Suástica: Significado e essência do símbolo que advém do espírito

Nos ajude a espalhar a palavra:

Em milhares de anos da história da humanidade, nenhum símbolo foi tão marcante quanto o seu primeiro. A suástica, hoje proibida e banida em diversas nações, por seus devidos governos anti-nacionais, representa todo o seu passado e toda a sua vida. A “cruz gamada”, como também foi chamada na heráldica medieval é um dos mais antigos símbolo da espécie humana, aparecendo em praticamente todas as culturas na antiguidade, e sempre com um significado similar ou relacionado, porém, a maior parte do que aprendemos sobre oque ela representa em todo seu espírito, como entre os antigos arianos históricos. E o que vai ser demonstrado é que o significado e a essência da suástica vai muito mais além do que de qualquer outro símbolo conhecido. Que o que ela representa é muito maior do que nós.

É um símbolo de poder, um símbolo de orgulho, de força e de principalmente Honra. O primeiro significado da Suástica e o mais conhecido é o significado solar, a Suástica a princípio significa o Sol, o elemento que mais fascinou todos os antigos povos, porém, isso não reduz a Suástica a um simples elemento astronômico. O Sol é a estrela da vida, e da força; sem o Sol não há vida, sem o Sol não há criação, o que faz ele representar o maior símbolo de força e poder, não um poder ou força opressora, mas um poder espiritual e triunfal. O Sol é a fonte do calor e da luz. O homem não controla o Sol, este está além do domínio humano, é algo maior que o ser, maior que todos nós. Por isso a Suástica simboliza tudo que é bom, positivo e eterno, nos iluminando e nos elevando espiritualmente. Isso mostra como a antiga “cruz gamada”, ou Suástica, representa um ideal totalmente incorporado na Cosmovisão Nacional-Socialista, pois está é uma doutrina de luz, de vida. A Suástica é a luz divina, a luz solar que desce sobre os homens, o combustível da criação, da excelência, do triunfo e da vitória!

Padrões de suástica no antigo piso de mosaico bizantino, nas ruínas da igreja bizantina em Shavei- Zion, atual Israel, da era da Palestina bizantina (ca. 360 a 636 d.C). Foto: Dr. Avishai Teicher.

A própria pronúncia da palavra “Suástica” vem de uma antiga expressão do sânscrito que é svastika (no Devanagari – स्वस्तिक) que significa “e assim seja”, “boa sorte” ou “felicidade plena”. Isso demonstra que desde o início a Suástica só representa o que é positivo, construtivo, nunca o contrário.

É necessidade do Homem de abandonar por um momento o seu corpo, de sair de si próprio e de se elevar à algo maior e muito mais grandioso do que ele mesmo.

Dentro do “Deutsche Arbeiterpartei” (DAP – Partido dos Trabalhadores Alemães) muitos dos primeiros partidários vinham duma respeitável sociedade alemão chamada Thule Gesellshaft (Sociedade Thule) originalmente “Studiengruppe für germanisches Altertum” (“Grupo de Estudo para a Antiguidade Alemã”), cujo símbolo era a Suástica redonda, que representa o movimento, o progresso, o desenvolvimento, o infinito.

O que a suástica representa está além do corpo e da matéria, ela não representa um plano meramente físico, mas sim o plano espiritual, a Suástica é o fogo e a força interna, a força do homem, mas o impulso, a potência para a superação de si, para a criação do novo homem. As palavras do filósofo alemão Nietzsche figuram isso perfeitamente:

“O Homem é uma corda, atada entre o animal e o Sobre-Homem – uma corda sobre o abismo”.

“O que é grande no Homem, é que ele é uma ponte e não um fim: o que pode ser amado no Homem, é que ele é um passar e um sucumbir”.

F. Nietzshe diz que o Homem deve ser superado, é uma superação de si, algo pessoal, apenas o individuo consegue mudar a si próprio, e a Suástica também representa essa busca pela excelência. Assim, ela Suástica é o culto à beleza da humanidade, um culto à Natureza divina. É a fé no Homem e fé em sua superação e sua excelência.

