fbpx

Tradução de Nick Clark

Nikola Tesla era um homem tão à frente de seu tempo que muito de seu trabalho foi arquivado ou suprimido pelos governos ao redor do mundo. Tesla tinha uma luta contínua com o governo dos EUA porque suas ideias e invenções minariam o status quo do próprio mundo. O que separou Tesla dos outros grandes inventores do final do século 19 e 20 foi sua dedicação ao aprimoramento da humanidade, e não o tamanho de sua conta bancária ou poder pessoal, como tantos outros. Essa benevolência foi sua luz norteadora para grande frustração das elites e dos magnatas americanos amorais que dominavam o país na época assim como o ainda fazem.

Essa animosidade levaria ao governo a não incluir Tesla nas escolas por todo o país, assim como não dar ao brilhante homem crédito por muitas das suas maravilhosas invenções tecnológicas ainda utilizadas hoje em dia. Este imigrante eslavo é o pai do mundo tecnológico moderno. Tesla nos deu a corrente alternada, que alimenta o globo. Ele nos deu o rádio, iluminação fluorescente, o controle remoto, robótica e muito mais, mas foi colocado de lado para abrir espaço para pessoas como Edison, que não tinha metade do intelecto ou gênio criativo que Nikola Tesla possuía.

Este homem que tanto nos deu foi negado de seu lugar na história, e por tanto tempo foi relativamente esquecido pelo público. A elite odiava Tesla tanto que conduziram uma campanha de difamação contra ele na mídia, chamando-o de louco, estranho, que ele era um germafóbico, entre toneladas de outras calúnias durante o assassinato de sua reputação, muitas essas que ainda são amplamente aceitas até hoje. Eles continuaram com isso até sua morte, enquanto o F.B.I. atacava freneticamente todos os pertences de Tesla para roubar suas pesquisas. Eles literalmente queriam apagar um dos homens mais influentes e importantes que já viveram da história. Felizmente, muitas de suas pesquisas e segredos permanecem ocultos até agora. Se e quando esses segredos forem recuperados, isso pode significar uma nova idade de ouro para o progresso humano (ou significar a desgraça para todos nós). Até então, ficamos com as conhecidas invenções perdidas de Nikola Tesla que nunca viram o renome que mereciam. Embora neste mundo de fumaça e espelhos, provavelmente haja muitas mais invenções perdidas de Tesla das quais ninguém ouvirá falar.

A Torre Tesla

Planta de Wardenclyffe da Tesla em Long Island em estágio parcial de conclusão. O trabalho na cúpula de 55 pés de diâmetro ainda não havia começado. Observe o que parece ser um carro de carvão estacionado ao lado do prédio. Desta instalação, Tesla esperava demonstrar a transmissão sem fio de energia elétrica para a França. Por volta de 1902
Planta de Wardenclyffe da Tesla em Long Island em estágio parcial de conclusão. O trabalho na cúpula de 55 pés de diâmetro ainda não havia começado. Observe o que parece ser um carro de carvão estacionado ao lado do prédio. Desta instalação, Tesla esperava demonstrar a transmissão sem fio de energia elétrica para a França. Por volta de 1902

Em 1901, Nikola Tesla foi financiado por J.P. Morgan para criar uma torre que mudaria a forma como a eletricidade era transferida entre os eletrônicos e como os sinais poderiam ser enviados. Esta Torre Tesla usaria o próprio planeta para conduzir sinais. Mas, a genialidade de Tesla foi muito além dessas ambições, e seu impulso para melhorar a raça humana, não os lucros das corporações, é o que alimentou seu impulso para concluir esta invenção gigantesca. Tesla não apenas implementou as funções pretendidas da torre facilmente, mas também a adaptou para fornecimento de energia elétrica sem fio. Isso eliminaria a necessidade de qualquer tipo de conduíte com fio, como muitos tipos de geradores que prejudicam o meio ambiente. Tesla também pretendia energizar aviões voando pelo ar como uma fonte de combustível. Esta invenção teria sido capaz de fornecer energia a cidades inteiras sem fiação, o que é uma loucura de se pensar.

