Barbara Kulaszka: O que é ‘Negação do Holocausto’?

Nos ajude a espalhar a palavra:

Em anos recentes considerável atenção tem sido devotada ao suposto perigo da “negação do Holocausto”. Políticos, jornais e televisão alertam sobre a crescente influência daqueles que rejeitam a história do Holocausto de que cerca de seis milhões de judeus europeus foram sistematicamente exterminados durante a Segunda Guerra Mundial, a maioria deles em câmaras de gás.

Em vários países, incluindo Israel, França, Alemanha e Áustria, a “negação do Holocausto” é contra a lei, e “negadores” têm sido punidos com multas pesadas e sentenças de prisão. Alguns líderes da comunidade judaica têm chamado por medidas similares na América do Norte. No Canada, David Matas, Conselheiro Sênior da “Liga para Direitos Humanos” da organização sionista B’bai B’rith, diz: [1]

“O Holocausto foi o assassinato de seis milhões de judeus, incluindo dois milhões de crianças. A negação do Holocausto é o segundo assassinato desses mesmos seis milhões. Primeiro, suas vidas foram extintas; então, suas mortes. Uma pessoa que nega o Holocausto torna-se parte do crime de o próprio Holocausto.”

Frequentemente com uma mera olhada por cima nesta controvérsia está a questão crucial: o que exatamente constitui “negação do Holocausto”?

Seis milhões?

Alguém deveria ser considerado um “negador do Holocausto” porque não acredita – conforme Matas e muitos outros insistem – que seis milhões de judeus foram mortos durante a Segunda Guerra Mundial? Este número foi citado pelo Tribunal Militar Internacional de Nuremberg em 1945-1946. Ele descobriu que “a política seguida [pelo governo alemão] resultou na morte de seis milhões de judeus, dos quais quatro milhões foram mortos nas instituições de extermínio.” [2]

 

Ainda, se for assim, vários dos mais proeminentes historiadores do Holocausto poderiam ser considerados como “negadores”. O professor Raul Hilberg, autor da obra de referência padrão, The Destruction of the European Jewish, não aceita que seis milhões de judeus morreram. Ele estima o total de mortes (por todas as causas) em 5,1 milhões. Gerald Reitlinger, autor de The Final Solution, também não aceitou o número de seis milhões. Ele estimou que o número de judeus mortos em tempo de guerra pode chegar a 4,6 milhões, mas admitiu que isso era conjectural devido à carência de informações confiáveis.

Sabão humano?

É alguém um “negador do Holocausto” se disser que os nazistas não fizeram sabão de cadáveres de judeus assassinados? Depois de considerar as evidências – incluindo uma barra de sabão real fornecida pelos soviéticos – o Tribunal de Nuremberg declarou em seu julgamento que “em alguns casos foram feitas tentativas de utilizar a gordura dos corpos das vítimas na fabricação comercial de sabão”. [3]

Em 1990, porém, o centro oficial do Holocausto Yad Vashem de Israel “reescreveu a história”, admitindo que a história do sabão não era verdadeira. “Os historiadores concluíram que o sabão não era feito de gordura humana. Quando tantas pessoas negam que o Holocausto aconteceu, por que dar a elas algo para usar contra a verdade?”, Disse Shmuel Krakowski, oficial do Yad Vashem. [4]

Conferência de Wannsee?

É alguém um “negador do Holocausto” se ele não aceita que a “conferência de Wannsee” de burocratas alemães de janeiro de 1942 foi realizada para definir ou coordenar um programa de assassinato em massa sistemático de judeus da Europa? Se for assim, o historiador israelense do Holocausto Yehuda Bauer deve estar errado – e um “negador do Holocausto” – porque declarou: “O público ainda repete, vez após vez, a história boba de que em Wannsee o extermínio dos judeus chegou.” Na opinião de Bauer, Wannsee foi uma reunião, mas “dificilmente uma conferência” e “pouco do que foi dito lá foi executado em detalhes”. [5]

 

Política de Extermínio?

