O impostor globalista Emmanuel Macron

Nos ajude a espalhar a palavra:

Quem é o presidente francês, de onde ele vem e o que ele quer alcançar? O Free West Media analisou profundamente sua biografia distorcida.

Quem é o verdadeiro Emmanuel Macron, o homem que, aos quinze anos, foi seduzido por sua professora casada de 24 anos, Brigitte Auzières, na escola jesuíta La Providence, em Amiens, no norte da França, mãe de seu colega, Laurence? Seus ex-colegas descrevem-no como um solitário eloquente que sempre se interessou por pessoas mais velhas – uma avaliação compartilhada por Julien Dray, seu colega do Partido Socialista, que uma vez se referiu a Macron como um “Casanova”.

Macron se formou na escola de elite Lycée Henri IV, em Paris, em 1995, onde seus pais haviam banido-o na vã esperança de pôr fim ao caso com sua professora. Emmanuel Macron não era um dos melhores alunos de sua turma, mas ele entendia, de acordo com ex-colegas de turma,“como a deslumbrar pelo uso de palavras inteligentes sonoridade”.

Brigitte e Emmanuel na atualidade. FOTO: xibaaru.sn.

A partir de 2012, Macron repetidamente disse aos repórteres que ele era um graduado da instituição de elite, Ecole Nationale Supérieure (ENS Ulm), ou alegou relatórios rejeitados  que reivindicavam isto. Mas, na realidade, a sua presença na ENS em 1996 e 1997 limitou-se a participar no muito difícil processo de seleção – o qual ele falhou duas vezes.

Entre 1998 e 2001, Macron na verdade estudou na menos prestigiada, mas desconstrutivista e elegante escola de elite parisiense, a Science Po. Ao mesmo tempo, ele começou a estudar filosofia na Universidade de Paris-Nanterre, onde ajudou o filósofo Paul Ricoeur como assistente na compilação da bibliografia para o livro “La Mémoire, l’histoire, l’oubli”.

Macron e a grande mídia depois embelezaram seu simples emprego de assistente, transformando Macron no vice-editor do livro do filósofo, que falecera em 2005. Macron afirma ter escrito sua tese de mestrado sobre o filósofo Etienne Balibar, mas disse à mídia que ele não tinha “nem lembranças nem documentos sobre esse episódio”.

Seu desejo de ser percebido como um grande intelectual levou Macron a trocar visões sobre questões do Islã e a separação de Estado e religião com os professores universitários Gilles Kepel e Abdelwahab no verão de 2016. O único problema aqui era que o Meddeb tunisiano havia morrido em 2014.

De 2002 a 2004, Macron estudou na ENA em Estrasburgo e depois começou a trabalhar para a Inspection générale des Finances. Ele foi promovido pelo diretor executivo, Jean-Pierre Jouyet, mais tarde secretário de Estado para Assuntos Europeus sob Nicolas Sarkozy e secretário geral de François Hollande [1].

Em seu escritório, Macron conheceu Jacques Attali em 2007, a eminência parda dos globalistas franceses. Pouco tempo depois, Macron foi nomeado vice-relator da comissão, que incluía políticos, empresários, sindicalistas, franceses e outros europeus unidos em sua crença no progresso através do liberalismo, que havia sido encomendado por Sarkozy.

Emmanuel Macron e Jacques Attali. FOTO: Medias Presse

Para Macron, trabalhando lá era o “pára-quedas” no mundo dos ricos e poderosos. O homem, que nas palavras de seu primeiro patrono Jean-Pierre Jouyet “seduz, usa e depois joga fora”, conheceu o CEO da Nestlé, Peter Brabeck, em 2008, sob recomendação de Attali, fundador e proprietário do Weinberg Investment. O investidor de fundos, Serge Weinberg, assim como o antigo CEO da Essilor, Xavier Fontanet, foram recrutados como banqueiro de investimento por François Hernot, do Rothschild Bank.

Alain Minc, um conselheiro político e de pós-graduação da ENA, com forte relacionamento com grandes empresas francesas, já havia aconselhado Macron a buscar sua própria independência econômica para avançar em sua carreira política.

De acordo com a grande mídia, Macron rapidamente ganhou a reputação de “um Mozart das finanças” em Rothschild, mas sob a proteção do anonimato, um banqueiro parisiense declarou recentemente: “Ele tinha uma reputação de nunca ter feito nada”.

Um especialista anônimo do setor também disse ao site de notícias franceinfo.fr que:

“Um banqueiro de investimento é um cavalo reprodutor, uma pérola rara. Você primeiro compra um catálogo de endereços com ele, especialmente na França. Para ser um banqueiro de investimento, você deve ter completado o ENA e a Inspeção de Finanças, porque essas pessoas só pegam seu telefone para um alter ego ”.

