UE: Augusto Santos Silva e o seu “combate sem trégua” ao nacionalismo

Nos ajude a espalhar a palavra:

O Ministro dos Negócios Estrangeiros português, Augusto Santos Silva, defendeu hoje (29) que a União Europeia deve combater “sem tréguas” os nacionalistas e conservadores no seu território, em meio a discursos de “multilateralismo” e “sustentabilidade” como responsabilidade da Europa na abertura da terceira edição da conferência “Europe as a Global Actor”, que decorre hoje e na sexta-feira no ISCTE-Instituto Universitário de Lisboa.

O governante identificou temas como o multilateralismo; a agenda do desenvolvimento sustentável; a agenda do clima; o comércio, a internacionalização e a globalização regulada, e as migrações e mobilidade humana.
Santos Silva considerou que a liderança europeia “é uma condição necessária para o progresso dessas agendas”. E nós concordamos, realmente é.

O ministro salientou que o cenário geopolítico internacional é hoje “mais complexo”, além de a própria União Europeia viver “clivagens internas”, coexistindo “duas maneiras de entender o mundo”, além de se observar o “peso crescente dos soberanismos nacionalistas”, querendo apelar para o chamou de “responsabilidades históricas” da União Europeia e as  “novas responsabilidades”. O velho porrete “politicamente correto”, mas em linguagem culta.

“Só é possível ter a força interna para a responsabilidade internacional que hoje é a da União Europeia se internamente conduzirmos um combate sem tréguas ao nacionalismo e ao populismo, porque são os obstáculos à afirmação da nossa política internacional como uma política cosmopolita e internacionalista”, sustentou.

Por outro lado, referiu, “é do interesse estratégico da Europa e do mundo reafirmar a importância do laço transatlântico”.

Santos Silva considerou que a saída do Reino Unido da União Europeia não deve ser acompanhada por um afastamento da Europa: “O eixo franco-britânico e a ligação do Reino Unido à Europa em matéria de segurança, defesa e relações político-institucionais é essencial”.

Os Estados-membros devem também “capitalizar todos os instrumentos disponíveis nos tratados europeus para afirmar, em política externa de segurança e de defesa, a vocação europeia, mesmo que passe por uma lógica de cooperações reforçadas”, e não a 28, ou futuramente a 27, disse.

Por fim, o ministro salientou que “a prioridade absoluta do relacionamento da Europa com África, América Latina e Médio Oriente tem se ser bem compreendida por todos”.

“Em África estamos a fraquejar por nossa exclusiva responsabilidade, fomos nós que abandonamos a cooperação de que África precisa para outros atores internacionais”, comentou.

A última solução realçada por Santos Silva é “aquela em que Portugal pode ajudar melhor” a União Europeia:
“Compreender bem o que é a Ásia, em particular o que são a China e a Índia e falar com elas como merecem que se lhes fale, de uma forma que permita perceber que nós compreendemos o que são, foram e serão a China e a Índia”.

Eis ai o retrato perfeito da agenda do Globalismo dentro do discurso bonito que não devemos cair.

DISPONÍVEIS NA LIVRARIA REVISÃO

Andre Marques
Siga em
Nos ajude a espalhar a palavra:
Gostou do artigo? Você pode contribuir para o site com uma doação:

One thought on “UE: Augusto Santos Silva e o seu “combate sem trégua” ao nacionalismo”

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.