É alguém um “negador do Holocausto” se ele diz que não houve ordem de Hitler para exterminar os judeus da Europa? Houve um tempo em que a resposta seria sim. O historiador do Holocausto Raul Hilberg, por exemplo, escreveu na edição de 1961 de seu estudo, The Destruction of the European Jews, que havia duas ordens de Hitler para a destruição dos judeus da Europa: a primeira dada na primavera de 1941 e a segunda em brevemente depois disso. Mas Hilberg removeu a menção de tal ordem da edição revisada de três volumes de seu livro publicada em 1985. [6] Conforme o historiador do Holocausto, Christopher Browning tem observado: [7]

“Na nova edição, todas as referências no texto a uma decisão de Hitler ou ordem de Hitler para a ‘Solução Final’ têm sido sistematicamente extirpadas. Enterrada na parte inferior de uma única nota de rodapé está a referência solitária: ‘Cronologia e circunstâncias apontam para uma decisão de Hitler antes do fim do verão.’ Na nova edição, decisões não foram feitas e ordens não foram dadas.”

A carência de evidências concretas para uma ordem de extermínio de Hitler tem contribuído para uma controvérsia que divide os historiadores do Holocausto em “intencionalistas” e “funcionalistas”. Os primeiros contendem que houve uma política de extermínio premeditada ordenada por Hitler, enquanto os últimos sustentam que a política judaica da “solução final” da Alemanha durante a guerra evoluiu em níveis mais baixos em resposta às circunstâncias. Mas o ponto crucial aqui é o seguinte: apesar da captura de literalmente toneladas de documentos alemães depois da guerra, ninguém pode apontar evidências documentais de uma ordem, plano ou programa de extermínio em tempo de guerra. Isso foi admitido pelo professor Hilberg durante seu testemunho no julgamento de 1985 em Toronto do editor alemão-canadense Ernst Zündel. [8]

 

Auschwitz

Então, o que constitui “negação do Holocausto”? Certamente, uma alegação de que a maioria dos presos de Auschwitz morreram de doença e não de extermínio sistemático em câmaras de gás seria “negação”. Mas talvez não. O historiador judeu Arno J. Mayer, professor da Universidade de Princeton, escreveu em seu estudo de 1988 Why Did the Heavens Not Darken?: The ‘Final Solution’ in History: “… De 1942 a 1945, certamente em Auschwitz, mas provavelmente no geral, mais judeus foram mortos pelas chamadas causas ‘naturais’ do que por causas ‘não naturais’.” [9]

Mesmo as estimativas do número de pessoas que morreram em Auschwitz – alegadamente o principal centro de extermínio – não são mais claras. No Tribunal de Nuremberg do pós-guerra, os Aliados acusaram os alemães de exterminar quatro milhões de pessoas em Auschwitz. [10] Até 1990, uma placa memorial em Auschwitz dizia: “Quatro milhões de pessoas sofreram e morreram aqui nas mãos dos assassinos nazistas entre os anos de 1940 e 1945.” [11]

LEIA MAIS

É “negação do Holocausto” contestar esses quatro milhões de mortes? Hoje não. Em julho de 1990, o Museu do Estado de Auschwitz do governo polonês, junto com o centro do Holocausto Yad Vashem de Israel, concedeu que o número de quatro milhões era um exagero grosseiro, e as referências a ele foram removidas do monumento de Auschwitz. Autoridades israelenses e polonesas anunciaram uma estimativa revisada do número de mortos de 1,1 milhão de Auschwitz. [12] Em 1993, o pesquisador francês do Holocausto Jean-Claude Pressac, em um livro muito discutido sobre Auschwitz, estimou que cerca de 775.000 morreram ali durante os anos de guerra. [13]

O professor Mayer reconhece que a questão de quantos realmente morreram em Auschwitz permanece aberta. Em Why Did the Heavens Not Darken? ele escreveu: [14]

“… Muitas questões permanecem em aberto … Ao todo, quantos corpos foram cremados em Auschwitz? Quantos morreram lá? Qual foi o colapso nacional, religioso e étnico nesta comunidade de vítimas? Quantos deles foram condenados a morrer de morte ‘natural’ e quantos foram deliberadamente chacinados? E qual foi a proporção de judeus entre os assassinados a sangue frio entre esses gaseados? Simplesmente não temos respostas para essas perguntas neste momento.”