A Torre Tesla estava sendo construída cem anos atrás, mas ainda parece ficção científica por nossa compreensão moderna de como a eletricidade impulsiona a eletrônica. A torre também seria capaz de fornecer uma quantidade ilimitada de energia, que Tesla esperava que levasse luz a todos os cantos mais escuros do mundo. Cada país do terceiro mundo poderia desfrutar de casas, cidades e ruas iluminadas. Isso teria salvado inúmeras vidas e aliviado muito sofrimento para os países subdesenvolvidos em escala global. As torres Tesla poderiam ser replicadas e instaladas em todos os lugares, com energia gratuita para todos, para sempre. Mas, quando J. P. Morgan ficou sabendo disso, o financiamento do projeto foi descartado e a corporação garantiu que a Torre Tesla nunca viesse a existir. Por que eles fariam isso? Não havia lucro a ser obtido, e governos e empresas em todo o mundo não poderiam cobrar das pessoas por algo que Tesla nos daria de graça. Sem falar que as companhias de petróleo estariam obsoletas, o que teria diminuído muito a poluição moderna que está prejudicando a Terra.

O Raio da morte

Mesmo quando velho, Nikola Tesla ainda tinha uma natureza benevolente e de boa vontade para com a civilização humana, é difícil entender por que ele inventou algo chamado Raio da Morte. Mas, considerando a função real do dispositivo, o Tesla que conhecemos e amamos se torna evidente. Em vez de ser uma ferramenta para infligir morte arbitrária a estados inimigos soberanos, foi na verdade uma invenção engenhosa para evitar as guerras por completo. Tesla prometeu que a arma poderia destruir exércitos de milhões por completo, o que intrigou as mentes de uma infinidade de militares.

Nikola Tesla segurando em suas mãos bolas de fogo de Warwick Goble. Ilustração do artigo de Chauncy Montgomery M'Govern, "O Novo Mago do Oeste: Uma entrevista com Tesla, o Milagroso Moderno, que está Aproveitando os Raios do Sol; Descobriu Maneiras de Transmitir Força sem Fios e de Ver por telefone; inventou um meio de empregar eletricidade como fertilizante; e, finalmente, é capaz de fabricar luz natural artificial", Pearson's Magazine , maio de 1899, p. 471
Nikola Tesla segurando em suas mãos bolas de fogo de Warwick Goble. Ilustração do artigo de Chauncy Montgomery M’Govern, “O Novo Mago do Oeste: Uma entrevista com Tesla, o Milagroso Moderno, que está Aproveitando os Raios do Sol; Descobriu Maneiras de Transmitir Força sem Fios e de Ver por telefone; inventou um meio de empregar eletricidade como fertilizante; e, finalmente, é capaz de fabricar luz natural artificial”, Pearson’s Magazine , maio de 1899, p. 471

A arma acelerava as partículas de mercúrio a 48 vezes a velocidade do som dentro do vácuo, então dispara um feixe de energia pelo ar com força suficiente para erradicar qualquer coisa em seu caminho. O feixe era mutável, podendo ser ampliado ou focado como um laser. Ele poderia destruir uma frota inteira de navios de guerra de uma só vez e derrubar toda a força aérea de uma nação em apenas um segundo de até 250 milhas de distância, negando assim a capacidade dos países de bombardearem uns aos outros até submissão. A imprensa chamava a arma de “Raio da Morte de Tesla” e a comparava com muitos contos de ficção científica da época.