A ideia Nacional-Socialista do Triunfo da Vontade consiste na habilidade pessoal que nós, como humanos, temos de mudarmos a nós mesmos para melhor, uma revolução pessoal, uma superação de si, algo individual, do qual apenas nós somos responsáveis, e depois de mudarmos o ambiente e ajudarmos as pessoas ao nosso redor a fazerem o mesmo, se superarem e melhorarem. Foi essa transformação positiva que Adolf Hitler fez na construção do Reich Nacional-Socialista, ou III Reich Alemão. Hitler com a confiança e apoio de toda a nação, de todo o povo fez essa reforma espiritual, essa reforma absolutamente positiva em seu ambiente. Adolf Hitler representou a ultima rebelião do homem contra o império do egoísmo e o poder do dinheiro, e estes últimos concluíram sua missão ao destruir, ou tentar destruir o que o Führer construiu com o Triunfo da Vontade. Nesse triunfo, Adolf Hitler, o Reich Nacional-Socialista foram a Suástica, sua demonstrações concretas do poder e da força da Suástica ao despertar a essência da alma e de despertar sua busca pela excelência.

Coleção de selos da civilização do vale do Indo mostrando também suásticas. Museu Britânico, 14 de agosto de 2005.

Uma nova sociedade e um novo Império, algo que o mundo nunca havia presenciado, onde os princípios fundamentais de Honra comandaram e se manifestaram na alma de todo um povo, algo que Hitler fez sozinho, essa foi a demonstração do Triunfo da Vontade pessoal, de ter se superado e depois de ter feito o seu povo também se superarem. Isso é a Suástica. Instituições como a “Hitlerjugend” (Juventude Hitlerista) e a SS são demonstrações de toda a Honra Nacional-Socialista. Através destas duas instituições ele tratou de mudar as pessoas para melhor, ou de despertar sua essência como membros de um povo e membros de um ethnos. Mais uma vez a Suástica esteve presente nestas conquistas.

“Aquele que viu o Nacional-Socialismo só como um movimento político não viu absolutamente nada”. -Adolf Hitler

Adolf Hitler e outros grandes homens do NSDAP sempre tentaram fazer as pessoas entenderem que a essência do Nacional-Socialismo não é política, a essência do Nacional-Socialismo é espiritual, ela representa as Leis Naturais, como a Natureza é manifestada em nós através de nossas diferenças, de que nós não somos indivíduos isolados, nós somos parte de uma raça, de um povo, os nossos atos não afetam apenas nós isoladamente, e sim todo o nosso ambiente como um todo.

O indivíduo é parte de um todo. Ao ajudarmos nosso povo nós estamos ajudando a nós mesmos. Devemos servir o nosso povo, quando nosso povo estiver livre, nós, como parte dele, também estaremos. Ao nos separarmos dele e nos considerarmos indivíduos sem valores supremos, nós estamos traindo a nossos ancestrais, estamos sendo egoístas, estamos abandonando valores que são maiores do que nós. E o Nacional-Socialismo acredita que o nosso povo é maior que nós separadamente, o Nacional-Socialismo manifesta os valores supremos, isto é, que estão acima de nós.

“O Nacional-Socialismo está ligado a sua cosmovisão (weltanschauung). Ele existe para ela e desaparecerá com ela”. – Alfred Rosenberg

O Nacional-Socialismo é uma Cosmovisão acima de tudo. A política é uma consequência, a política é uma maneira de aplicarmos através do Estado, de um governo, esta Cosmovisão que inclui seus princípios e seus valores. É infantil colocar o Nacional-Socialismo como uma simples visão política antimarxista, anticapitalista, pois o Nacional Socialismo não é um conjunto de “contras” e sim uma cosmovisão, uma doutrina, um corpo de ideias baseada nos princípios de Honra, Lealdade e Dever.

Tudo isso representa a manifestação do poder da Suástica sobre espíritos honrados.

A Suástica tem o poder de despertar e proteger o interior natural do espírito. Toda etnia tem seus espíritos ancestrais, assim como toda raça cultiva seu alto ideal. Isto é verdade, ao estudarmos o comportamento de cada etnia pela história e por todo o globo veremos como as ações de cada uma delas seguiram um mesmo caminho e mesmo objetivo. O detentores da suástica através do tempo cultivaram os mesmos valores, esses homens sempre colocaram os interesses do seu povo antes do seu interesse pessoal, nós sempre entendemos a força da natureza sobre nós, sempre manifestou essa compreensão através de seus mitos e lendas. Os deuses e avatares representam os mesmos ideais, o arquétipo que deve ser seguido, pois este é sua essência e sua Natureza. Os deuses são uma manifestação do povo e representam sua consciência e Cosmovisão, por isso estas sagas e mitos são a melhor maneira de entendê-la.

