David Irving: um perfil

Nos ajude a espalhar a palavra:

David Irving, o controverso historiador britânico, é autor de vários livros sobre história militar e Segunda Guerra Mundial, incluindo vários best-sellers internacionais.

Em 11 de novembro de 2005, ele foi preso durante uma visita à Áustria pelo “crime de pensamento” – cometido em 1989 (!) – por ter se referido a “míticas” câmaras de gás em Auschwitz. Negado sob fiança, ele ficou preso até o julgamento em 20 de fevereiro de 2006, quando um tribunal em Viena o condenou a três anos de prisão por “ter negado o Holocausto”.

Após o julgamento, jornais, líderes políticos e intelectuais de todo o mundo se pronunciaram contra a sentença, bem como contra as leis na Europa sob as quais ele e outros dissidentes foram presos e multados por “negação do holocausto” (as únicas vozes de aprovação eram os previsíveis sionistas.)

Receba nossas postagens por e-mail

Embora Irving seja talvez o “criminoso do pensamento” mais proeminente no mundo ocidental hoje, seu caso não é de forma alguma único. Em vários países europeus, assim como em Israel, a “negação do holocausto” é um crime. A lista daqueles que foram presos, multados ou forçados ao exílio por expressar ceticismo sobre a história oficial do Holocausto é longa e inclui Robert Faurisson, Roger Garaudy e Georges Theil na França, Siegfried Verbeke na Bélgica, Jürgen Graf e Gaston- Armand Amaudruz, na Suíça, e Günter Deckert, Hans Schmidt e Fredrick Toben, na Alemanha.

LEIA MAIS

David John Cawdell Irving nasceu em 24 de março de 1938, em Essex, Inglaterra, filho de um comandante da Marinha Real. Depois de estudar na Universidade de Londres, ele passou um ano trabalhando em uma fábrica de aço na Alemanha, onde aperfeiçoou sua fluência no idioma. (Mais tarde, ele também aprendeu a falar espanhol muito bem.)

Seu primeiro livro, “The Destruction of Dresden” [A Destruição de Dresden], foi publicado em 1963, quando tinha 25 anos. Isso foi seguido por muitos outros, incluindo “The Mare’s Nest: The Secret Weapons of the Third Reich” [O Ninho do Mare: As Armas Secretas do Terceiro Reich], “The Rise and Fall of the Luftwaffe” [A Ascensão e Queda da Luftwaffe], “The German Atomic Bomb” [A Bomba Atômica Alemã], “The War Between the Generals” [A Guerra Entre os Generais] e “The Trail of the Fox” [A Trilha da Raposa], uma biografia best-seller do Marechal de campo Erwin Rommel.

Seus livros apareceram em vários idiomas. Vários foram serializados em periódicos importantes. Ele contribuiu com artigos para cerca de 60 periódicos britânicos e estrangeiros, incluindo o Daily Telegraph e o Sunday Express, na Grã-Bretanha, Stern e Der Spiegel, na Alemanha.

Irving tem um histórico de descobrir novos fatos surpreendentes sobre episódios da história supostamente bem conhecidos. Grande parte de sua eficácia se deve à sua ampla dependência de materiais de fontes primárias, como diários, documentos originais e outros, de arquivos oficiais e de fontes privadas. Ele desdém os estudiosos que se envolvem no que ele chama de incesto entre historiadores e, assim, ajudam a manter vivos os mitos que sobraram da propaganda da Segunda Guerra Mundial.

“A maioria dos livros de Irving”, observou o Washington Post uma vez, “são obras grandes e sólidas […] Todas são bem escritas, emocionantes, divertidas de ler e contêm novas informações baseadas em descobertas sensacionais”.

Esse historiador ferozmente independente e iconoclasta é amplamente reconhecido – até pelos adversários – como uma autoridade eminente na Segunda Guerra Mundial, Hitler e na Alemanha do Terceiro Reich. O historiador britânico Hugh Trevor-Roper, escrevendo no Sunday Times de Londres, declarou uma vez: “Nenhum elogio pode ser alto demais para a indústria acadêmica infatigável de Irving”. Ele também chamou Irving de um dos “poucos guias nos quais eu confiaria inteiramente […] infatigável em busca das evidências, destemido diante delas, com bom senso no julgamento […]” Outro importante historiador britânico, AJP Taylor, escreveu: “David Irving é um pesquisador paciente de indústria e sucesso incomparáveis​​”.