Câmaras de gás

Que tal negar a existência de “câmaras de gás” de extermínio? Aqui também, Mayer faz uma declaração surpreendente aterradora: “Fontes para o estudo das câmaras de gás são ao mesmo tempo raras e pouco confiáveis.” Embora Mayer acredite que tais câmaras existiram em Auschwitz, ele observa que “a maior parte do que se sabe se baseia nos depoimentos de oficiais e algozes nazistas nos julgamentos do pós-guerra e na memória de sobreviventes e observadores. Este testemunho deve ser examinado com cuidado, desde que pode ser influenciado por fatores subjetivos de grande complexidade.” [15]

Testemunho de Höss

Um exemplo disso pode ser o testemunho de Rudolf Höss, um oficial da SS que serviu como comandante de Auschwitz. Em seu julgamento, o Tribunal Militar Internacional de Nuremberg citou extensamente seu depoimento para apoiar suas conclusões de extermínio. [16]

Agora está bem estabelecido que o testemunho crucial de Höss, bem como sua assim-chamada “confissão” – a qual também foi citada pelo Tribunal de Nuremberg – não são apenas falsos, mas foram obtidos espancando o ex-comandante quase até a morte. [17] A esposa e os filhos de Höss também foram ameaçados de morte e deportação para a Sibéria. Em sua declaração – que não seria admissível hoje em nenhum tribunal dos Estados Unidos – Höss alegou a existência de um campo de extermínio chamado “Wolzek”. De fato, tal campo nunca existiu. Ele afirmou ainda que durante o tempo em que era comandante de Auschwitz, dois milhões e meio de pessoas foram exterminadas lá, e que mais meio milhão morreram de doenças. [18] Hoje, nenhum historiador bem-conceituado sustenta esses números. Höss estava obviamente disposto a dizer qualquer coisa, assinar qualquer coisa e fazer qualquer coisa para impedir a tortura e tentar salvar a si mesmo e sua família.

Investigações Forenses

Em seu livro de 1988, o professor Mayer pede por “escavações nos locais de matança e em seus arredores imediatos” para determinar mais sobre as câmaras de gás. Na verdade, esses estudos forenses foram feitos. O primeiro foi conduzido em 1988 pelo consultor de equipamentos de execução americano, Fred A. Leuchter, Jr. Ele realizou um exame forense no local das alegadas câmaras de gás em Auschwitz, Birkenau e Majdanek para determinar se elas poderiam ter sido usadas para matar pessoas conforme reivindicado. Após um estudo cuidadoso das alegadas instalações de extermínio, Leuchter concluiu que os locais não foram usados, e não poderiam ter sido usados, como câmaras de gás homicidas. Além disso, uma análise de amostras colhidas por Leuchter das paredes e pisos das alegadas câmaras de gás mostrou nenhum ou minúsculos traços de composto de cianeto, do ingrediente ativo de Zyklon B, o pesticida alegadamente usado para assassinar judeus em Auschwitz. [19]

Um exame forense confidencial (e relatório subsequente) encomendado pelo Museu do Estado de Auschwitz e conduzido pelo Instituto de Pesquisa Forense em Cracóvia confirmou a conclusão de Leuchter de que vestígios mínimos ou nenhum de composto de cianeto podem ser encontrados nos locais alegados terem sido câmaras de gás. [20]

O significado disso é evidente quando os resultados do exame forense das alegadas câmaras de gás homicidas são comparados com os resultados do exame das instalações de desinfestação de Auschwitz, onde o Zyklon B foi usado para desparasitar colchões e roupas. Enquanto nenhum ou apenas vestígios de cianeto foram encontrados nas alegadas câmaras de gás homicidas, massivos traços de cianeto foram encontrados nas paredes e no chão das câmaras de desinfestação e despiolhamento do campo.

