fbpx
Alfred M. Lilienthal: Sionismo e judeus americanos

Tinha sido uma noite nauseantemente desagradável e chuvosa quando um casal idoso e afluente de Hartford saiu de sua casa para uma reunião. Quando o carro deles virou lentamente à esquerda na entrada do Centro da Comunidade Judaica, outro automóvel saiu do nevoeiro e colidiu com eles. Minha prima, cujos incontáveis atos civis e filantrópicos a tornaram querida pela comunidade, morreu antes que pudesse chegar ao hospital; seu marido seriamente ferido.

Desde o aparecimento de meu artigo no Readers ‘Digest, no qual cruzei espadas com o chefe da Organização Sionista, Rabino Abba Hillel Silver, meus parentes em Hartford me consideravam um plano e simples maluco, se não um traidor. Os antigos laços familiares próximos haviam se deteriorado a um ponto de ostracismo quase total. No entanto, o sangue é mais espesso do que a água, e corri para Connecticut para os últimos ritos de uma mulher maravilhosa, e estava entre os 800 a prestar homenagem a ela no domingo de manhã em uma sinagoga abarrotada – a própria na qual, na presença de muitos membros da família, eu tinha sido escoriado pelo rabino durante os cultos dos Dias Santos trinta anos antes por ousar falar publicamente contra o sionismo.

Tendo voado de Washington, eu passei a noite na casa de outros primos de quem minhas visões iconoclastas tinham me separado antes mesmo do artigo do Digest aparecer.

RECEBA NOSSOS EM CASA

 

O primo Bern e eu ficamos acordados rememorando até tarde da noite e, naturalmente, a crise do Oriente Médio entrou em nossa conversa. “Você sabe, eu nunca tinha sido um sionista,” disse ele. “Mas alguma coisa tinha de ser feita para fornecer um lar para refugiados judeus. Isto é o porquê eu tenho sempre apoiado o Estado de Israel, doado substancialmente para a UJA, e mesmo dirigi a viatura de Hartford.” Este raciocínio, tão típico de milhares de outros judeus, foi responsável pela tomada sionista da comunidade judaica americana – fechadura, estoque e barril {expressão significando tudo e mais.}

Minha tréplica, eu temia, caiu em ouvidos tão surdos quanto aqueles que eu havia encontrado em meus esforços contínuos para abrir as portas do raciocínio e banir o emocionalismo. Os americanos de fé judaica não conseguem visualizar até que ponto seus rabinos e lideranças seculares, operando através do Judaísmo Organizado, os enganaram totalmente, fazendo-os confundir humanitarismo com construção de nação, religião e nacionalismo. Uma casa poderia ter sido encontrada em 1947 para os 285.000 sobreviventes dos campos de concentração de Hitler sem nunca estabelecer um estado; assim como hoje a segurança para os judeus de Israel pode ser obtida sem o expansionismo contínuo lavrado pela política de assentamentos na Cisjordânia ou a repressão implacável dos direitos do povo palestino.

Mas somente um estado cada vez maior irá apaziguar as ambições famintas dos líderes sionistas. Privadamente, eles declararam incessantemente que não têm nenhum interesse nos refugiados, somente em criar um Estado soberano. Em seu ateísmo e agnosticismo, eles têm manifestado mesmo menos preocupação com o Judaísmo, a fé religiosa. Explorando com habilidade prática o genocídio nazista, sua propaganda tem usado o Holocausto para arrancar um cheque em branco de correligionários sionistas e não-sionistas, o qual lhes permitiu em 1948 apostar o futuro do judaísmo americano na roleta do poder político.

Falando sem qualificação em nome de todos os judeus, o acume sionista fez certo que os políticos permanecessem hipnotizados mais do que nunca pelo “voto judeu.” Tudo o que tinham para fazer era lembrar a ambos os partidos políticos que seu eloquente apoio a Israel era um pré-requisito para a conquista de estados eleitorais pivotais.

Quando tanto está em arriscado jogo no Oriente Médio, inevitavelmente deve surgir a questão: como a vontade sionista foi imposta ao povo americano? Longe de todos os judeus acreditarem no conceito de Estado judeu, e os próprios judeus constituíam senão uma pequena minoria da população americana, menos que três por cento. É possível que os americanos tenham sido tão apáticos que seis milhões possam manipular 230 milhões?

RECEBA NOSSOS EM CASA

 

Mas existem muitas razões compelindo porque os números da população são de pouca relevância para a história de sucesso sionista. Mahatma Gandhi disse certa vez: “Os números não são críticos para qualquer luta. Força e propósito são.” Essa força, combinada com riqueza e posição, pode ser resumida em uma palavra: poder. Os sionistas tinham sido capazes de reunir em prontidão músculos fantásticos no momento certo e no lugar certo, ou instilar o medo de que eles pudessem ser usados.

O triunfo do sionismo nunca teria sido possível sem a Santíssima Trindade do século 20: Hitler, os políticos supinos e a mídia complacente. Ao rotular aqueles que se opunham ao curso sob o qual a liderança israelense comprometeu seu novo estado de forma intratável como “antissemita”, eles esmagaram o rebento emergente. Sem entender as razões subjacentes, a base judaica poderia apontar para o grande número de proeminentes apoiadores cristãos do estado e se jactar: “Assim como não é necessário ser judeu para amar o pão de centeio de Levi, não é preciso ser judeu para seja um sionista.” Todo mundo adora um vencedor. A pouca oposição organizada que havia ao sionismo colapsou totalmente com a vitória emocionante de Israel na guerra de seis dias de junho de 1967. O Conselho Americano de Judaísmo antissionista {anti-Zionist American Council for Judaism} praticamente desapareceu, e depois disso, mesmo os não-sionistas não se envergonhavam de serem contados nas fileiras sionistas, conforme o editor do Commentary Norman Podhoretz proclamou tão ruidosamente em “Agora, Sionismo Instantâneo.”