O professor Gordon Craig, da Universidade de Stanford, escrevendo em 1996 na The New York Review of Books , observou: “O fato é que ele [Irving] sabe mais sobre o nacional-socialismo do que a maioria dos acadêmicos profissionais de sua área e estudantes dos anos de 1933 a 1945. Devemos mais do que ele estar sempre dispostos a admitir a sua energia como pesquisador e ao âmbito e vigor de suas publicações […] Tais pessoas como David Irving, então, tem uma parte indispensável na empresa histórica, e nós não nos atrevemos a ignorar suas visualizações.”

Após a publicação em 1977 de “Hitler’s War” [Guerra de Hitler], provavelmente sua obra mais importante, ele foi criticado por afirmar que Hitler não ordenou o extermínio dos judeus da Europa. Os assassinatos em massa devem ter sido realizados por Himmler e seus companheiros pelas costas de Hitler, concluiu Irving naquele momento. Em 2002, uma edição deluxe completamente revisada e atualizada de “Guerra de Hitler” foi publicada com a impressão da Focal Point de Irving.

Seu livro de 1981, Uprising!  [Revolta!], um exame da revolta anticomunista de 1956 na Hungria, também ganhou a ira dos grupos judaico-sionistas porque não ignorou ou anulou o importante papel judaico no regime comunista húngaro. A biografia de Irving sobre Hermann Göring foi publicada em 1989. “Churchill’s War: The Struggle for Power” [Guerra de Churchill: A Luta pelo Poder], o primeiro volume da biografia monumental de Irving sobre o líder de guerra da Grã-Bretanha, foi publicada em 1987. O segundo volume, com o subtítulo “Triumph in Adversity ” [Triunfo na Adversidade], apareceu em 2001.

O testemunho de Irving no julgamento do Holocausto em Ernst Zundel, em 1988, foi um ponto alto desse importante caso judicial. Aparecendo como a última das 23 testemunhas de defesa, Irving surpreendeu o tribunal lotado de Toronto ao anunciar que havia mudado de ideia sobre a história do Holocausto. Durante seus três dias no estande, ele explicou em detalhes por que não aceitava mais que massas de judeus fossem mortas em câmaras de gás durante a Segunda Guerra Mundial ou que Hitler ordenara o extermínio dos judeus europeus.

Irving fez turnês de palestras bem-sucedidas na Alemanha, Canadá, Austrália, África do Sul, Estados Unidos e outros países.

Por exemplo, após o colapso do domínio soviético da Europa Oriental, ele fez visitas triunfantes ao que ainda era a “República Democrática Alemã”. Em fevereiro de 1990, dirigiu-se a uma grande audiência em Dresden, no 45º aniversário do bombardeio aliado daquela outrora bela cidade barroca. Grandes cartazes com a imagem de Irving apareceram por toda a cidade para anunciar sua apresentação. Ele foi recebido com flores pelo diretor de assuntos culturais de Dresden e foi entrevistado na televisão. Quando ele apareceu no palco diante dos microfones, mais de mil pessoas o aplaudiram de pé. Falando em alemão fluente, ele contou a campanha de Churchill para destruir as cidades alemãs. Em junho do mesmo ano, ele voltou para outra turnê de palestras na RDA. Apesar de uma taxa de admissão de dez marcos,

Em 21 de abril de 1990, Irving foi preso em Munique depois de se dirigir a uma multidão lotada na famosa cervejaria Löwenbräu da cidade da Baviera porque durante sua palestra ele se referiu à “câmara de gás” mostrada aos turistas no acampamento principal de Auschwitz como um falsete do pós-guerra (“Attrappe“). Sua prisão foi seguida por uma demonstração espontânea de cerca de 250 apoiadores, que carregavam pôsteres de Irving e outros dois céticos do Holocausto, Robert Faurisson e Ernst Zundel. Depois que a multidão passou pelo histórico Feldherrnhalle, a polícia entrou e prendeu vários manifestantes.

Por esse comentário, em janeiro de 1993, um tribunal alemão multou Irving em 30.000 marcos (cerca de US $ 20.000) e, mais tarde naquele ano, ele foi banido do país. Com base nessa proibição, ele foi posteriormente barrado do Canadá, Austrália e Nova Zelândia.