O que é curioso é que esta Cosmovisão não é focada em um indivíduo ou em um pequeno grupo, mas é o pensamento espiritual de todo um povo, é a união através das origens e do sangue, embora tenha sido alterada com a presença de elementos antagônicos como a usura e o egoísmo, a Natureza pode e deve ser libertada e manifestada pela Suástica. Ela e seu significado são originados pela força do sangue. A Suástica é um símbolo do sangue manifestado. Essa é a essência, o interior, o subconsciente, e isso se manifesta fisicamente através da nós, e NÓS A DESPERTAMOS. Ela foi criada para isso, ela é a demonstração simbólica de todo o poder e a força espiritual, ela se manifestou inúmeras vezes durante a história e teve seu auge, mas ela deve ressurgir.

Hoje as nações estão literalmente ocupadas pelas forças sionistas, pelo egoísmo, pelo poder do dinheiro das Altas Finanças e estas forças negativas que se escondem no subterrâneo e atrás das paredes de prédios luxuosos, temerosos do despertar da  gigantesca maioria, usando de todos os artifícios, desonrados e imorais para deturparem o significado espiritual da Suástica e sua força altamente positiva e criativa sobre as pessoas. Marginalizaram nosso símbolo e tentaram o destruir de todas as maneiras, mas a opressão há de acabar.

Thor, o deus da mitologia nórdica, Contra os Jötnar, por Mårten Eskil Winge. Museu Nacional. Repare no cinturão do Deus.

Mjollnir – O Martelo de Thor

“Salve Thor! Deus do Trovão! Defensor de Asgard e Midgard.
Dote-nos com coragem e nos ajude na luta
Contra os inimigos de nossa fé, família e povo.
Corajoso Thor!
Guerreiro entre os deuses e firme em lealdade e fidelidade.
Proteja-nos e nos encoraje com a força
De seu poderoso e invencível martelo.
Talvez tudo seja como você queira
E todo o nosso povo fique com você como você ficou conosco.
Talvez força e Honra esteja com você e sempre com nosso povo”.

Thor é considerado o mais forte de todos os deuses da mitologia nórdica e germânica. Como demonstrado na invocação, ele é o defensor do reino de Asgard (reino dos deuses) e de Midgard (a terra média, terra dos homens). Thor sempre defende seu povo, sempre se mantêm por ele, sempre é honrado e leal.

Como demonstram os antigos Eddas, os contos e canções, que embora sejam simbólicas, não representam apenas mitos e lendas do antigo conceito, nem são ultrapassadas, pois as eras se passaram mas a mensagem é a mesma, a identidade e o pertencimento natural e seu espírito ancestral se mantiveram, não importa quanto tempo tivermos pela frente, as lições são as mesmas, apenas representadas através de seus mitos, pois os mitos representam o povo, representam sua cosmovisão, como eles vêem o mundo, e isso também está nos antigos contos, seja com os Eddas nórdicos e germânicos, com a Ilíada e a Odisseia grega, ou o Bagavahg Gitã e as Vedas da antiga Índia Ariana, a mensagem é a mesma apenas representada de outra maneira. Retornando aos mitos Nórdicos, a Suástica como runa representa o martelo de Thor, este mesmo martelo era preso ao pescoço em forma amuleto pelos Vikings para garantir sua proteção, seu poder e sua força.

Os deuses guerreiros da família Aesir diziam que o martelo Mjollnir era seu maior tesouro, pois lhe permitia proteger Asgard dos gigantes. O martelo era erguido ao nascimento de novas crianças que eram aceitas na comunidade e também era usado em funerais.

Em uma antiga saga, Thor ao comer seus bodes, fez o sinal do martelo para lhes ressuscitar. Este sinal era um antigo sinal que depois foi copiado pelos cristãos e transformado em sinal da cruz, ele significava proteção imediata e benção para todos que o faziam. Mais uma vez a Suástica é a fonte da vida, da criação e da proteção suprema. Thor quem rugia os trovões pelo seu martelo e dava aos homens a força do martelo e a vontade de guerrear e proteger os seus.