O diário comercial francês Les Echos escreveu que Emmanuel Macron não tinha o perfil clássico de um banqueiro e não era um produto Rothschild. Macron não ganhava dinheiro para o banco, como mostra uma farsa do ano de 2010: Macron oficialmente aconselhava o conselho editorial do Le Monde, que procurava uma forma de refinanciamento, mas também mantinha contato secreto com Alain Minc, que apoiava a  oferta da empresa Perdiel-Prisa-Orange para comprar o jornal, a qual a comunidade editorial considerou particularmente hostil.

“Primeiro ele nos inspirou – para si mesmo, depois nos traiu”, comentou mais tarde o vice-presidente da comunidade editorial Adrien de Tricornot:

“Eu acho que Macron ganhou alguma notoriedade em Paris, apresentando-se como um representante dos acionistas majoritários, o que lhe deu a oportunidade de discutir com muitas pessoas. E então ele viu seus rivais, como o banqueiro de investimentos Mathieu Pigasse do Lazard Bank, entrarem em negociações. Eu acho que Macron estava sozinho”.

Após essa farsa, Macron foi promovido no final de 2010 como acionista do Rothschild Bank. Será que isso tem a ver novamente com seus contatos? Desde 2010, ele treinou com o grupo de trabalho especializado “La Rotonde”, dos Rothschild, o centro que projetou o programa econômico do candidato socialista François Hollande.

Macron só tinha feito um negócio lucrativo quando estava com os Rothschild, e isso foi servido a ele em uma bandeja de prata; a recompra de nove bilhões de euros da Nestlé do negócio de leite infantil da Pfizer, pelo qual Peter Brabeck, CEO da Nestlé, que ele conhecera na Comissão Attali, contratando-o.

Macron ganhou 2,4 milhões de euros, mas em seu retorno de imposto de 2016, seus ativos oficiais haviam encolhido para 60 mil euros. Macron foi membro do Partido Socialista apenas no período de 2006 a 2009. Em 2007, seu sonho de se tornar um candidato socialista para a Câmara dos Representantes fracassou quando o eleitor socialista de sua região natal da Picardia o rejeitou.

Depois dessa experiência humilhante, ele recusou todas as outras candidaturas nas eleições locais nos anos seguintes. Em 2015, ele comentou sobre sua escolha de não competir nas eleições parlamentares: “Chegar à frente nas eleições é um retrocesso nos velhos tempos.” Mas graças à vitória de François Hollande nas eleições presidenciais, a carreira política de Macron foi lançada apesar da falta de apoio no nível de base. Ele se tornou vice-secretário geral de Hollande e se apresentou à mídia como “de direita” e “liberal”. Em 2014, ele foi convidado pela primeira vez para a reunião anual da Bilderberg.

François Hollande (esquerda), Jean-Pierre Jouyet (centro) e Emmanuel Macron (Direita), garotos dos Bilderberg e Rotschild.  FOTO: Le Point.

Em julho de 2014, Macron deixou seu cargo como Secretário Geral, depois de ter sido negligenciado por um cargo ministerial no governo de Manuel Valls. Mais cedo naquele verão, ele havia obtido uma conferência com a Universidade Humboldt em Berlim e, graças ao seu relacionamento com Alain Minc, também recebeu o título de Pesquisador Sênior em Economia Política da London School of Economics, onde deu palestras sobre o Mix de políticas europeias.

Ele também tentou, com a ajuda do economista francês Philippe Aghion, conseguir um posto de professor na Universidade de Harvard e, com o magnata da Internet Xavier Niel, visitou novas empresas na Califórnia. Mas antes que Macron, como havia sido anunciado, pudesse iniciar seu próprio negócio, o Gabinete do Ministro de Assuntos Econômicos do grande e amplo mundo o chamou de volta ao pequeno lago de Paris.

Assim que Macron se tornou Ministro de Assuntos Econômicos, ele anunciou uma iniciativa para o crescimento econômico e aumento do poder de compra. As leis do trabalho aos domingo, das profissões regulamentadas, dos transportes e das cartas de condução destinavam-se à liberalização e o mercado dos transportes foi aberto à concorrência dos autocarros.

Mas como a adoção dessa lei pelo parlamento foi considerada arriscada, ela foi adotada como um decreto de emergência. Na realidade, a lei acabou por ser completamente ineficaz em estimular a economia. Apenas alguns se beneficiaram com as medidas, como o ex-banqueiro do Rothschild, Yvan Lefranc-Morin, que, pouco antes de Macron abrir o mercado de transporte para ônibus intermunicipais, havia mudado para a empresa de ônibus de baixo custo alemã, Flixbus.