Por acaso, a observação de Irving em Munique em 1990 foi, de fato, a verdade. Como até o curador do Museu Estatal de Auschwitz reconheceu, a “câmara de gás” mostrada a centenas de milhares de visitantes do local é de fato uma reconstrução fraudulenta do pós-guerra.

Ao longo dos anos, Irving discursou em várias conferências e reuniões do Institute for Historical Review. Por exemplo, em um discurso em uma reunião do IHR em 17 de abril de 2005, intitulado “A falsificação de Adolf Hitler para a história”, ele identificou alguns dos muitos documentos históricos fraudulentos que foram citados ao longo dos anos por historiadores “conformistas” da Terceira era do Reich.

Em 1998, Irving entrou com uma ação em Londres contra Deborah Lipstadt e sua editora britânica Penguin Books. Ele alegou que Lipstadt o havia difamado em seu livro “Denying the Holocaust”  [Negando o Holocausto], chamando-o de falsificador e negador do Holocausto. Após um julgamento muito divulgado em Londres no início de 2000, durante o qual Irving se representou, o tribunal decidiu em favor dos réus.

Em uma decisão tornada pública em 11 de abril de 2000, o juiz Charles Gray elogiou a “pesquisa minuciosa e meticulosa de Irving nos arquivos” e elogiou sua descoberta e divulgação de muitos documentos históricos. Ele também observou a inteligência de Irving e o conhecimento profundo da história da Segunda Guerra Mundial. Em suma, a longa declaração do juiz Gray foi uma repreensão severa a Irving, a quem ele chamou de “negador do Holocausto” antissemita e racista que “deliberadamente deturpou e manipulou evidências históricas”.

Irving foi obrigado a pagar custos substanciais do julgamento. Ele perdeu as tentativas subsequentes de apelar do veredicto e foi forçado à falência.

Fonte: Revisionists.com

Referências:

Site de Irving. Disponível em http://www.fpp.co.uk

Relatório sobre o testemunho de Irving no julgamento de Toronto em 1988. Disponível em http://www.ihr.org/books/kulaszka/35irving.html

“Life Under Fire”, de David Irving (1992). Disponível em http://www.ihr.org/jhr/v13/v13n1p-8_Irving.html

“David Irving’s Most Un-Excellent Adventure”, no Canadá (1992). Disponível em http://www.ihr.org/jhr/v13/v13n1p12_Raven.html

“Irving on Churchill”, de TJ O’Keefe. Disponível em http://www.ihr.org/jhr/v07/v07p498_Okeefe.html

“A British Historian Defends His Livelihood and Honor”. Declaração de abertura de Irving no julgamento de Londres por difamação (11 de janeiro de 2000). Disponível em http://www.ihr.org/jhr/v18/v18n5p16_Irving.html

Excerpts from the Irving-Lipstadt Trial Transcripts. Disponível em http://www.ihr.org/jhr/v19/v19n1p54_Raven.html

“David Irving’s Final Address in the London Libel Trial” (15 de março de 2000). Disponível em http://www.ihr.org/jhr/v19/v19n2p-9_Irving.html

Media Coverage of the Irving-Lipstadt Trial (março a abril de 2000). Disponível em http://www.ihr.org/jhr/v19/v19n2p47_Raven.html

“After the Irving-Lipstadt Trial: New dangers and challenges. Disponível em http://www.ihr.org/jhr/v19/v19n2p-2_Weber.html

“Lying about Hitler”, resenha de S. Crowell, do livro de R. Evans. Disponível em http://www.ihr.org/jhr/v20/v20n1p47_Evans.html

“Irving, Weber Speak on Hitler’s Place in History” (abril de 2005). Disponível em http://www.ihr.org/news/050427_meeting.shtml

“Holocaust Denial’ Laws are Disgraceful”, por M. Weber. Disponível em http://www.ihr.org/news/112705HoloDenial.html

DISPONÍVEL NA LIVRARIA SENTINELA

Andre Marques
Siga em
Nos ajude a espalhar a palavra:
Gostou do artigo? Você pode contribuir para o site com uma doação:

One thought on “David Irving: um perfil”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

catorze − sete =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.