Outro estudo forense foi realizado pelo químico alemão Germar Rudolf. Com base em seu exame no local e análise de amostras, o químico certificado e doutorando concluiu: “Por razões técnico-químicas, os alegados gases em massa com ácido cianídrico nas alegadas ‘câmaras de gás’ em Auschwitz não ocorreram … As supostas instalações para assassinatos em massa em Auschwitz e Birkenau não eram adequadas para este propósito …” [21]

Há também o estudo do engenheiro austríaco Walter Lüftl, uma testemunha especialista respeitada em vários processos judiciais e ex-presidente da associação profissional de engenheiros da Áustria. Em um relatório de 1992, ele chamou o alegado extermínio em massa de judeus em câmaras de gás de “tecnicamente impossível”. [22]

Perspectiva Desacreditada

Então, o que constitui “negação do Holocausto”? Aqueles que apoiam a perseguição criminosa dos “negadores do Holocausto” parecem ainda estar vivendo no mundo de 1946, onde os funcionários Aliados do Tribunal de Nuremberg acabaram de pronunciar seu veredito. Mas as conclusões do Tribunal não podem mais ser consideradas válidas. Por se basear tanto em evidências não confiáveis ​​como o depoimento de Höss, algumas de seus achados mais críticos estão agora desacreditados.

Para seus próprios propósitos, poderosos grupos de interesses especiais procuram desesperadamente manter uma discussão substantiva da história do Holocausto um tabu. Uma das maneiras de fazer isso é propositalmente descaracterizando os estudiosos revisionistas como “negadores”. Mas a verdade não pode ser suprimida para sempre: há uma controvérsia muito real sobre o que realmente aconteceu aos judeus da Europa durante a Segunda Guerra Mundial.

Deixe essa questão ser resolvida como todas as grandes controvérsias históricas são resolvidas: por meio de investigação livre e debate aberto em nossas revistas, jornais e salas de aula.


Fonte: Este ensaio foi adaptado de um texto publicado pela primeira vez em 1992 pela Canadian Free Speech League. Revisado: janeiro de 2007 e março de 2018. Disponível em http://www.ihr.org/leaflets/denial.shtml

Tradução e palavras entre chaves por Mykel Alexander via World Traditional Front em 14 de outubro de 2020


Notas

[1] Nota de Barbara Kulaszka: The Globe and Mail (Toronto), 22 de janeiro de 1992.

[2] Nota de Barbara Kulaszka: Trial of the Major War Criminals Before the International Military Tribunal (IMT “blue series”), Vol. 22, página 496. (https://www.loc.gov/rr/frd/Military_Law/pdf/NT_Vol-XXII.pdf).

[3] Nota de Barbara Kulaszka: IMT “blue series,” Vol. 22, página 496.

[4] Nota de Barbara Kulaszka: “Human Fat Wasn’t Used by Nazis, Israel’s Holocaust Museum Says,” Reuters, The Globe and Mail (Toronto), 25 de abril de 1990, página A2; Ver também: M. Weber, “Jewish Soap,” The Journal of Historical Review, verão de 1991. (http://www.ihr.org/leaflets/soap.shtml)

[5] Nota de Barbara Kulaszka: “Wannsee’s Importance Rejected,” Jewish Telegraphic Agency (JTA), The Canadian Jewish News (Toronto), 30 de janeiro de 1992, página 8 (http://www.jta.org/1992/01/23/archive/nazi-scheme-not-born-at-wannsee-israeli-holocaust-scholar-claims)

[6] Nota de Barbara Kulaszka: Ver: Barbara Kulaszka, ed., Did Six Million Really Die: Report of the Evidence in the Canadian ‘False News’ Trial of Ernst Zündel (Toronto: Samisdat, 1992), páginas 192, 300, 349. (http://vho.org/aaargh/fran/livres3/KULA.pdf )

[7] Nota de Barbara Kulaszka: C. Browning, “The Revised Hilberg,” Simon Wiesenthal Annual, Vol. 3, 1986, página 294 (http://motlc.wiesenthal.com/site/pp.asp?c=gvKVLcMVIuG&b=395051 );

Kulaszka, ed.,Did Six Million Really Die(1992), página 117.