Parece bom demais para ser verdade, certo? O único problema era que o Raio da Morte era uma arma defensiva e imóvel. Seu propósito era acabar com guerras ou fazer com que guerras se tornassem inúteis. Nenhum país poderia invadir outro se todos adquirissem essas armas, pois seria muito caro. Estranhamente (ou brilhantemente), Tesla daria apenas pedaços dos esquemas da arma para os aliados durante a Segunda Guerra Mundial, o que significa que eles teriam que colaborar uns com os outros para colocá-las juntas. Isso deixou muitos membros de alto escalão das forças armadas céticos, mas a principal razão pela qual a arma se tornou evitada pelos militares é que era inútil na ofensiva.

O governo dos EUA silenciou Tesla e seu Raio da Morte, revogando qualquer apoio para que ele o criasse. Então eles escolheram financiar a criação da Bomba Atômica, uma arma muito mais útil para infligir a morte no solo em outros países e muito mais intimidante para usar como uma força dominante contra nações mais fracas. Tesla morreu pouco depois, mas os planos existiram. Muitos acreditam que o Raio da Morte foi reutilizado na tecnologia moderna como H.A.A.R.P. entre outras armas de energia em forma de onda. Embora eles sejam uma fração do que poderiam ter sido, e como de costume o homem brilhante ficou desacreditado por seu trabalho.

Máquina de Terremotos

Em 1893, Tesla patenteou um dispositivo notável apelidado de Oscilador Tesla, conhecido como Máquina de Terremotos. Este oscilador mecânico movido a vapor podia vibrar em velocidades insanas a ponto de gerar eletricidade. Esta máquina poderia ser ajustada para certas vibrações de objetos que prejudicariam muito sua estabilidade. Tesla poderia demonstrar o dispositivo fazendo com que o solo vibrasse a ponto de o tremor emular um terremoto (daí seu nome). Alterar a vibração da máquina mudaria o que ela poderia ou não influenciar. Embora nunca tenha sido demonstrado toda a capacidade de seu potencial destrutivo, hipoteticamente isso significa que a máquina poderia atuar em uma parte de um edifício enquanto o restante permaneceria ileso. Poderia até mesmo fazer as pessoas explodirem em uma chuva de sangue coagulado, enquanto tudo ao seu redor permanece intacto.

Durante uma demonstração de seu poder, Tesla alternou as vibrações da máquina próximo ao aço de um edifício e colocou o temor de Deus nas testemunhas que pensaram que todo o edifício iria desabar ao seu redor. Um deles agarrou um martelo e começou a quebrar a máquina para parar com o tremor. Lá fora, na rua, as pessoas pensaram que um terremoto de verdade estava acontecendo e que o inferno tinha começado. Quando a polícia investigou, Tesla e seu assistente alegaram ignorância e disseram que poderia ter sido um terremoto (o que é hilário). Em uma entrevista, um repórter certa vez perguntou o que Tesla precisaria para destruir o Empire State Building. Ao que ele respondeu, “as vibrações podem fazer qualquer coisa”. Muito provavelmente Tesla descartou esta invenção por medo de que pudesse ser transformada em uma arma… mas quem sabe? pode existir hoje. Existem muitas armas ultra secretas sobre as quais as pessoas comuns nada sabem. Mas se você usar sua imaginação, provavelmente poderá pensar que, ao longo da história, esse tipo de tecnologia pode ter desempenhado algum papel.

Máquina Voadora

Este já é um pouco exagerado. Mas é verdade que Tesla estava trabalhando em sua “teoria dinâmica da gravidade” já em 1897. Ele disse ao New York Herald em 1911 que estava desenvolvendo uma tecnologia antigravidade destinada a alimentar uma máquina voadora. Naquela época, a maioria das máquinas era movida a óleo ou petróleo. Como de costume, porém, Tesla jogou todas as “concepções” sobre como as coisas funcionavam pela janela e usou sua própria forma de energia que ele poderia extrair da atmosfera ou do próprio planeta. Tesla supostamente usaria um campo eletromagnético para alterar a direção da gravidade ao redor da máquina, dando-lhe voo e propulsão. Aqui está uma citação de Tesla sobre sua máquina voadora em uma rara entrevista:

“Minha máquina voadora não terá asas nem hélices. Você pode vê-la no chão e nunca adivinhar que é uma máquina voadora. Ainda assim, ela será capaz de se mover pelo ar à vontade para qualquer direção com perfeita segurança, a velocidades mais altas do que as que já foram alcançadas, independentemente do clima ou correntes descendentes. Ela vai subir nessas correntes, se desejar. Ele pode permanecer absolutamente estacionário no ar, mesmo com vento, por um longo período de tempo. Seu poder de elevação não dependerá de quaisquer dispositivos delicados que o pássaro tenha que empregar, mas sim da ação mecânica positiva”.

