A metapolítica em Chrono Trigger: Escritor brasileiro lançará livro sobre a filosofia político-histórica contida no jogo

Nos ajude a espalhar a palavra:

Chrono Trigger, o jogo de RPG [eletrônico] desenvolvido pela Square Co., lançado para o console Super Nintendo no Japão em março de 1995. O jogo foi revolucionário para a época e exige bastante do console, é considerado por muitos um dos melhores jogos já feitos na histórias dos games.

Posteriormente, uma versão aprimorada de Chrono Trigger foi lançada para PlayStation em 1999,  outra para o console portátil Nintendo DS 2008 no Japão e um dia depois nos EUA. Daí foi portado para telefones celulares i-mode, Virtual Console, PlayStation Network, dispositivos iOS, Android e Windows, com o advento da massificação da internet mas nada, absolutamente nada superou o sucesso do projeto original idealizado e lançado pelo time de ouro.

Desenvolvido por uma equipe que foi apelidada de Equipe dos Sonhos: Hironobu Sakaguchi (produtor da série Final Fantasy), Yuji Horii (diretor da série de jogos Dragon Quest), Akira Toriyama (criador de mangás famosos, como Dragon Ball e Dr. Slump), o produtor Kazuhiko Aoki e Nobuo Uematsu (músico de Final Fantasy), toda a equipe trabalhou com a ideia de que este jogo teria de ser revolucionário, envolvendo múltiplos fins, uma história dramática, um bom sistema de batalhas e belos gráficos. No jogo há inúmeras referências a eventos e nomes de mitologias, lendas e História. Sua trilha sonora é considerada uma obra prima, rendendo um CD triplo no Japão, tornando-se uma das trilhas de games de maior sucesso da história. Este trabalho foi a estréia do compositor Yasunori Mitsuda, que contou com o auxílio do veterano Nobuo Uematsu, responsável por outras trilhas de jogos clássicos da Square como Final Fantasy e Secret of Mana.

O autor do projeto para o novo livro é o psicólogo, filósofo, tradutor e ensaísta Jonas Otávio Bilda, autor de três livros publicados, dois autorais, “O Alvorecer das Artes do Ser” (2016)  e “Cartas de um Solícito Acompanhante” (2018), e o mais recente que será também lançado em abril de 2020, a tradução de “O Livro de Veles”. Todos pela editora Multifoco.

A nova obra terá o título de “A Civilização Eterna” e o subtítulo de “Um ensaio sobre os fundamentos político-culturais da literatura atlante a partir de Chrono Trigger”, de caráter inédito e em língua portuguesa. Segundo confirma o autor para o público, o trabalho tem sua ideia não em algo sobre especificamente o jogo em si mesmo, como uma “revista literária juvenil”, mas sim:

“É um livro de ensaio filosófico com conteúdo político, histórico e cultural predominante que encontra coincidências nos relatos de civilizações perdidas… nas narrativas antigas e modernas dessas civilizações, na tradição de Atlântida, que no livro, batizo ‘Literatura Atlante’, toda a literatura sobre civilizações perdidas a partir do Timeu e Crítias de Platão, a literatura utópica, a partir de Thomas Morus em A Utopia, outras obras da arqueologia, tudo que esteja relacionado a esse tema de civilizações perdidas junto aos relatos de médiuns que falam sobre reinos perdidos, cidades perfeitas, descobertas arqueológicas e ficção científica. Tudo isso coincidente com a narrativa do jogo de 1995 do Japão. Todas essas fontes; documentos, jogos, história, arqueologia, misticismo, mitologia, todos imaginam uma mesma sociedade, com os mesmos elementos econômicos, culturais, religiosos, a mesma forma de organização social que permeia todas essas imaginações da literatura, história, política, religião, todas mostrando o mesmo quadro, o mesmo conteúdo espiritual… todas. Essa é a mensagem do livro e a história que quero propagar. Todos os homens que sentaram às suas mesas para imaginar uma sociedade perfeita, imaginaram a mesma forma de sociedade, que é expressa especificamente no Reino de Zeal dentro do jogo Chrono Trigger.”

Jonas Bilda, em entrevista a TV Brusque, em julho de 2018. Psicólogo, licenciando em filosofia e autodidata em história, religião, literatura e política. É autor de “O Alvorecer das Artes do Ser” (2016),  “Cartas de um Solícito Acompanhante” (2018) e da tradução de “O Livro de Veles” (2020), todos lançados pela Editora Multifoco.

Sobre a abordagem do tema civilizações perdidas, mitologia e filosofia político-histórica antiga, Bilda resume que:

“Dito de outra forma, eu pretendo demonstrar que só existe uma forma de sociedade perfeita. De acordo com todos os autores da antiguidade até hoje, todas as formas de literatura e expressão artística… todas imaginaram o mesmo tipo, forma e conteúdo de sociedade, política e cultura, todos. E Chrono Trigger é uma forma lúdica de representar isso. Essa organização, essa forma civilizacional presente no Reino de Zeal.”

O livro está em sua fase de editoração, mas já concluído, será lançado pela Clube de Autores em meados de abril, segundo previsão do próprio autor. Tanto no formato e-book (digital) e impresso para vendas, tanto pela editora quanto diretamente através do contato com autor (dados no final do artigo).

Página Oficial: facebook.com/j.bilda
Instagram: instagram.com/jonasbilda

Bibliografia do autor:

BILDA, J. O. O alvorecer das artes do ser: uma crítica da psicologia moderna, uma análise do desespero científico e uma propedêutica à psicoterapia fenomenológico-existencial. Porto Alegre: Luminária Editora, 2016.

BILDA, J. O. Cartas de um solícito acompanhante. Porto Alegre: Multifoco, 2018.

BILDA, J. O. (Org). Livro de veles: o livro sagrado da fé nativa eslava. Trad. J. O. Bilda. Porto Alegre: Multifoco, 2020.

Andre Marques
Siga em
Nos ajude a espalhar a palavra:
Gostou do artigo? Você pode contribuir para o site com uma doação:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

17 − quinze =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.