EUA Admite: Não há evidências de Assad ter utilizado gás sarin em civis sírios

Nos ajude a espalhar a palavra:

O secretário de Defesa, James Mattis, declarou em de 2 de fevereiro de 2018 que os Estados Unidos não têm “nenhuma evidência” de que o governo sírio usou o agente  químico que ataca o sistema nervoso, gás sarin, contra sua própria população em ataques ocorridos em 2013 e 2017.

A acusação mais recente provocou um enorme ataque com mísseis tomahawk ordenado pelo presidente Trump que foi bastante provocador aos olhos da Federação Russa e, claro, do governo sírio.

Com os detalhes de The Duran’s Seraphim Hanish, a asserção do Secretário Mattis está em contradição direta com o Memorando da Casa Branca, que foi rapidamente escrito e classificado para justificar o ataque dos norte-americanos.

No entanto, o Secretário não ofereceu nenhum esclarecimento específico a sua declaração. Ele discutiu o fato de que havia grupos de ajuda e outras pessoas, incluindo ONGs e outros combatentes que operavam na área, e que haviam fornecido evidências e relatórios sobre o que aconteceu sobre o ataque de gás sarin. Sua informação acabaram por não nomear o presidente Assad como o culpado.

“Eu não tenho a evidência”, disse Mattis. “O que estou dizendo é que outros grupos no terreno – ONGs, combatentes de campo – disseram que o sarin foi usado, então estamos à procura de provas”.

O relatório sobre isso é altamente suspeito, no entanto, as norte-americanas Newsweek, Reuters e Washington Post, apontaram em suas publicações esse assunto contraditório.  Mas neste momento, a FoxNews não tem nada em seu site sobre esse assunto, mas o ZeroHedge sim.

O general James “Mad Dog” Mattis, é conhecido por usar uma abordagem intransigente para lidar com os inimigos dos Estados Unidos: Seja educado, seja profissional, mas tenha um plano para matar todos que você conhece.

Ele foi um crítico franco da política do presidente Obama no Oriente Médio, nomeando o Irã como a principal ameaça mais grave para a estabilidade na região. Por todas as contas, então, o general é fiel à ideia de que projetar o poder americano no exterior é uma coisa boa.

Visto com este contexto, a declaração do general parece incomum, e os meios de comunicação que têm uma visão menos favorável de Donald Trump, como o presidente americano, foram rápidos em apontar que o general não é só um “opositor” com o Presidente.

Infelizmente, se esta questão for capaz de ganhar força, ela só fará isso, desde que sirva a narrativa da mídia de que o presidente Trump é louco ou estúpido e não lhe deve ser confiado na liderança da nação. Sem dúvida, isso será usado como material baseado na 25ª emenda, uma vez que o presidente “poderia em um momento de descontrole, decidir contrariar alguém”.

É importante também considerar que a afirmação que Gen. Mattis deu não quer dizer que ele não concorde com a decisão de Trump de lançar a ataques com mísseis tomahawk. Ele está apenas dizendo que não há provas em sua posse que confirme que o governo sírio estava por trás desses ataques químicos.

Prosseguindo neste ponto, às vezes é difícil obter evidências tão fortes de tais coisas em uma zona de guerra ativa.

Nesta imagem fornecida pela Marinha dos EUA, o destróier de mísseis guiados USS Porter (DDG 78) lança um míssil de ataque terrestre de tomahawk no Mar Mediterrâneo, sexta-feira, 7 de abril de 2017. Os Estados Unidos explodiram uma base aérea síria com uma barragem de mísseis de cruzeiro em retaliação ardente pelo terrível ataque de armas químicas desta semana contra civis. (Especialista em comunicação de massa 3ª classe Ford Williams / Marinha dos EUA via AP)

No contexto, existem três agências possíveis que poderiam ter feito este ataque: 1) o governo sírio; 2) os combatentes de qualquer grupo, como Al-Nusra ou Estado Islâmico que determinaram seu uso para incriminar o governo sírio e 3) os EUA, na tentativa de incriminar o regime de Assad.

Os americanos não foram convidados a ajudar Assad, então sua presença na Síria é uma verdade inconveniente – a Síria não pode expulsá-los, mas eles nunca foram procurados, e mesmo por parte do povo americano, o envolvimento em mais uma guerra contra mais uma nação do Oriente Médio não está no topo das “coisas que eu quero meu país faça” na opinião da maioria dos norte-americanos.

O perdedor nesta situação é os Estados Unidos, por causa da manipulação incorreta desse conflito.

Enquanto a maior parte do conflito e a ação americana ocorreram durante a era de Obama, provavelmente o caso é que se os EUA simplesmente reunissem todas as suas tropas e equipamentos e recuassem para Israel ou para o Mar Mediterrâneo, ou simplesmente para a esquerda, o resultados podiam ser muito piores para as forças nacionais russas e sírias que já estavam lá.

O problema aqui é que pode haver uma séria violações de inteligência ou falhas que criaram ou permitiram a decisão de lançar esse ataque de tomahawks. A Rússia hoje também escorreu sobre a peça de Mattis, porque isso adéqua-se à narrativa russa de que de nenhuma maneira Bashar al-Assad usaria gás sarin em seu próprio povo. Na verdade, não faz sentido racional para um ocidental como um ditador mantém o poder quando seu país já é uma zona de guerra e é observado pelas potências mundiais. Fazer um assassinato em massa de seus próprios cidadãos sob um olho tão atento parece um curso altamente absurdo para qualquer líder tomar.

O problema adicional é a realidade das condições no terreno. Como o relatório aponta, os norte-americanos podem estar em uma situação em que decisões tolas por administrações anteriores talvez até mesmo criaram uma situação em que não podem sair.

[AVISO, ESTE VÍDEO ABAIXO CONTÉM IMAGENS GRÁFICAS!]

Então fica a pergunta: quem jogou armas químicas na população civil? Alguém do auto-comando ou o “Deep State” será culpabilizado por isso, uma vez que é evidente o controla e financiamento de braços armadas internacionais como o Estado Islâmico por parte de gigantes conglomerados financeiros e o governos aliados? Outra questão que salta aos olhos no vídeo que circulou o mundo é como pessoas contaminadas com gás sarin puderam ser socorridas por pessoas sem nenhum equipamento de isolamento, uma vez que ele é altamente contagioso e causa morte instantânea?

Texto de Tyler Durden com edição e tradução de André Marques

Fonte: Zehohedge

Publicado originalmente em 2 de novembro de 2018

Andre Marques
Siga em
Nos ajude a espalhar a palavra:
Gostou do artigo? Você pode contribuir para o site com uma doação:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 × cinco =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.