Ministro da Economia Deixa Escapar que Esquema da Dívida Pública Economiza Mais de R$ 1 Trilhão Para os Bancos na Transição do Regime de Capitalização

Nos ajude a espalhar a palavra:

Durante quatro horas da primeira quarta-feira (3) do mês, a Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados, ouviu o Ministro da Economia Paulo Guedes, que foi questionado sobre os R$ 1,1 trilhão que ele quer tirar dos aposentados e trabalhadores com a “Reforma da Previdência”, para privilegiar ainda mais os gastos com a dívida pública.

Deputados citaram a própria exposição de motivos da proposta de Reforma da Previdência encaminhada pelo governo, segundo a qual quase 80% desses R$ 1,1 trilhão serão tirados dos mais pobres do Regime Geral e da Assistência Social.

No Regime Geral de Previdência Social (INSS), 83% de seus beneficiários que estão sendo prejudicados pela PEC ganham até 2 salários mínimos, e o benefício máximo é de R$ 5.839,45.

A PEC prejudica também os que recebem benefícios assistenciais de apenas 1 salário mínimo, como o BPC (Benefício assistencial ao idoso e à pessoa com deficiência, que passaria a ser de míseros R$400,00 até os 70 anos!) e o abono salarial, cuja extinção atinge dezenas de milhões de trabalhadores que ganham entre 1 e 2 salários mínimos.

Foi perguntado também ao Ministro qual seria o custo para a implementação da “capitalização”.

Esse custo envolve tanto o custo de transição (que em diversos países superou o valor do PIB nesses países), como também o prejuízo decorrente da perda de arrecadação das contribuições previdenciárias que não mais seriam pagas aos cofres públicos, mas aos bancos. O Ministro não respondeu aos questionamentos, se limitando a falar que o custo da capitalização dependeria do seu formato, a ser definido em Lei Complementar.

Dessa forma, o sistema de Previdência, que deveria ser sinônimo de segurança, e que é definido hoje pela Constituição, passaria a ser regido por uma lei desconhecida.

Parlamentares não deveriam avançar um passo sequer sem transparência em relação a esse custo de transição.

O Ministro Paulo Guedes confessou que o trilhão que quer economizar com a PEC 6 é para entregar aos bancos e cobrir parte do custo de transição para a Capitalização.

Fonte: Auditoria Cidadã da Dívida

Veja Também

O desgoverno Bolsonaro: chefias de estatais e privatizações

A Raiz do Antinacionalismo “Disfarçado” de Bolsonaro

Privataria Patriótica de Mercado

Transnacionais “abocanham” o Pré-Sal Enquanto Governo Federal Facilita o Espólio

O Que é Soberania e Falso Patriotismo?

Saiba Mais

Dr. Adriano Benayon: Dívida Pública Externa e Interna

Descomplicando a Dívida: Você Sabia Que Houve Uma CPI da Dívida Pública Brasileira? O Que Ela Apurou?

Níveis de Dívidas Sobem à Patamares Extremamente Perigosos – Quanto Tempo Isso Pode Continuar?

CPMI da Auditoria da Dívida Pública Brasileira é Derrubada: Mais um Crime Contra a Soberania!

Siga em:
Nos ajude a espalhar a palavra:
Gostou do artigo? Você pode contribuir para o site com uma doação:

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.