Embora a liberalização tenha sido uma surpresa para a maioria dos concorrentes da Flixbus, a start-up alemã “coincidentemente” garantiu imediatamente uma fatia de mais de 50% do mercado francês, que é considerado um dos mais importantes da Europa. Lefranc-Morin foi logo promovido ao cargo de Diretor-Geral da Flixbus francesa.

A extensão gradual do horário de loja aos domingos não foi um “estímulo ao crescimento”, mas significava que metade dos “desdentados” – um termo que o socialista Hollande inventou para os pobres e mal pagos cidadãos franceses – trabalhariam aos domingos nos supermercados e nas lojas de hardware, enquanto a outra metade do “sem dinheiro” admirava as exposições nas prateleiras.

A abertura do mercado de transporte para empresas de “economia compartilhada”, por outro lado, levou à ruína financeira da maioria dos taxistas. Suas licenças de táxi, que tinham o valor de uma casa unifamiliar no momento da compra, tornaram-se inúteis da noite para o dia. Assim, Macron deliberadamente criou uma nova subclasse, a classe de homens que ele despreza.

Macron indiferente à trabalhadores franceses em Lunel, 2016. FOTO: © Sipa Press

Seu insulto dirigido a dois trabalhadores em Lunel, no sul da França, que expressaram suas preocupações sobre as mudanças na lei trabalhista ainda reverberam em torno da França: “Você não me assusta em suas camisetas. A melhor maneira de comprar um terno é trabalhar!”. Foi a resposta do ministro de Assuntos Econômicos, Macron.

Sob a supervisão de Macron, o aeroporto de Toulouse também foi vendido para uma empresa offshore chinesa das Ilhas Virgens Britânicas em uma transação completamente transparente, contrariando as promessas públicas do ministro de que o Estado, juntamente com as unidades administrativas locais, continuaria sendo acionista majoritário.

O investidor-chefe Mike Poon, em seguida, desapareceu por um tempo depois de ser investigado durante uma averiguação criminal acerca de um desvio de dinheiro público uma de suas outras empresas offshore nas Ilhas Cayman. Quando Poon reapareceu alguns meses depois, ele roubou as reservas financeiras do aeroporto e as distribuiu como dividendos aos seus acionistas.

Macron usou seu tempo como Ministro da Economia principalmente para organizar sua própria campanha presidencial. Nos oito meses de 2016, ele abusou de 120 mil euros, ou cerca de 80% do orçamento de representação do Ministério de Assuntos Econômicos, usando o dinheiro para organizar eventos de gala para doações à sua campanha eleitoral.

Apenas 450 pessoas doaram 6,3 milhões de euros e, assim, financiaram metade do seu orçamento de campanha. Cerca de 56% desses doadores vivem na área da Grande Paris, enquanto os outros estão espalhados por outros importantes centros financeiros do mundo. Pelo menos 95 mil euros vieram da Suíça, mais do que os 78 364 euros de Marselha, na França, enquanto 18 doadores do Líbano deram 105 mil euros, mais dinheiro do que Bordeaux e Lille juntos.

E em Londres, 800 mil euros foram arrecadados, mais do que as dez maiores cidades provincianas francesas juntas. As empresas que dirigiram as campanhas eleitorais também oferecem grandes descontos.

Macron, o rosto jovem do velho mundo e suas redes, foi eleito o oitavo presidente da Quinta República em 7 de maio de 2017 com a ajuda financeira das redes globalistas e sua mídia. As consequências são conhecidas.

Protesto dos Coletes Amarelos em Paris, 2018. FOTO: RTP.

Fonte: Free West Media

Artigo de autoria de  Rudolf Erdmann, publicado originalmente em 3/3/2019. Adaptado para o português pela edição do Site O Sentinela.

Nota do site:

[1] Ambos atuais ex-presidentes da França, como percebido, à dedo dos banqueiros das Altas Finanças.

VEJA TAMBÉM

Quem São os Credores de Emanuel Macron?

O verdadeiro Emmanuel Macron: a bizarra criação globalista

Enquanto a Paris de Macron está em Chamas, a Roma de Salvini Brilha ao Colocar os Italianos em Primeiro Lugar

A Política Estrangeira de Macron

Verdadeira Face Globalista: A Violência Generalizada Contra os Coletes Amarelos

Nós e o Globalismo – Para Entender a Revolta dos Coletes Amarelos

REX: Entendendo a revolta dos Coletes Amarelos na França

O Avanço dos Casacos Amarelos São Apenas um Sintoma do Fracasso do Globalismo

Siga em:

Andre Marques

Brasileiro, estudante de Direito e atuante na área de marketing é fundador e editor do site O Sentinela (abril de 2013).
Andre Marques
Siga em:
Nos ajude a espalhar a palavra:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.