Aqui cito um trecho do livro “Deuses e Mitos do Norte da Europa”, de autoria de H.R. Ellis Davidson:

“Parece realmente que o poder do deus do trovão, simbolizado por seu martelo, se estendia por tudo o que tinha a ver com o bem-estar da comunidade. Ele cobria o nascimento, casamento, morte e cerimônias funerárias e de cremação, e os juramentos feitos pelos homens. A famosa arma de Thor não era apenas o símbolo do poder destrutivo da tempestade e do fogo do céu, mas também uma proteção contra as forças do mal e da violência. Com ela, Asgard não poderia ser mais atingida pelos gigantes e os homens contavam com ela também para lhes dar segurança e garantir a regra da lei”.

A antiga tradição do martelo dos juízes da corte que estabelece a ordem também vem dos antigos povos indo-europeus ao usarem o Mjollnir para comandarem uma sociedade justa, para proteger o povo: a suástica.

Vale a pena lembrar mais um mito germânico que envolve Thor e o Mjollnir. Em sua pescaria, Thor ao ser atacado pela maligna serpente de Midgard ergue seu martelo e a destrói. Se fizermos uma analogia por um ponto de vista Nacional-Socialista, a serpente representa o poder do dinheiro, da Alta Finança e do sionismo judaico-supremacista, e o Mjollnir representa a Suástica que combate a usura e o inimigo dos povos.

Suástica pré-colombiana da serpente de ardósia verde de Hopewell Origem: Vale do Mississippi, EUA, Cerca de 200 aC. Foto: Robert Sephr.

Isso foi apenas um exemplo da ideia do inconsciente coletivo de Carl G. Jung, é a presença que está obviamente além de nossa atual consciência, mas que se manifesta involuntariamente. Assim como Adolf Hitler, pessoalmente, mostrou de forma clara através da manifestação do consciente e subconsciente, dos desejos e aspirações mais profundos, mais intensos, mais reais, mais humanos de toda sua essência oque apenas um espírito de fato liberto é capaz de realizar.

Adolf Hitler foi assim o arquétipo, é a manifestação física e pessoal de sua própria vontade. Assim como a Suástica também o é, mas de uma forma simbólica. Ele e ela, Adolf Hitler e a Suástica, são sinônimos, são o mesmo conjunto cósmico, o mesmo ser, assim como qualquer que queira despertar para ela. Por isso ambos tem esse poder e o fizeram nos anos 30, despertaram esse subconsciente coletivo, que nada mais é do que a essência espiritual com outro nome. E ambos são o poder da Suástica manifestada espiritualmente e fisicamente sobre os Homens e que ela desperta algo forte, verdadeiro e interior.

Por isso e mais, ao aceitarmos e compreendermos o significado e sabedoria da Suástica, nós devemos entender, ou pelo menos procurarmos e nos esforçarmos para entendermos a verdade proibida pelos atuais governos, do que é a verdade sobre o Nacional-Socialismo e sua essência absolutamente positiva, sobre sua Cosmovisão, sobre o Triunfo da Vontade. Nós devemos esquecer, ignorar toda a lavagem cerebral da mídia, da Alta Finança e do poder sionista manifestado que há mais de 70 anos vem destruindo e corrompendo o que há de melhor, de saudável, de humano no Nacional-Socialismo e demais formas de pensar dignas.

Só a verdade liberta, já dizia um mestre, conhecer a verdade é uma tarefa individual, de esforço pessoal.

A ignorância é reconfortante, mas nós devemos escolher o nosso caminho. O caminho natural, obviamente pela sua Natureza como vem sido demonstrado durante a história é o caminho da verdade, da Honra, da Lealdade e do Dever. O ser humano ser de origem diversa pelo mundo não é um problema, mas uma solução natural, o que vem ao caso é sua manifestação, nosso espírito, de nos libertarmos espiritualmente, de sermos espiritualmente dignos, honestos.

Ao fazermos isso nós manifestamos nossa Natureza, nosso ser, e ele é belo, ele está representado pela Suástica e pela força e sabedoria do Nacional-Socialismo. O escritor e inglês H.S. Chamberlain escreveu em seu Arische Weltanschauung (Cosmovisão Ariana):

“Eu disse em outra ocasião: ser ‘Ariano’ não é o ponto, nos tornarmos ‘Arianos’ é o que importa”.

E cito mais uma frase:

“Nunca esqueça essa única coisa: pelo pensamento apenas, o pensamento pode ser libertado; aquele que não tem a coragem e o poder de repensar os pensamentos da raça Ariana, é e continuará a ser um servo, não importando sua ancestralidade, pois ele é mentalmente prisioneiro, cego, preso à terra”.