Então, o que aconteceu com esta máquina voadora em que Tesla estava trabalhando? Obviamente, não deu certo (ou deu?). Supostamente… E digo supostamente porque não há provas, Tesla criou um protótipo funcional completo. No entanto, para que as embarcações do tipo OVNI funcionassem, elas exigiam aquelas torres que garantiam eletricidade gratuita para todos. As Torres Tesla seriam como um posto de gasolina e, uma vez que falharam graças a J. P. Morgan, não havia maneira de tirar as máquinas do chão ou de serem produzidas em massa de qualquer forma. A fonte de energia sem fio gratuita de Tesla foi a chave para que a invenção pudesse decolar. Quando as torres foram abandonadas, também foi esse sonho de transporte de ficção científica. Após sua morte, os papéis de pesquisa sobre esses veículos semelhantes aos de OVNIs foram roubados pelo F.B.I. Também apreenderam as patentes do aparelho por motivos de “segurança nacional”. Portanto, o governo dos EUA tem todas as informações sobre a máquina voadora de Tesla e, desde então, se recusa a responder a quaisquer perguntas sobre o assunto.

A Câmera de Pensamento

Depois, há a Câmera de Pensamento Tesla. Ele acreditava muito que os pensamentos podiam ser capturados em filme. A inspiração para suas teorias sobre o assunto remonta a 1893, na qual ele concluiu que uma imagem poderia permanecer na retina do globo ocular e, com um aparato adequado, poderia realmente ser vista por outros ou mesmo projetada em uma parede. As ambições de Tesla foram além de apenas uma imagem capturada na retina sendo projetada; a projeção dos pensamentos de alguém também. Em 1933, ele contou aos repórteres tudo sobre suas teorias sobre o assunto. Isso despertou o interesse das autoridades policiais porque havia um mito comum de que, quando uma pessoa morria, a última coisa que via ficava gravada na retina. Se houvesse um dispositivo para ver essa última imagem, isso poderia significar uma nova maneira eficiente de solucionar crimes, especialmente assassinatos. Naquela época, as pessoas acreditavam que o olho funcionava de maneira semelhante a uma câmera, então não ficava muito longe para uma pessoa comum entender. Isso foi quando Tesla tinha 78 anos e o assassinato de sua reputação já estava em andamento fazia anos. Então ele não encontrou nenhum financiamento real para o projeto, e o entusiasmo em torno do dispositivo foi diminuindo lentamente, já que a maioria das pessoas estava inclinada a pensar pouco sobre ele.

Conclusão

É uma pena que muito do que Nikola Tesla poderia ter criado nunca chegou a acontecer porque ele não “participou do jogo”, mas essa é uma de suas qualidades mais cativantes. Ele era incorruptível em um mundo cercado por corruptos e se recusava a seguir os planos dos poderosos e dos ricos. Ele pagou caro por isso. Tesla não era empresário para capitalizar suas invenções ou enriquecer. Ele se autodenominava um descobridor, não um inventor, e desejava apenas elevar a humanidade com seu intelecto ridiculamente talentoso. Mas, apesar de todas as adversidades lançadas em seu caminho, o homem era robusto como uma rocha e é, sem dúvida, o pai do mundo tecnológico moderno e o maior inventor que o mundo já conheceu.


Fonte: Criptic Chronicles

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Quer receber nossas notificações?    SIM! Não, obrigado (a)