fbpx

 

Sinopse

Passagem de Julius Evola, “A Virilidade Espiritual no Budismo” (East and West, Vol. 7, No. 4, January, 1957, pp. 319-32), em que o autor comenta a distorção de que o budismo foi objeto desde os primeiros séculos de sua expansão, com menções à pasteurização, desvirilização ou docilização desta doutrina levada a cabo pelos Ocidentais: “Dois mil e quinhentos anos após a morte de Siddarta Gautama [ Buda], o ocidental diz que ‘O mundo deve escolher entre a bomba de hidrogênio e sua mensagem’, identificando assim a mensagem do Buda com o pacifismo e o humanitarismo. Os ocidentais têm sido quase unânimes em avaliá-la como uma doutrina sentimental de amor e compaixão universal, uma doutrina alinhada com a democracia e a tolerância, admirável por sua liberdade de dogmas, sua ausência de ritos e sacramentos: quase uma espécie de religião secular.” A esta distorção, Evola contrapõe o Zen Budismo, que recupera o sentido iniciático e esotérico – e, claro, viril – da mensagem de Buda, sendo os kamikazes os melhores exemplos históricos, dentre os mais próximos de nós, do “estado de graça budista”.


VISITE NOSSA LIVRARIA

 

By Carlos Alberto Sanches

Sociólogo de formação; Pesquisador de Antropologia, Metapolítica, Metafísica Tradicional e Tradição Perene

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Quer receber nossas notificações?    SIM! Não, obrigado (a)