Sionistas se Movimentam Para Aprovar Projeto de “Estado da Nação Israelense”, Legalizando Segregações e Justificando Expropriações

Nos ajude a espalhar a palavra:
Resultado de imagem para derechos de cuarta generacion
Charge de Carlos Latuff

 

O governo israelense deve apresentar o tão aguardado projeto de “Estado-nação”, que legaliza a segregação racial entre judeus e não judeus, e que promove “assentamento judaico” [em territórios palestinos] como um “valor nacional”.

Segundo relatos na mídia israelense, o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, atualmente investigado junto com a esposa por esquemas de corrupção e uso indevido de recursos públicos, defendeu o projeto de lei do Estado judaico, dizendo que os judeus têm “direitos majoritários”.

“A maioria dos israelenses quer preservar a identidade judaica do país e que a maioria governe”, disse Netanyahu. “A grande maioria das pessoas quer preservar o caráter judaico do nosso país para as gerações vindouras”.

Originalmente, uma cláusula do “projeto de lei judaico”, numerada 7B, diz que o Estado teria permissão para “autorizar uma comunidade composta de pessoas com a mesma fé e nacionalidade para manter o caráter exclusivo daquela comunidade”.

O “apartheid” (segregação racial) que o mundo Ocidental apoia em nome do Deus de Israel
Esta cláusula foi, no entanto, alterada para substituí-la por um apelo ao fortalecimento da presença judaica em áreas predominantemente árabes de Israel.
A nova versão da cláusula 7B agora diz:

“O estado vê o desenvolvimento da colonização judaica como um valor nacional e atuará para encorajar e promover seu estabelecimento e consolidação”.

A lei passou por uma votação no comitê do Knesset na segunda-feira (16), antes da votação final do plenário sobre a lei antes do recesso de verão do parlamento neste domingo (22), informou o Times of Israel.
Se aprovada, a lei se tornaria uma das chamadas Leis Básicas, que, como uma constituição, sustentam o sistema legal de Israel e são mais difíceis de serem revogadas do que as leis comuns.
O judaísmo já é mencionado em todas as leis do país, e as autoridades religiosas controlam muitos aspectos da vida, incluindo o casamento. Mas as 11 Leis Básicas existentes lidam principalmente com instituições estatais como o Knesset, os tribunais e a presidência.
O Knesset, parlamento israelense.
Além disso, a lei também estabeleceria o hebraico como a língua oficial de Israel. O árabe seria removido como língua oficial, em uma clara afronta aos palestinos remanescentes em Israel – aqueles que conseguiram sobreviver à limpeza étnica inicial daquele território pelos judeus.

A lei também declararia que Jerusalém é a capital de Israel, tornaria explícita a conexão entre os judeus da diáspora e o estado e fixaria o calendário hebreu como o calendário oficial do estado, assim como reconheceria o Dia da Independência, dias de recordação e feriados judaicos.Originalmente publicado em 16 de julho de 2018 

 

O www.osentinela.org é um projeto de mídia informativa de viés nacionalista e tradicionalista brasileiro mantido pela própria equipe, escrevendo, editando e atualizando de forma pontual, além dos nossos leitores e seguidores de nossas mídias sociais.O conteúdo sempre será livre e de forma gratuita, mas se você quiser incentivar esse projeto, poderá fazer com qualquer valor. Assim, estará sendo VOCÊ o financiador daqueles que acreditam na causa nacional.

Outras formas de doação através do contato osentinelabrasil@gmail.com

Siga em:

O Sentinela

Site formado em 2013 com foco em história não oficial do Brasil e geral, política, filosofia, economia, cultura e etc.

Com foco geral em análises de um ponto de vista da Terceira Posição Política e do Revisionismo histórico, nossa missão e visão consiste em trazer a verdade (assim como questioná-la, já que nenhuma verdade é absoluta) sobre uma ótica diferente do habitual.

Pense diferente.
Siga em:

Últimos posts por O Sentinela (exibir todos)

Nos ajude a espalhar a palavra:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.