EUA: Clare Bronfman, bilionária ligada aos Rothschild, acusada de acobertar culto sexual e tráfico infantil

Nos ajude a espalhar a palavra:

O cerco pode estar se fechando para a bilionária judia Clare Bronfman, 39, herdeira do império de bebidas cuja família possui negócios com a casa de Rothschild por meio da empresa “Bronfman Rothschild“.  Além de ter sido indiciada por extorsão no tribunal federal do Estados Unidos em julho – acusação ligada ao seu envolvimento com o diretor de operações do culto sexual NXIVM, que também tinha em suas fileiras Allison Mack, estrela do seriado Smallville – agora, os promotores de justiça afirmam que Clare Bronfman está protegendo seus companheiros com uma enorme quantia de dinheiro na forma de um fundo fiduciário de defesa.

Um juiz federal no Brooklyn, Nicholas Garaufis, disse que está planejando trazer todos os membros do suposto culto para a corte porque ele encontrou “problemas” com este fundo de defesa criado por Bronfman.

Segundo o NY Post relatou, “os promotores disseram que Bronfman criou um irrevocable trust (fundo financeiro irrevogável) para sustentar seus colegas de culto enquanto eles vão a julgamento pagando por advogados de defesa de primeira linha”.

O juiz  realizou uma audiência inicial sobre a questão no mês passado (março), onde decidiu que a documentação relacionada a todos que contribuem para o fundo deve ser entregue.

A ordem do juiz observou que todos os réus no caso devem comparecer a uma reunião do tribunal “para resolver questões pois [a corte] identificou em sua revisão da escritura do Fundo a declaração de que os réus se submeteram”, segundo o relatório.

O clã judaico dos Bronfman

Para quem não sabe, Clare Bronfman é herdeira da fortuna multi-bilionária de Edgar Bronfman, que era chefe da Seagram – do ramo de bebidas alcoólicas. O figurão Edgar Bronfman também foi presidente do World Jewish Congress (Congresso Mundial Judaico) [1] entre 1979 e 2007. Uma entidade internacional a qual o jornalista polonês Rafa Ziemkiewicz chamou de uma “gangue de chantagistas internacionais”, segundo reportou a mídia israelense Haaretz.

A família Bronfman também tem laços muito estreitos com a dinastia bancária Rothschild, com membros de ambas as famílias pertencentes a muitas das mesmas empresas, incluindo a já citada firma financeira Bronfman Rothschild.

Além disso, pelo menos três membros de alto escalão da organização, incluindo outra judia chamada Nancy Salzman e as duas irmãs Bronfman – Sara e Clare -, são integrantes da fundação de Bill Clinton, a Clinton Global Initiative (Iniciativa Global Clinton), que exige dos membros uma taxa de adesão anual de 15 mil dólares!

Nancy Salzman (esquerda) e Sara Bronfman (direita). Veja alguns detalhes sobre essas duas na nota [2]

Salzman, sua filha Lauren e a escrituradora da seita NXIVM, Kathy Russell, também foram acusadas ​​de conspiração e de extorsão na acusação de substituição do caso.

Após se apresentar-se no tribunal em julho, Clare Bronfman, se livrou da cadeia após concordar em usar tornozeleira eletrônica e depositar 100 milhões de dólares em fiança – ilustrando o quão grande é sua fortuna.

Lauren Salzman (esquerda) e Kathy Russell (direita). Veja alguns detalhes sobre essas pessoas na nota [3]
Embora Bronfman não seja acusada de tráfico sexual, como os líderes do grupo, Keith Raniere e Allison Mack, Frank Parlato, um ex-publicista da seita NXIVM que se tornou denunciante, disse ao New York Post que Bronfman está entre as líderes mais duras da organização.

“Ela é a executora – a brutal Clare está executando a [operação] agora, e ela é a mais implacável delas. Estou emitindo um aviso absoluto agora. Clare Bronfman é uma verdadeira fanática, e se houver uma situação a lá Jim Jones, todos cometerão suicídio, exceto ela”, revelou Frank Parlato no ano passado.

