A farsa do laissez-faire: Quase todos os produtos nos supermercados pertencem a apenas onze multinacionais

Nos ajude a espalhar a palavra:

“A tendência da competição é gerar o seu contrário: a concentração da economia. Portanto, para resguardar algo da economia de mercado, há que salvá-la dela mesma.” – Adriano Benayon.

Abaixo, o resultado do “livre mercado”, que não é outro senão o domínio dos mais fortes sobre os mais fracos.

Ao caminhar por um supermercado, você deve se deparar com uma série de marcas diferentes, dando a impressão da existência de uma concorrência. Mas a realidade é bem diferente: um estudo realizado pela empresa CB Insights mostra que apenas 11 empresas controlam quase todas as marcas de alimentos presentes em um supermercado.

São elas: Nestlé, Coca-Cola, Mars, Kellogg’s, Pepsico, Associated British Foods, Unilever, Kfratz-Heinz, Mondelez, Danone e General Mills.

Apesar do surgimento de uma série de empresas e startups do setor alimentício nos últimos anos, o cenário não parece se alterar. Isso acontece porque muitas gigantes acabam comprando concorrentes menores no momento em que eles começam a se destacar.

Foi o que aconteceu, por exemplo, com a brasileira Mãe Terra, que foi adquirida pela Unilever. A Nestlé também realizou aquisições como a da Blue Bottle Coffee, cafeteria gourmet dos Estados Unidos.

Mercado

Dados da Research and Markets apontam que o mercado global de alimentos embalados deve faturar mais de US$ 3 trilhões nos próximos dois anos. Isso significa que as grandes empresas devem seguir faturando.
Confira abaixo alguns exemplos de empresas de cada uma das gigantes:

Fontes: Yahoo Finanças / CB Insights

[themoneytizer id=”43742-16″]

 

Andre Marques
Siga em
Nos ajude a espalhar a palavra:
Gostou do artigo? Você pode contribuir para o site com uma doação:

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.