[8] Nota de Barbara Kulaszka: B. Kulaszka, ed., Did Six Million Really Die (1992), páginas 24-25.

[9] Nota de Barbara Kulaszka: A. Mayer, Why Did the Heavens Not Darken?: The ‘Final Solution’ in History (Pantheon, 1988), página 365.

[10] Nota de Barbara Kulaszka: Nuremberg document 008-USSR, e, IMT “blue series,” Vol. 39, páginas 241, 261. (https://www.loc.gov/rr/frd/Military_Law/pdf/NT_Vol-XXXIX.pdf)

[11] Nota de Barbara Kulaszka: B. Kulaszka, ed., Did Six Million Really Die (1992), página 441.

[12] Nota de Barbara Kulaszka: Y. Bauer, “Fighting the Distortions,” The Jerusalem Post (Israel), 22 de setembro de 1989; “Auschwitz Deaths Reduced to a Million,” The Daily Telegraph (London), 17 de julho de 1990; “Poland Reduces Auschwitz Death Toll Estimate to 1 Million,” The Washington Times, 17 de julho 1990.

[13] Nota de Barbara Kulaszka: J.-C. Pressac, Les Crémetoires d’Auschwitz: La machinerie du meurtre de masse (Paris: CNRS, 1993), página 148. Ver também R. Faurisson, “Jean-Claude Pressac’s New Auschwitz Book,” The Journal of Historical Review, Jan.-Fev. 1994, página 24.(https://codoh.com/library/document/2489/?lang=en).

[14] Nota de Barbara Kulaszka: A. Mayer, Why Did the Heavens Not Darken? (1988), página 366.

[15] Nota de Barbara Kulaszka: A. Mayer, Why Did the Heavens Not Darken? (1988), páginas 362-363.

[16] Nota de Barbara Kulaszka: IMT “blue series,” Vol. 1, páginas 251-252; Nuremberg document 3868-PS, em IMT “blue series,” Vol. 33, páginas 275-279.

[17] Nota de Barbara Kulaszka: Rupert Butler, Legions of Death (England: 1983), páginas 235-237.

[18] Nota de Barbara Kulaszka: Ver R. Faurisson, “How the British Obtained the Confession of Rudolf Höss,” The Journal of Historical Review, inverno 1986-87, páginas 389-403. (http://www.ihr.org/jhr/v07/v07p389_faurisson.html)

[19] Nota de Barbara Kulaszka: Ver, por exemplo, B. Kulaszka, ed., Did Six Million Really Die (1992), páginas 469-502. Ver também M. Weber, “Fred Leuchter: Courageous Defender of Historical Truth,” The Journal of Historical Review, inverno 1992-93, páginas 421-428 (http://www.ihr.org/jhr/v12/v12p421_Weber.html)

[20] Nota de Barbara Kulaszka: “An Official Polish Report on the Auschwitz ‘Gas Chambers’,” The Journal of Historical Review, verão, 1991, páginas 207-216. (http://www.ihr.org/jhr/v11/v11p207_staff.html)

[21] Nota de Barbara Kulaszka: G. Rudolf, Gutachten über die Bildung und Nachweisbarkeit von Cyanidverbindungen in den ‘Gaskammern’ von Auschwitz (London: 1993) (http://www.vho.org/D/rga/); The Rudolf Report (em inglês) (http://www.vho.org/GB/Books/trr/)

[22] Nota de Barbara Kulaszka: “The ‘Lüftl Report’,” The Journal of Historical Review, inverno 1992-93. (http://www.ihr.org/jhr/v12/v12p391_luftl.html)


VISITE A LIVRARIA SENTINELA

Barbara Kulaszka
Últimos posts por Barbara Kulaszka (exibir todos)
Nos ajude a espalhar a palavra:
Gostou do artigo? Você pode contribuir para o site com uma doação:

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.