Legião Waffen-SS da Letônia é o “orgulho de nosso estado e nação”, diz Ministro da Defesa

Nos ajude a espalhar a palavra:

Num exemplo da revisão do papel dos colaboradores do governo nacional-socialista alemão na Segunda Guerra Mundial, o Ministro da Defesa e vice-primeiro ministro da Letônia, Artis Pabriks (Movimento para!), disse à multidão durante um evento memorial no sábado (28) que os veteranos, seus compatriotas que lutaram na Waffen-SS, eram heróis e que as memórias de seu sacrifício devem ser valorizadas.

Ele então chamou os legionários letões – tropas colaboracionistas do Terceiro Reich – combatentes da liberdade por seu alinhamento anti-soviético – heróis e o orgulho da nação e do Estado letão.

“Ao lado das sepulturas e memoriais de nossos legionários, todos nós estamos sobrecarregados com poder e confiança de que nosso país tem futuro, de que estamos no caminho certo”, proclamou o ministro.

Colaboracionistas letões junto as tropas da Waffen-SS I © The Museum of the Occupation of Latvia

Os legionários compreendiam duas divisões de granadeiros dentro do Waffen-SS, a ala militar de elite do partido nacional-socialista alemão (NSDAP) que lutou ao lado de tropas regulares da Whermacht (conjunto as Forças Armadas Alemãs) durante a guerra. Os alemães começaram a recrutar e esboçar letões para lutar contra os soviéticos logo após invadir e ocupar a Letônia em 1941, que fazia parte da URSS na época. Os soldados letões foram treinados e liderados por oficiais alemães. Ao ingressar na legião, cada soldado prometeu lealdade ao Chanceler supremo da SS e do Reich, Adolf Hitler, como todos os outros.

Artis Pabriks I Imagem: Parlamento Europeu

O tema dos colaboradores nacional-socialistas letões continua sendo um ponto de discórdia na Letônia, pois a pequena nação báltica permanece entre os poucos países que celebram abertamente os veteranos da Waffen-SS. Ex-legionários e seus apoiadores realizam marchas anuais no centro de Riga. Sua causa é apoiada por muitos políticos locais, historiadores, escritores e figuras da mídia.

Enquanto isso, as consideráveis populações judaicas e de língua russa da Letônia realizam manifestações anuais de protesto, indicando que os glorificados veteranos da Waffen-SS lutaram efetivamente do lado de Hitler e cometeram supostos “crimes de guerra” na restauração da independência da Letônia depois de incorporada à União Soviética em 1940. Os próprios colaboracionistas também insistem que não unânime a aderência à ideologia nacional-socialista de fato mas sim pelo patriotismo letão desconhecendo cumplicidade de supostos “crimes de guerra” das forças alemãs, que teriam “matado dezenas de milhares de letões”, principalmente judeus e ciganos durante uma ocupação de três anos e que teriam terminado após a ocupação e domínio das tropas soviéticas submetendo a Letônia novamente.

Disputa com o governo russo

Em junho deste ano, o governo da Rússia criticou a Estônia por planos de restaurar monumento aos soldados da Waffen-SS, afirmando que era uma “provocação e afronta a memória daqueles que morreram lutando contra os alemães”, disse a embaixada.

A estrela em baixo-relevo de bronze mostra um soldado armado com roupas militares alemãs da época e uma tabuleta dizendo: “Aos homens estonianos que lutaram entre 1940-1945 contra o bolchevismo e pela restauração da independência estoniana” erguido no cemitério da cidade de Lihula em agosto de 2004.

Monumento aos nacionalistas letões que lutaram contra os soviéticos ao lado dos alemães da Segunda Guerra Mundial I Imagem: © Wikipedia

O governo ordenou sua remoção menos de duas semanas depois, dizendo que o memorial criava ligações desnecessárias entre os combatentes da independência da Estônia e os alemães. Simpatizantes fizeram comícios no local onde a Estela estava. No ano passado, uma dessas manifestações atraiu cerca de 200 pessoas.

No entanto, em junho deste ano, um parlamentar local do Partido Popular Conservador (EKRE) no Conselho Paroquial de Laaneranna sugeriu que era hora de restaurar o monumento da SS. Sua ideia foi logo apoiada pelo presidente do Parlamento da Estônia, Henn Polluaas, na capital Tallinn, também é membro do EKRE. “É um empreendimento muito bom, porque é um memorial aos homens da Estônia”.

Siga em:

Andre Marques

Brasileiro, estudante de Direito e atuante na área de marketing é fundador e editor do site O Sentinela (abril de 2013).
Andre Marques
Siga em:
Nos ajude a espalhar a palavra:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.