Keith Raniere (esquerda), Allison Mack (centro) e Frank Parlato (direita). Veja alguns detalhes sobre essas pessoas na nota [4]
O Daily Mail informou no ano passado que “Bronfman contratou Susan R. Necheles, uma das principais advogadas de colarinho branco do país, para cuidar do caso dela”.

A maior parte do financiamento para o grupo NXIVM – que correspondem a mais de 150 milhões de dólares – tem origem dos fundos fiduciários das herdeiras judias da Seagram, Sara e Clare Bronfman.

Seu envolvimento com Raniere teve início em 2002 e tem sido controverso, com outros membros da família Bronfman se distanciando das irmãs publicamente.

Clare Bronfman, à direita, deixa o tribunal federal com sua advogada Susan Necheles, quarta-feira, 25 de julho de 2018, no bairro do Brooklyn, em Nova Iorque. (Foto AP / Mary Altaffer)

Embora este detalhe extremamente importante esteja sendo deixado de lado nos noticiários, uma das principais acusações no boletim criminal contra Raniere e a atriz Allison Mack é o tráfico sexual de crianças.

Embora Clare Bronfman não tenha sido acusada no suposto caso de tráfico sexual de crianças, de acordo com um comunicado de imprensa da Procuradoria dos EUA ela auxiliava o grupo responsável pelos crimes, Raniere e Bronfman conspiraram para cometer roubo de identidade decorrente de um esquema para obter os nomes de usuários e senhas de inimigos percebidos e críticos de Raniere, a fim de monitorar suas comunicações eletrônicas. Ambos participaram de uma conspiração de roubo de identidade envolvendo o uso de informações bancárias e de cartão bancário pertencentes a um dos parceiros sexuais de Raniere após sua morte em novembro de 2016. Bronfman enviou a Raniere os e-mails regulares documentando as despesas cobradas do cartão de crédito da mulher. Essas despesas incluíam pagamentos a um quiroprático para o benefício de Raniere, bem como milhares de dólares em compras de roupas e sapatos para a mãe do filho de Raniere.

Bronfman encorajou e induziu a entrada ilegal nos Estados Unidos de um estrangeiro para ganho financeiro de Bronfman, realizando transferências eletrônicas internacionais para fazer com que parecesse de forma fraudulenta que a vítima tinha recursos financeiros para obter um visto de investidor.

Entreprise: extorsões, pedofilia e tráfico humano

Raniere e seu círculo íntimo, incluindo os réus Clare Bronfman, Allison Mack, Kathy Russell, Nancy e Lauren Salzman, também conhecidos como “Prefeitos”, e outros conhecidos e desconhecidos, compunham uma empresa criminosa organizada (a “Enterprise”).

O principal objetivo da Enterprise era obter benefícios financeiros e pessoais para os membros da própria empresa, promovendo o réu Keith Raniere, também conhecido como “Vanguard”, e recrutando novos membros na organização da pirâmide.

Ao promover Raniere e recrutar outros para as Organizações Pytu-id, os membros da Enterprise esperavam receber oportunidades financeiras e aumentar o poder e o status dentro da empresa”, reportou a Procuradoria.

No topo de todas as acusações atuais enfrentadas pelo líder do culto, Raniere também é acusado de ter uma história de pedofilia, com acusações que remontam a mais de 20 anos, envolvendo garotas de apenas 12 anos.

Em 2012, várias mulheres foram entrevistadas pelo Albany Times Union sobre as experiências sexuais coercivas que tiveram com Raniere quando eram jovens. Uma das mulheres no caso foi encontrada morta por um tiro antes de poder dar a entrevista. Sua morte foi considerada suicídio.

Clare Bronfman divulgou um comunicado em dezembro de 2017, sobre as alegações contra o grupo NXIVM, negando qualquer incorreção de sua parte:

“Os últimos meses foram profundamente dolorosos para mim, pois vi meus amigos, associados e a organização de quem cuido estar sob fogo. Alguns me perguntaram por que eu continuo sendo membro e por que ainda apoio o NXIVM e Keith Raniere. A resposta é simples: eu vi muitas coisas boas vindo de nossos programas e do próprio Keith. Seria uma tragédia perder as ideias e ferramentas inovadoras e transformadoras que continuam a melhorar a vida de tantas pessoas.”, expôs Clare Bronfman.

