Theresa Malkiel: a mulher por trás do Dia Internacional da Mulher

Nos ajude a espalhar a palavra:

Enquanto o mundo celebrou o Dia Internacional da Mulher, voltemos ao tempo de 1909, quando tudo começou. O Partido Socialista da América homenageou este dia em reconhecimento às trabalhadoras que protestavam contra as condições de trabalho.

De origem russa-judaica, Theresa Malkiel foi criada em uma família judia de classe média e migrou para os Estados Unidos em 1891. Ela introduziu a ideia de um “Dia Nacional da Mulher” nos EUA, que logo foi adotado pelos países europeus. Ela fez várias contribuições semelhantes para tornar o movimento das mulheres mais robusto e passou a dar ao movimento uma voz poderosa pelo direito de voto das mulheres.

Trabalhando na indústria de vestuário não regulamentada como fabricante de capas, Malkiel organizou o Sindicato dos Fabricantes de Casacos Infantis de Mulheres. Essa foi uma das primeiras organizações que destacou as necessidades das mulheres que trabalhavam fora. A historiadora Sally M. Miller, em sua pesquisa detalhada sobre essa mulher, diz que a década de 1890 testemunhou o surgimento e o desenvolvimento de vários grupos de auto-ajuda. Miller disse que essa ampla rede institucionalizada era voltada para as necessidades das famílias do gueto e dos homens desempregados.

Theresa Malkiel. Foto: Desconhecido.

Ela observou que as instituições para atender às necessidades de mulheres solteiras que trabalhavam dificilmente existiam. Malkiel se tornou a primeira mulher nos EUA a chamar a atenção para a situação das trabalhadoras imigrantes. E logo ela percebeu a importância da mobilização política.

Miller escreveu que , para Malkiel, “o socialismo se tornou o caminho para a independência de uma comunidade cooperativa de trabalhadores que libertaria homens e mulheres e estabeleceria igualdade para todos”. Em 1896, Malkiel foi nomeado delegada da convenção inicial da Aliança Socialista do Comércio e do Trabalho. Mais tarde, ela se juntou ao Partido Socialista da América.

No entanto, o Partido Socialista da América fez muito pouco para garantir a igualdade entre homens e mulheres. Percebendo isso, Malkiel iniciou um movimento paralelo de mulheres socialistas. Acredita-se que ela tenha dito que “as mulheres estão cansadas de suas posições como padeiro-oficiais e colecionadoras de dinheiro”, justificando sua posição de formar a organização separada. O Partido Socialista respondeu formando um departamento de mulheres e um Comitê Nacional de Mulheres. Malkiel foi eleita para o comitê e se tornou a “principal ativista imigrante” do partido. Em 1909, ela apoiou ativamente o Shirtwaist Strike em Nova Iorque.

Duas mulheres grevistas na linha de piquete durante a “Revolta dos 20.000”, greve de trabalhadoras de vestuário, na cidade de Nova Iorque. Fevereiro de 1910, piquetes de plantão. / Foto: George Grantham Bain, United States Library of Congress.

Entre outras questões, em 1914, ela chefiou a campanha socialista pelo sufrágio em Nova Iorque e, dois anos depois, tornou-se uma das três mulheres enviadas pelo Comitê Executivo Nacional em uma campanha de sufrágio entre países. Miller diz que o compromisso de Malkiel era de princípios e táticas. Ela também estava muito ciente do estande de seu partido. Em 1912, Malkiel apresentou seu argumento de que se o partido não apoiasse o sufrágio feminino, seria derrubado em cédulas pelas mulheres envolvidas. Então a Primeira Guerra Mundial aconteceu e seus interesses mudaram para outras causas. Ela promoveu a educação das mulheres imigrantes e ajudou na sua naturalização.

Malkiel faleceu em 1949.

Fonte: The Policy Times

Autoria original de  TPT Bureau | Agencies. Publicado originalmente em 09 mar. 2020. Adaptação de texto para o português por André Marques.

Andre Marques
Siga em:
Nos ajude a espalhar a palavra:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.