Peter Padfield: Rudolf Hess Levou Oferta de Paz Generosa à Grã-Bretanha em 1941

Nos ajude a espalhar a palavra:

Foi um dos episódios mais desconcertantes da Segunda Guerra Mundial, que, mais de 70 anos depois, permanece envolto em mistério.

Mas um novo livro alega ter resolvido o enigma da fuga para a Grã-Bretanha em 1941 de Rudolf Hess, o adjunto de Adolf Hitler. A jornada de Hess para a Grã-Bretanha por aviões de caça para a Escócia tem sido tradicionalmente descartada como a uma “louca missão solo de um louco”. Mas o historiador Peter Padfield, descobriu evidências que, segundo ele, mostram que Hess, o deputado do Führer, trouxe consigo, do próprio Adolf Hitler, um detalhado tratado de paz, sob o qual o Reich se retiraria da Europa ocidental.

A existência de tal documento foi revelada a ele por um informante que afirma que ele mesmo e outros falantes de alemão foram chamados pelo MI6 para traduzir o tratado para Churchill.

Adolf Hitler (esquerda) ao lado de Rudolf Hess (direita), na Convenção anual dos Nacional-Socialista em Nuremberg, Alemanha, em 1936.

A figura, já falecida que não é nomeada por Padfield, foi um acadêmico que mais tarde trabalhou em uma tradicional universidade inglesa. Antes de sua morte, ele transmitiu um relato de como o grupo estava reunido na sede da BBC, em Portland Place, Londres, para realizar a tarefa.

O acadêmico disse que Hess havia trazido consigo o tratado de paz proposto, expresso em cláusulas numeradas e digitado em papel oficial da chancelaria alemã. Uma tradução em inglês também foi incluída, mas os britânicos também queriam que o original alemão fosse traduzido.

O informante disse que as duas primeiras páginas do tratado detalhavam os objetivos precisos de Hitler na União Soviética, seguidos por seções detalhando como a Grã-Bretanha poderia manter sua independência, o Império e as forças armadas, e como os nacional-socialistas se retirariam da Europa ocidental. O tratado propunha um estado de “wohlwollende Neutralitat” – traduzido como “bem desejoso de neutralidade”, entre a Grã-Bretanha e a Alemanha, pela ofensiva deste último contra os sovietes. O informante chegou a dizer que a data do ataque de Hitler no leste foi divulgada.

O Sr. Padfield, que faz as reivindicações em um novo livro, Hess, Hitler and Churchill, disse: “Este não foi um plano renegado. Hitler enviou Hess e ele trouxe um tratado de paz totalmente desenvolvido para a Alemanha evacuar todos os países ocupados no Ocidente.”

Líderes alemães nacional-socialistas no julgamento dos Aliados em Nuremberg, Alemanha ocupada. Na imagem, destaque para Hermann Göring, na ponta esquerda e ao seu lado, Rudolf Hess.

Padfield, que já escreveu uma biografia de Hess, Karl Dönitz e Heinrich Himmler, acredita que o tratado foi suprimido na época, porque teria frustrado os esforços de Churchill para colocar os EUA na guerra, destruiu sua coalizão para exilar os governos europeus e enfraquecer sua posição no mercado interno, pois teria sido aproveitada pelo que o autor acredita ser uma considerável facção de “paz negociada” na Grã-Bretanha na época. Ao mesmo tempo, desde que a missão falhou, também convinha Hitler demitir Hess como um agente desonesto.

Não há menção ao tratado em nenhum dos arquivos oficiais que já foram divulgados, mas Padfield acredita que isso acontece porque houve um encobrimento em curso para proteger a reputação de figuras poderosas. O autor diz que seu informante interrompeu o contato com ele depois de abordar seus antigos mestres nos serviços de segurança.

O Sr. Padfield também reuniu outras provas para apoiar a existência do tratado e seu conteúdo – assim como o subsequente encobrimento.