Essa defesa do culto NXIVM veio a tona mesmo após inúmeras denúncias de mulheres que “escaparam” da organização com suas terríveis e brutais histórias de tortura e estupro. Bronfman parece excessivamente confiante de que ela e seu grupo vão superar as acusações, e essa informação recente sobre seu fundo financeiro pode ser um grande indicador que as irmãs judias passarão ilesas.

As acusações que incluem tráfico sexual e conspiração para trabalho forçado podem render em média penas mínimas de 15 anos ou até prisão perpétua, em caso de punição máxima para os membros do alto escalão aqui citados.

Há inúmeros outros exemplos de criminosos sexuais bilionários – como Jeffrey Epstein – escapando de qualquer forma de punição real por seus crimes contra inúmeras vítimas.

Fontes: Panorama Livre I D.C. Dirty Laundry I Free Thought Project

Notas do Site:

[1] Que lançou projeto na Conferência 2018-2019, em Londres, para alterar passagens bíblicas, com apoio de autos membros igreja Anglicana, formulando uma bíblia “não anti-semita” e politicamente correta.

[2] Nancy Salzman, 64, co-fundadora da NXIVM, uma organização que alegava ser um grupo de autoajuda mas que na verdade era fachada para um culto sexual baseado em Albany, Nova Iorque para figurões através do trafico humano mediante sequestro, chantagem e extorsão. Nancy tem mais de trinta anos de estudo e prática em saúde, potencial humano e empoderamento humano. Ela é enfermeira e terapeuta de profissão e também estudou hipnose, programação neuro-linguística, psicobiologia e terapia baseada em soluções. Ela se declarou culpada pela acusação de conspiração de extorsão.

Sara Bronfman, novaiorquina, 43 anos, ativista humanitária e de direitos humanos, é filha do bilionário filantropo e ex-presidente do Seagram, Edgar Bronfman e sua ex-esposa Rita Webb. Começou seus “trabalhos humanitários” como delegada ONG Independent Libya Foundation em novembro de 2011, durante a Primavera Árabe e após a morte de Muammar Gaddafi. A delegação foi chefiada pelo presidente e fundador do Basit Iglet (com quem ela mais tarde se casaria) Aos 25 anos, Sara foi apresentada ao NXIVM, organização de marketing multinível fundada por Keith Raniere, por um amigo da família.

[3] Lauren Salzman, 42, membro de alto escalão do NXIVM e filha da presidente e co-fundadora Nancy Salzman, que se declarou culpada de conspiração, extorsão e abuso de menores. Ela admitiu ter escravizado uma mulher por dois anos e ser parte do DOS e enfrenta 20 anos de prisão, mas, os promotores podem recomendar que ela enfrente menos tempo sob um acordo de cooperação. Sua sentença será anunciada em 29 de abril.

Kathy Russell, 60, era a contadora do NXIVM e também tinha participação ativa do DOS.

[4] Keith Raniere, 57, palestrante de autoajuda preso no final de março de 2018, onde foi preso pela Polícia Federal Mexicana numa luxuosa vila de Puerta Vallarta, México, sob acusações de tráfico sexual e aliciamento de seguidoras, nasceu em 1960 na cidade de Nova York, Estados Unidos, e depois se mudou para Albany, no mesmo Estado. Aos 22 anos, ele se formou em física, matemática e biologia no Instituto Politécnico da cidade de Troy, mas logo começou a trabalhar como programador de computadores.

Em 1998, Raniere co-fundou com a sócia Nancy Salzman a Executive Success Programs, empresa especializada em autoajuda, que oferecia cursos para desenvolvimento pessoal e carreira. Em 2003, o curso de Raniere, que também era chamado de NXIVM, já era oferecido em Albany, Manhattan, Seattle, Boston e em diversas cidades do México.

Ele afirmava ter entrado para o livro dos recordes, em 1989 na categoria de “maior QI”. Dizia ainda que havia aprendido matemática sozinho em 19 horas, aos 12 anos.

