As Últimas Imagens de Rudolf Hess

Nos ajude a espalhar a palavra:

Imagens finais fascinantes do deputado do Reich, Rudolf Hess, foram encontradas com uma nota para seu filho sobre sua misteriosa fuga para a Grã-Bretanha para tentar acabar com a guerra.

As imagens nunca antes vistas mostram o ex-deputado como um homem idoso nos terrenos da infame Prisão de Spandau.

Hess passou 41 anos na prisão de Berlim Ocidental depois da guerra, quando foi condenado por “crimes contra a paz” e condenado à prisão perpétua.

Ele foi morto por agentes britânicos aos 93 anos em 1987 na casa de verão que havia sido construída para ele nos terrenos:

As imagens foram colocadas à venda ao lado de uma nota escrita a seu filho Wolf enquanto ele estava encarcerado dizendo: “Eu fiz isso na Inglaterra por você”. Eles foram desenterrados por um guarda britânico da prisão que conheceu Hess durante seu tempo em Spandau.

Não se sabe exatamente quando estranhamente suas fotos estavam ao lado do que seria seu local de morte, mas elas apareceriam até meados dos anos 80. A nota, datada de 27 de junho de 1983, refere-se à misteriosa viagem de Hess à Escócia em maio de 1941.

Ele havia sido o braço direito de Hitler no Terceiro Reich durante a década de 1930, mas foi marginalizado após o início da Segunda Guerra Mundial. Tão preocupado com o risco para o futuro da Alemanha, ele empreendeu sozinho um voo e embarcou em um avião em maio de 1941. Acredita-se que ele levou o Messerschmitt Bf 110 para a Escócia em uma tentativa de trazer a Grã-Bretanha à mesa de negociação e pôr fim à guerra. Ele acabou ficando sem combustível e pousou em Eaglesham, à 10 milhas ao sul de Glasgow (capital da Escócia). Ele foi capturado por um policial local e mantido sob custódia.

Os britânicos passaram um ano inteiro interrogando-o antes de ser enviado a uma instituição médica em Monmouthshire, País de Gales, por três anos. Depois que a guerra acabou em 1945, ele foi julgado por “crimes de guerra” em Nuremberg e posto atrás das grades por toda a vida. O tribunal deliberou por mais de dois meses antes de proferir a sentença. Ele foi considerado culpado de “crimes contra a paz e conspiração” com outros líderes alemães. Ele não foi condenado por “crimes contra a humanidade” e não recebeu a pena de morte.

Acredita-se que suas imagens foram tiradas por William Orwin, vice-diretor da Spandau. Eles mostram um Hess de cabelos grisalhos vestindo um sobretudo azul e apoiando-se em uma bengala. Também está incluído no arquivo uma outra foto dele andando pelos terrenos da prisão e uma em separado mostrando a casa de verão com fachada de vidro.

Spandau era o lar de seis outros nacional-socialistas de alto escalão, incluindo Karl Donitz – chefe da marinha alemã. Todos, exceto Hess, foram libertados ou morreram, deixando-o como único preso. Toda a prisão foi demolida após seu assassinato em 1987 com a velha desculpa de evitar que ela se tornasse um “santuário para neonazistas“.

Desde então, seu nome também foi dado à nova banda britânica Spandau Ballet. Formada um ano após a demolição da prisão, a banda viu a frase rabiscada na parede de uma boate de Berlim. Também foi usado como gíria pelas tropas aliadas nas trincheiras para se referir aos cadáveres que pendiam no arame farpado e se contraíam quando eram atingidos por tiros nas linhas alemãs.

Até hoje, a morte de Hess permanece envolta em mistério. Muitos, incluindo seu falecido filho Wolf, afirmaram que ele foi assassinado por agentes do Serviço Secreto Britânico para impedi-lo de revelar alegações de má conduta por parte dos britânicos na Segunda Guerra Mundial. A nota que Hess escreveu para ele estava escrita no verso de um cartão postal que Wolf tinha dado originalmente ao pai encarcerado. Nunca chegou ao seu filho e acabou em arquivos mantidos pelo Sr. Orwin. Também contém fotos de Wolf quando criança e imagens da família Hess.

Durante seu tempo em Spandau, ele proibiu sua família de visitá-lo até 1969, quando ele foi tratado por conta de uma úlcera perfurada. A essa altura seu filho tinha 32 anos e sua esposa Ilse tinha 69. Eles não os via desde que deixou a Alemanha em 1941. O arquivo também contém fotos da prisão e uma imagem sombria mostrando as celas. Entre os muitos documentos estão pedidos por escrito da Hess para roupas e produtos de higiene pessoal para o pessoal da prisão. Há também cartas enviadas a ele de sua família falando de tópicos triviais como aborrecimentos, aniversários e feriados.

O misterioso pacote está sendo vendido em leilão por Henry Aldridge, em Wiltshire. O vendedor é um descendente direto do agente penitenciário, sr. Orwin.

Andrew Aldridge, da Henry Aldridge and Son, disse:

“O arquivo é historicamente importante em muitos níveis, desde as fotografias inéditas de Rudolf Hess até as palavras emotivas que ele escreveu para seu filho em relação a um dos episódios mais bizarros da Segunda Guerra Mundial. O arquivo mostra literalmente até que ponto este homem outrora poderoso havia caído, desde vice de Adolf Hitler até o governador da prisão de Spandau. O elemento fotográfico do arquivo consiste em oito fotos coloridas inéditas de Hess em Spandau. Além disso, há mais vinte fotos coloridas de Spandau.”

 

Fonte: dailyarchives.org

VEJA TAMBÉM

Peter Padfield: Rudolf Hess Levou Oferta de Paz Generosa à Grã-Bretanha em 1941

Wolf Rüdiger Hess: A Vida e Morte de Meu Pai, Rudolf Hess

Mark Weber: O Legado de Rudolf Hess

Centenas de nacional-socialistas marcham em Berlim em memória de Rudolf Hess

Andre Marques
Siga em:
Nos ajude a espalhar a palavra:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.