem, “atlantista” — pois foi o Ocidente que construiu a Globalização — se volta contra ele mesmo. Pois a vingança dos povos orientais, humilhados especialmente no século XIX, não poderá ser senão, agora, de fato, a dominação total do planeta.

Enfim, todo povo deve auto-exaltar-se, almejar “dominar o mundo”. E onde não temos isto, é porque não temos mais um povo. Todo povo deve querer dominar. E o que não quer… Ai dele!

Fonte: Medium – Carlos Alberto Sanches

Publicado originalmente em 28 de março de 2020

DISPONÍVEL NA LIVRARIA SENTINELA

Carlos Alberto Sanches
siga em
Nos ajude a espalhar a palavra:
Gostou do artigo? Você pode contribuir para o site com uma doação:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

treze − um =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.