Tudo ia bem, até ele ser capa da revista americana Forbes, em outubro de 2003. Jornalistas da publicação entrevistaram todos os integrantes mais importantes da NXIVM, incluindo Raniere e Nancy, mas o texto trazia grandes questionamentos sobre o método utilizado pela empresa.

As herdeiras Clare e Sara Bronfman se juntaram ao grupo em 2002 e, logo depois, seu pai, Edgar Bronfman, contratou a companhia para uma espécie de “terapia familiar”. De acordo com a Vanity Fair, Edgar odiou descobrir que as filhas haviam emprestado US$2 milhões para a NXIVM. À Forbes, Edgar Bronfman chegou a afirmar que a empresa agia como um “culto” e a sugerir que o uso das técnicas empregadas nas aulas serviam para afastar os clientes de suas famílias. Na época, ele não falava com as filhas fazia meses.

Em outubro de 2017, uma matéria do jornal The New York Times trouxe à NXIVM como seita sexual que se abrigava dentro da empresa. Uma sociedade secreta chamada DOS marcava mulheres a laser com as iniciais de Keith Raniere e as oferecia como escravas sexuais ao guru. Acredita-se que a sigla seja um anacronismo do latim “dominus obsequious sororium” ou, em tradução livre, “mestre das companheiras femininas obedientes”.

Dentro do grupo, Raniere era chamado de Vanguard (Vanguarda) e mantinha o silêncio das suas vítimas, guardando vídeos e fotos íntimas das mulheres para chantageá-las. A seita funcionava em forma de pirâmide, em que os membros tinham que encontrar novos integrantes para o grupo.

Raniere também é acusado de ter estuprado uma garota de 12 anos. Segundo o processo, a garota foi contratada como andadora de cachorros por um dos membros da seita justamente para que Keith se aproximasse dela. Fora isso, o líder da Nxivm foi acusado de manter relações com uma criança de 15 anos quando tinha 20, e defender a ideia de que incesto e estupro não deveriam ser crimes. Desde então, o líder macabro está preso, extraditado para Nova Iorque sem direito a fiança.

Frank Parlato, repórter estadunidenses, é ex-porta-voz do grupo denunciou a empresa, o esquema e a seita como detalhes, informando que várias pessoas desistiram de fazer parte da seita, que já teria tido no passado milhares de membros na América do Norte – incluindo os filhos do ex-presidente do México Carlos Salinas.

Parlato também foi responsável por jogar luz sobre a relação de Mack com a seita ao divulgar o vídeo de Allison assistindo impotente enquanto policiais mexicanos prendiam Raniere na época.

Ele denuncia tudo online em seu próprio site

Allison Mack, 36, atriz estadunidense de cinema e televisão que ganhou destaque como Chloe Sullivan em Smallville e Amanda na série da FX, Wilfred.

Natural de Preetz, Alemanha Ocidental (hoje Alemanha), se mudou para os Estados Unidos dois anos de idade e já começou na carreira com quatro.

Em outubro de 2017 o jornal The New York Times revelou em reportagem o lado obscuro da entidade NXIVM, onde entrevistava parentes e ex-membros do grupo; dentro dele um sub-grupo chamado DOS se formou, em estrutura de pirâmide, com a finalidade de recrutar mulheres que, servindo aos mestres superiores na hierarquia, eram responsáveis por seus próprios recrutamentos.

Na época foi revelado que Mack desempenhava um papel de destaque, abaixo do líder, Keith Ranieri, a quem serviam como escravas sexuais; as ingressas tinham que fornecer informações comprometedoras de parentes e amigos, imagens nuas, dados bancários – além de seguir a rígidas dietas e exercícios – que as mantinham sob chantagem para não abandonarem o grupo; Mack manteria esses dados no seu Dropbox.

No dia 8 deste mês, em audiência, Allison se declarou culpada de chantagear duas mulheres como parte de um suposto culto sexual de Nova York. Promotores chamaram o caso de operação de extorsão que realizava tráfico sexual e outros crimes.

Allison, fez sua confissão pelas acusações de extorsão e conspiração perante o juiz distrital dos Estados Unidos Nicholas Garaufis.

Andre Marques
Siga em
Nos ajude a espalhar a palavra:
Gostou do artigo? Você pode contribuir para o site com uma doação:

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.