Ele estabeleceu que dois estoques de documentos foram retirados de itens carregados por Hess quando ele foi preso após saltar de seu avião, um Messerschmitt 110, na noite de 10 de maio de 1941, perto de Eaglesham, nos arredores de Glasgow. Nenhum deles foi liberado.

Ele encontrou depoimentos de testemunhas de uma mulher que morava perto de onde Hess havia desembarcado, o que indica que a polícia foi “ordenada a procurar um documento valioso que estava faltando”. O item, de acordo com a testemunha, foi encontrado “perto da área de rastro do pouso forçado no parque”.

O Sr. Padfield também aponta que Hess havia obtido ajuda de um tradutor especializado do Ministério das Relações Exteriores da Alemanha – embora fizesse o uso de outro falante fluente em inglês – ao redigir documentos para suas negociações com os britânicos, antes de seu voo. Isto sugere, afirma Padfield, que a redação aprovada era necessária para os documentos.

Rudolf Hess na sua solitária prisão de Spandau, Alemanha, então 87 anos, já velho pouco antes de ser assassinado pelos serviço secreto anglo-judaico.

Hess foi mantido em cativeiro na Grã-Bretanha até o final da guerra, quando foi devolvido à Alemanha para ser julgado em Nuremberg. Ele foi enviado para a prisão de Spandau, onde foi morto por agentes britânicos em 1987. As autoridades disseram que ele havia cometido suicídio, embora seu filho e alguns historiadores tenham alegado que o Estado britânico o assassinou para proteger segredos.

Nacionalistas alemães marcham em honra do aniversário de Rudolf Hess, em 16 de agosto de 2003 I Imagem: Sean Gallup

Fonte: Daily Archives

Sobre o autor:

Peter L.N. Padfield, 87, é um prolífico e conhecido autor britânico, biógrafo, historiador e jornalista especializado em história naval e no período da Segunda Guerra Mundial.

Após terminar os estudos no colégio interno para meninos “Christ’s Hospital”, aspirou a ser cadete da Royal Naval Reserve no HMS Worcester, tornou-se oficial de navegação da companhia de navegação P&O.

Após encerrar a carreiro naval em 1960, casou-se e se estabeleceu na Inglaterra criando uma carreira no jornalismo e escrevendo livros. Entre seus trabalhos mais conhecidos desse período, houve sua segunda obra, “The Titanic and the Californian”, em que defende a reputação do Capitão Lord, que desde 1912 foi amplamente responsabilizado pela morte de centenas de passageiros no Titanic. O enorme sucesso disso permitiu ele começar a escrever livros em tempo integral. Depois vieram vários trabalhos sobre história naval, incluindo “The Great Naval Race” (1976), um estudo da rivalidade entre a Grã-Bretanha e a Alemanha no início do século XX, que levou a biografias de três líderes alemães nacional-socialistas, Karl Dönitz, Heinrich Himmler e Rudolf Hess.

Em 2003 ele ganhou o Prêmio Marítimo de Mountbatten por seu livro “Maritime Power and the Struggle for Freedom”. O trabalho histórico mais recente de Padfield é “Hess, Hitler ando Churchill” (2013), no qual ele explora o mistério da fuga de Rudolf Hess para a Grã-Bretanha em 1941.  Atualmente mora com a esposa em Woodbridge.

VEJA TAMBÉM

Wolf Rüdiger Hess: A Vida e Morte de Meu Pai, Rudolf Hess

Mark Weber: O Legado de Rudolf Hess

Centenas de nacional-socialistas marcham em Berlim em memória de Rudolf Hess

Siga em:

Sentinela

Site formado em 2013 com foco em história não oficial do Brasil e geral, política, filosofia, economia, cultura e etc.

Com foco geral em análises de um ponto de vista da Terceira Posição Política e do Revisionismo histórico, nossa missão e visão consiste em trazer a verdade (assim como questioná-la, já que nenhuma verdade é absoluta) sobre uma ótica diferente do habitual.

Pense diferente.
Siga em:

Últimos posts por Sentinela (exibir todos)

Nos ajude a espalhar a palavra:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.