Macron secretamente preparando discurso sobre “o mundo depois” da crise de Corona

Nos ajude a espalhar a palavra:

No final do confinamento imposto, o Presidente da República Francesa fará um “discurso de fundação” para evocar “potencialmente a supressão de certas reformas”.

Enquanto a epidemia de Coronavírus destrói a França, Emmanuel Macron já se prepara para a pós-crise. “Ele está silenciosamente preparando um grande discurso para o próximo mundo”, confidenciou um ministro importante ao diário Le Parisien.

Segundo informações do jornal Ile-de-France, o Elysée está atualmente trabalhando em um discurso importante, que alguns dizem que será simbolicamente planejado para 14 de julho [1], quando o confinamento for suspenso.

Receba nossas postagens por e-mail

Será uma questão de esboçar os contornos do “próximo mundo” e de evocar as medidas “poderosas” adotadas para salvar o país da catástrofe econômica e social.

Este “discurso de fundação” marcará o fim do confinamento, mas também “o começo de uma nova era”, diz o mesmo ministro. “Ele será acompanhado por grandes anúncios, potencialmente a supressão de certas reformas”, acrescentou, citando “os de pensões e o setor público do audiovisual”.

Emmanuel Macron em seu discurso de posse no Palácio do Eliseu. Na abertura do segundo Fórum da Paz, em novembro de 2019, o presidente da França Emmanuel Macron afirmou em seu discurso que “o sistema político global está à beira de uma crise sem precedentes e precisa de novas alianças para solucionar os problemas no mundo”. Um clamor por globalismo e Governo Único. Macron disse que a “tentação do unilateralismo” é muito arriscada” e que no passado “tentamos essa opção e ela leva à guerra… Nacionalismo é guerra”. Foto: Francois Mori/Pool/AP

O presidente supostamente pediu a muitas pessoas que lhe dessem uma visão por escrito sobre como vêem as coisas sobre a pós-contenção. “Ele está muito ciente de que há uma forte demanda para recuperar o controle do destino”, explicou um parente do Chefe de Estado.

Segundo os depoimentos do Le Parisien, esse discurso poderia endossar as principais prioridades do mundo de amanhã: salvaguardar o estado de bem-estar, salvar a economia, combater a desigualdade social, poder de compra, estabelecer um “acordo verde” e a urgente modernização de o sistema de saúde.

Segundo informações do diário, uma “célula de antecipação” foi formada secretamente em Matignon, para refletir sobre essas faixas no “mundo do pós”.

É sem dúvida necessário que Emmanuel Macron use esse discurso como uma maneira de se preparar para seu futuro político cada vez mais instável. “Temos que sair de tudo isso com um grande programa, para não deixar espaço para os populistas”, argumentou um conselheiro do presidente.

“As pessoas não entenderam a extensão da crise econômica que nos espera! A questão fundamental será a retomada da luta contra a desigualdade”, afirmou. Macron é conhecido como o presidente dos ricos.

No Conselho de Ministros, na quarta-feira, 8 de abril, Macron disse: “É errado pensar que iremos de um mundo todo negro para um mundo todo branco”. Além disso, ele também alertou: “Será um mundo cinzento. Não pense que haverá cenas de júbilo.”

A confiança entre os franceses e o governo foi severamente prejudicada. De acordo com uma pesquisa da Odoxa-Dentsu Consulting para a FranceInfo e Le Figaro publicada nesta quinta-feira, 9 de abril, 76% dos franceses – mais de 3 em cada 4 – acreditam que o executivo lhes “ocultou a verdade” sobre máscaras protetoras FFP2.

Segundo os entrevistados, o governo falhou ao “dissuadir” os franceses de usar máscaras “porque não havia o suficiente para os cuidadores”. Isso foi evidenciado pelo pedido de 2 bilhões de máscaras colocadas pela França na China para chegar até o final de junho.

Apenas 23% acreditam que o executivo se mostrou “transparente”.

Além disso, a esmagadora maioria dos entrevistados franceses (72% e até 81% entre os maiores de 65 anos) acredita que “o uso de máscara deve ser obrigatório em todos os municípios”.

A atitude do governo é, portanto, julgada como nem “coerente” nem “clara” por 77% dos entrevistados. Finalmente, 73% consideram que o governo Macron não fez “o que precisava ser feito para equipar cuidadores e hospitais”.

E como os relatórios sobre a eficácia de um tratamento com hidroxicloroquina continuam vazando na mídia, Emmanuel Macron visitou Marselha (Bouches-du-Rhône) para se encontrar com o professor Didier Raoult, cujo trabalho sobre a hidroxicloroquina como tratamento da Covid-19 surpreendeu todo o mundo da comunidade médica.

Fonte: Free West Media

Publicado originalmente em 10 de abril de 2020

DISPONÍVEL NA LIVRARIA SENTINELA

Andre Marques
Siga em
Nos ajude a espalhar a palavra:
Gostou do artigo? Você pode contribuir para o site com uma doação:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

14 − 6 =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.