Dietrich Eckart – “Mentor” de Adolf Hitler

Nos ajude a espalhar a palavra:

Um papel especial foi interpretado nos primeiros dias do nacional-socialismo pelo poeta e dramaturgo Dietrich Eckart, o qual provinha de Neumarkt in der Oberpfalz e se filiou no “Deutsche Arbeiter Partei” no verão de 1919. O apogeu do seu trabalho filosófico é a tradução alemã da cena “Peer Gynt” de Hendrik Ibsen, a qual foi editada em 1912.

Eckart era também autor e editor de diversos periódicos anti-sionistas; por exemplo o semanário “Auf gut deutsch” que era publicado desde 1919 com o apoio da Sociedade Thule. Dietrich Eckart, que descobriu Hitler em setembro de 1919, tornou-se mais tarde um amigo e professor. Ele com os seus pontos de vista nacionalistas e anti-sionistas foi o exemplo ideológico de Hitler. Dietrich Eckart já estava convencido em 1920, que o sionismo tinha de ser destruído.

Eckart meteu-se em apuros quando em 1923, o procurador público decidiu durante o período da República de Weimar – o que na altura era muito comum – indiciar o escritor por difamação de caráter em ligação aos seus ataques anti-judaicos contra o Reichspräsident (Presidente do Império) Friedrich Eben. A causa imediata estava num panfleto em dialeto bávaro, “Miesbacher Haberfesttreiben 1922”, no qual Friedrich Ebert era apresentado como um instrumento de interesses judaicos, anti-alemães. Dietrich Eckart não compareceu à sessão do “Leipziger Staatsgerichtshof”, a qual decorreu no dia 12 de março de 1923 e, portanto, foi emitido um mandado de apreensão. No final de abril tornou-se claro que a “Leipziger Kriminalpolizei” estava a procurar seriamente por Dietrich Eckart. Adolf Hitler ordenou que homens armados das S.A se mantivessem em guarda em frente à sua casa, mas a prisão pareceu ser apenas uma questão de tempo.

Christian Weber, um dos poucos amigos íntimos de Adolf Hitler e um dos primeiros lutadores do NSDAP – era o militante número 15 -, conhecia um retiro. Ele tinha um amigo, chamado Bruno Büchner que era fiança da casa de hóspedes Moritz, a posterior Platterhof no Obersalzberg sobre Berchtesgaden, ao qual o procurado Dietrich Eckart podia ser confiado. O Chefe de Pessoal das SA, Ernst Röhm, organizou secretamente a remoção de Dietrich Eckart para Berchtesgaden. Alguns dias mais tarde, Adolf Hitler o visitou.

Após a mal lograda marcha no Feldherrnhale, a 9 de novembro de 1923 – para a qual Eckart havia encorajado Hitler – ele foi levado sob custódia no dia seguinte. Devido à sua doença de coração, foi solto um pouco antes do Natal. No dia 26 de dezembro de 1923, Eckart falecia com cinquenta e cinco anos. Foi enterrado a 30 de dezembro no cemitério da montanha de Berchtesgaden. Ainda hoje é possível encontrar a impressionante lápide.

Após 1923, Adolf Hitler glorificou o seu mentor e “amigo paterno”, como lhe chamava em público, ao erguer a privilegiada sala Dietrich Eckart como um memorial. Nada estava autorizado a ser modificado neste quarto. Apenas lhe foi adicionado o busto do poeta. A Casa Castanha em Munique foi acrescentada. Quando, em 1938, se iniciou a renovação e extensão do Platterhof – os planos previam uma casa com 150 quartos e 300 camas bem como todos os outros quartos necessários – os edifícios antigos foram demolidos com a exceção do quarto Dietrich Eckart que permaneceu intocado. O novo Platterhof tinha de ser construído em volta deste quarto.

Eckart foi uma figura chave na rápida subida de Adolf Hitler. Posteriormente, era frequentemente indicado como visionário porque já anunciava Adolf Hitler como futuro “Führer” (Líder, Condutor) dos alemães ainda no estágio inicial do Movimento.

Hitler, que se considerava como um discípulo de Dietrich Eckart e exprimiu numa homenagem que Eckart “escreveu poemas tão belos como Goethe”, honrou-o como nenhum outro dos seus antigos combatentes. No seu livro “Mein Kampf” (Minha Luta) chamava-lhe literalmente um mártir e dedicou-lhe a frase final do livro:

“E entre eles quero incluir aquele homem que como um dos melhores dedicou a sua vida à ressurreição do seu, nosso povo, tanto no pensamento como nos atos: Dietrich Eckart”.

Fonte: Inacreditável

Andre Marques
Siga em
Nos ajude a espalhar a palavra:
Gostou do artigo? Você pode contribuir para o site com uma doação:

One thought on “Dietrich Eckart – “Mentor” de Adolf Hitler”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 × 5 =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.