Confirmado: Israel usa testes de DNA para limitar miscigenação e imigrantes

Nos ajude a espalhar a palavra:

Tribunais rabínicos israelenses estão usando regularmente testes de DNA para assegurar as alegações de descendência racial judaica por supostos imigrantes em Israel, confirmando que os judeus são, de fato, uma raça biológica, confirmou um novo relatório no jornal israelense Haaretz.

As notícias sobre o uso de testes de DNA já são conhecidas desde julho de 2013, quando uma declaração oficial do gabinete do primeiro-ministro israelense em Tel Aviv, disse que o governo judaico estava prestes a introduzir testes de DNA para garantir que não-judeus da Rússia entrassem no país.

A nova admissão publica no jornal Haaretz é, no entanto, a primeira confirmação de que a política está sendo implementada ativamente, e está sendo usada para impedir que aqueles que não podem provar que são biologicamente descendentes de mães judias casem com “judeus puros”.

De acordo com o novo relatório, em “casos em que o judaísmo de indivíduos que buscam se casar está em dúvida”, os indivíduos estão sendo solicitados a “passar por testes genéticos” para confirmar seu judaísmo.

O Haaretz – tradicionalmente considerado de “esquerda” no espectro político judaico, disse Elad Caplan, diretor do centro de defesa do ITIM, “uma organização que ajuda os imigrantes desafiados pela burocracia religiosa de Israel” dizendo que “é realmente aterrorizante pensar onde isso poderia levar… O judaísmo é sobre pertencimento e comunidade – não é sobre raça e sangue, como os nossos piores inimigos afirmaram. ”

Ainda segundo o Haaretz, uma noiva e um noivo judeus devem se casar legalmente através do escritório do Chefe  do Rabinato, controlado por ortodoxos se quiserem ser reconhecidos como casados ​​em Israel.

Na matéria lê-se o seguinte:

“Todos os casais que procuram casar-se através do Rabinato devem primeiro se registrar em um de seus escritórios locais. Esses cargos geralmente encaminham indivíduos para os tribunais rabínicos se não houver certificação de que a mãe da noiva ou do noivo foi casada através do Rabinato (ou por um rabino aprovado pelo Rabinato se eles são do exterior).

Da mesma forma, os casais serão encaminhados para a corte rabínica se suspeitas forem levantadas sobre a autenticidade da documentação apresentada.

Em alguns casos, os indivíduos foram solicitados a fornecer provas de DNA de que sua mãe era, de fato, sua mãe biológica. Isso ocorre porque a lei religiosa judaica, ou halakha, define um judeu como filho de uma mãe judia. Em outros casos, os indivíduos serão solicitados a fornecer resultados de testes de DNA que mostram que eles são descendentes de judeus-asquenazi.

O DNA mitocondrial é herdado exclusivamente da mãe de uma pessoa, de modo que os marcadores genéticos podem ser rastreados desde muitas gerações para determinar os ancestrais maternos de alguém com um alto grau de certeza.

Um estudo de 2006 mostrou que 40% de todos os judeus asquenazes são descendentes de apenas quatro mulheres judias que viveram mais de mil anos atrás. Esse estudo concluiu que, se alguém possui marcadores específicos de DNA mitocondrial, há 90% a 99% de chance de ser descendente de uma dessas mulheres.

Dentro do movimento ortodoxo, tem havido um impulso nos últimos anos para fazer com que o Rabinato reconheça os resultados dos testes de DNA como uma maneira legítima de estabelecer se um indivíduo é judeu de acordo com halakha.

Uma força motriz na campanha para fazer o Rabinato usar o teste de DNA mais amplamente é o Eretz Hemdah, um instituto de Jerusalém que treina juízes rabínicos. Vários pareceres sobre o assunto foram publicados pela respeitada instituição nos últimos anos.