A escolha é pessoal, ser um servo ou não. A vida é luta. Nós devemos criar consciência de nossa situação atual, devemos meditar sobre os assuntos e entendermos nosso estado, e a opressão e tirania sobre o nosso povo. A Suástica é um símbolo, ela representa isso, mas ela sozinha não faz nada, devemos despertar, nos comandar para a vitória, para o triunfo e para a liberdade, o resto é conosco.

Há um grupo de pessoas, um grupo apenas, que controla o que nós vemos na TV, o que nós lemos, o que nós assistimos nos cinemas, o que escutamos no rádio, este mesmo grupo se mantém unido há milhares de anos e o mais homogêneo possível, ele entende que através da sua homogeneidade ele se manterá, tudo o que recomenda e que força às outros através dos meios de comunicação é aquilo que não aceita e não permite para si, porque sabe que irá destruí-lo por dentro, fazê-los confusos sobre si e sobre oque defender ou aonde pertencer.

O Homem se tornou escravo do dinheiro e do capital. O materialismo faliu no homem, na sociedade e no espírito. O pensamento de “cada um por si” está ficando maior e vai a um ponto em que as pessoas colocam seu povo depois de si próprias por completo. O tempo em que nós éramos partes de um todo e não apenas indivíduos individuais existiu durante milhares de anos. Este tempo construiu impérios, deu luz a civilizações, à vida e também à justiça. Este tempo foi real, e nós devemos recriá-lo.

O dinheiro se tornou ideal moral, religião e meta final dos povos, o valor superior que antes era a nossa comunidade, estirpe, clã, se reduziu ao egoísmo. Nós nos identificávamos com nossos companheiros, trabalhávamos juntos, tínhamos os mesmos valores, nós éramos realmente um conjunto de povos. Isso é um valor superior, algo que está além de nós, assim como o herói é aquele que luta e morre por algo maior do que ele próprio.

A Suástica está naquele que pertence, que respeita e que deseja ser oque é para a melhor, a herança a esperança de um novo futuro.

A chama da liberdade começou a se apagar quando o homem se rendeu ao egoísmo, esqueceu de suas origens, do seu povo e parou de amar os ancestrais e de ser grato. O dinheiro, e não o triunfo, se tornou sua meta principal na vida.

A Suástica tem sua base no sangue, a Suástica tem sua origem como um dos primeiros símbolos da humanidade e ela se mantêm ainda hoje. Mas oque perdemos sem isso é nossa história, nossas conquistas, nosso senso de pertencimento.

Nós estamos encarando um problema novo, enquanto crises políticas, sociais e econômicas podem ser resolvidas, o fim da existência dos povos como definições de si não podem. A Europa hoje é o maior exemplo disso. Padrão de vida alto a custo da extinção do próprio povo envolto em todo tipo de doutrina maléfica ao homem. Com a extinção das comunidades étnicas, esperaremos, sem pátria, sozinhos, indiferentes, sem comunidade, sem pertencimento real a não ser uma ideia abstrata de amplitude e cinismos travestidos de “tolerância”, ao qual nos dividem e nos enfraquecem, dai temos a dominação e a escravidão sobre nós, nosso povo e tudo que poderá um dia vir de nós…não haverá futuro. É hora de tomarmos uma atitude. Nós devemos entender e valorizar o legado de nossos antepassados, este legado, esta herança está presente em nós, nós não devemos destruí-lo, devemos resistir e nos revoltarmos contra a tirania.

Os grandes Homens são o melhor produto do povo, estes grandes Homens e suas conquistas não morrem nunca, são imortais, assim como os bons espíritos. Estes Homens são parte do legado do nosso povo e são parte de nós. A base de nossa existência é a herança dos nossos antepassados e nós somos partes deles como nossos filhos serão parte de nós. Sangue do nosso sangue. E assim o legado deve se perpetuar, porque este é sagrado.

Através da Suástica despertará algo interior e mais forte do que o nosso corpo e nossa mente, ela despertará algo além da existência física e material, despertará nosso espírito e nossa essência! A suástica nos salvará da extinção, da opressão e da tirania. Nos mostrará a verdade enquanto existirmo, a força da suástica viverá, pois ela é mais forte que tudo! Ela desperta exteriormente nossa natureza porque ela é a natureza!

A Suástica é o fogo para a vitória e para a glória!

Andre Marques
Siga em
Nos ajude a espalhar a palavra:
Gostou do artigo? Você pode contribuir para o site com uma doação:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

três × um =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.