Solicitado a comentar, um porta-voz do Rabinato indicou ao Haaretz o porta-voz dos tribunais rabínicos. O porta-voz dos tribunais rabínicos disse: “Não estamos comentando”.

 

A versão de que os judeus seriam uma raça e não uma religião é um fato que é bem conhecido por muitos geneticistas. Mais recentemente, uma pesquisa realizada pelo Instituto Eretz Hemdah de Estudos Judaicos Avançados em Jerusalém revelou a existência de um “gene judeu” que, segundo ele, “pode ​​ajudar a provar o caráter judeu” de acordo com a lei religiosa judaica.

O noticiário israelense do Ynet disse entusiasticamente aos leitores judeus que o “estudo inovador de especialistas israelenses em genética e da halachá judaica (a lei religiosa) afirma que o chamado ‘gene judeu’ pode ser identificado através de  uma amostra de saliva, e pode salvar de um processo de conversão longo e complicado.

O rabino Dov Popper, um conselheiro do Instituto Puah, acrescentou que pesquisadores em Israel e no mundo estudam o DNA mitocondrial – estruturas dentro das células – que uma pessoa recebe apenas de sua mãe.

“Podemos encontrar o gene com um simples teste de sangue ou saliva. Assim que você encontrar o gene mitocondrial em uma pessoa, isso serve como uma considerável evidência para provar suas raízes judaicas ”, disse o rabino Popper.

 

O racismo a todo vapor. Lembrando que não é de hoje, ações como violentos motins racistas anti-africanos dirigidos contra imigrantes em Israel são constantemente promovidos pela por grupos populares. Mas isso está diretamente na contra-mão do que o governo israelense prega no exterior em suas campanhas governamentais internacionais como o apoio imigrante na Europa, como a que faz no Brasil atualmente. Fica bastante óbvio que a realidade é outra.

Não deixemos de lembrar também que o “sacro-santo” Estado de Israel, tão defendido pelas multinacionais religiosas “neo-pentecostais” do continente americano e pelos governos liberais que aqui vigoram atualmente, não só cometem genocídio indiscriminado contra a população palestina desarmada todos os anos em sua expansão ilegal sob território palestino, quanto criam leis de segregação racial-religiosa dentro de seu próprio país para decidir quem tem ou não direito de cidadania e nem sequer respeitam a religião e a liberdade religiosa, grosso modo, cristão.

Fonte: The New Observer / Haaretz

Veja Também

Judeus Ultra-Ortodoxos teriam destruído cemitério cristão em Israel

Israel: Judeus se preparam para aprovar projeto de “Estado da nação” que legaliza a segregação racial e justifica roubo de terras

O Absurdo Sionista: Líderes judeus pedem novas edições da Bíblia e Alcorão que tenham alertas de “passagens antissemitas”

Ann Coulter: Judeus estão na base democrata do “ódio ao homem branco”

Siga em:

Sentinela

Site formado em 2013 com foco em história não oficial do Brasil e geral, política, filosofia, economia, cultura e etc.

Com foco geral em análises de um ponto de vista da Terceira Posição Política e do Revisionismo histórico, nossa missão e visão consiste em trazer a verdade (assim como questioná-la, já que nenhuma verdade é absoluta) sobre uma ótica diferente do habitual.

Pense diferente.
Siga em:
Nos ajude a espalhar a palavra:

One thought on “Confirmado: Israel usa testes de DNA para limitar miscigenação e imigrantes”

  1. judeus-asquenaz não possuem sangue semita e sim dos descendentes de Jafé; no caso, possuem descendência europeia. Começaram a adentrar em Jerusalém por Alexandre. Os judeus originais migraram, principalmente, para o Egito e depois para a Etiópia por conta de Nabucodonosor que destruiu Jerusalém e depois proferiu perseguição a esses. Os judeus de verdade estão espalhados pelo mundo, até na china, e em sua maioria são negros. Não a nada oculto que não seja descoberto e mais tarde descobriremos a verdade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.