A principal razão para o notável sucesso político alcançado pela conexão judaica e os conectores sionistas reside profundamente no sistema político americano. Nosso sistema de governo representativo foi profundamente afetado pela crescente influência e riqueza de grupos de pressão minoritários, cuja força invariavelmente aumenta com a aproximação das eleições presidenciais. Isso torna virtualmente impossível formular uma política externa no interesse nacional americano. O sistema do Colégio Eleitoral fortaleceu muito a posição dos lobbies nacionais estabelecidos por grupos étnicos, religiosos e outros grupos de pressão minoritários – o lobby judeu-sionista-israelense em particular.

Sob esse sistema anacrônico, os votos estaduais vão como uma unidade para o candidato que obtém a maioria dos votos, o que confere a um lobby bem-organizado um tremendo poder de barganha. E a conexão judaica tem sido aumentada pela localização judaica: setenta e seis por cento dos judeus americanos estão concentrados em dezesseis cidades de seis estados – Califórnia, Nova Iorque, Pensilvânia, Illinois, Ohio e Flórida – com 181 votos eleitorais. Leva apenas 270 votos eleitorais para eleger o próximo presidente dos Estados Unidos.

Isso explica por que os políticos têm sido mesmerizados pelo medo do “voto judeu” em um estado altamente contestado. A influência desordenada israelense sobre a Casa Branca, o Congresso e outras autoridades eleitas surge originando dessa capacidade de ganhar votos em bloco, bem como de encher os cofres de campanha de ambos os partidos com contribuições em tempo oportuno. O judeu individual que pode não concordar com a ideologia sionista ou com o nacionalismo judaico é covarde demais para falar abertamente e tomar dos usurpadores de sua voz a tarefa; e assim o vendedor ambulante segue em frente.

RECEBA NOSSOS LIVROS EM CASA

 

Poucos judeus apreciam a metodologia empregada pelo poderoso lobby sionista em Washington para manter os políticos na linha. Não é exatamente bonito, e mesmo no declínio da moralidade de nossos dias, eu estou certo de que muitos ficariam revoltados com o que é feito no nome deles para ajudar o “bastião da democracia” do Oriente Médio.

Esse lobby, plenamente integrado dentro nosso processo eleitoral nacional, tem se tornado intrínseco à urdidura e à trama do sistema político dos EUA pelos passados trinta e dois anos. Mostre-me um homem que está concorrendo à presidência e eu lhe mostrarei, invariavelmente, um político que não ousará ofender este poderoso lobby. Mostre-me um legislador em qualquer ramo do congresso e eu mostrarei a você um titular de cargo que invariavelmente se curva a esse poderoso grupo de pressão. Enquanto outros grupos de pressão podem ter que vasculhar os escritórios do Congresso, argumentando os méritos de certas propostas a fim de obter os votos afirmativos necessários, o lobby israelense canaliza informações para seus muitos aliados no Congresso, reúne dezenas de votos garantidos quando eles são necessários, e tem a agradável tarefa de exortar membros bem-intencionados e excessivamente ansiosos a não se perderem com sua própria legislação competindo no apoio de Israel.

Durante o auge da guerra de 1973, uma blitz telefônica de 36 horas por parte de I. L. Kenen, o chefe do Comitê de Assuntos Públicos de Israel ({Israel Public Affairs Committee} AIPAC, o lobby israelense), resultou, em 18 de outubro, na introdução imediata de legislação em ambas as casas para transferir “Aeronaves fantasmas e outros equipamentos nas quantidades necessárias para que Israel repela agressores no valor de US $ 2,2 bilhões.” Uma campanha massiva prefaciou a aprovação deste projeto de lei de ajuda militar, e uma tentativa de retirar US $ 500 milhões da legislação foi derrotada quando Kenen disparou 95 telegramas para membros do Comitê de Dotações da Câmara e Relações Exteriores {House Appropriations and Foreign Affairs Committee}.

Quando o influente presidente do último comitê, Clement J. Zablocki, buscou através da comissão reduções generalizadas nas exportações militares para os países do Oriente Médio, incluindo Israel, ele encontrou a si próprio forçado a ceder à pressão sionista. Os “Israel-Firsters’ {Israem em primeiro lugar} e a AIPAC {Israel Public Affairs Committee (Comitê de Assuntos Públicos de Israel)} moveram-se para bloqueá-lo de assumir a presidência do comitê no 95º Congresso. Somente depois de uma reunião amarga, nos bastidores, é que um arranjo amigável foi trabalhado. O congressista desde então não se opôs a qualquer das elevadas ambições de Israel no Capitólio.

Surpreendentemente, foi o próprio New York Times, usualmente o mais ferrenho apoiador dos objetivos sionistas e israelenses, que expôs e analisou francamente as atividades desse mais poderoso dos grupos de pressão em um artigo de agosto de 1975. Como uma demonstração de uma suposta nova imparcialidade dos EUA, o presidente Ford concordou em vender à Jordânia os mísseis Hawk aprimorados com os sistemas NAS no valor de cerca de US $ 256 milhões. Mas o lobby começou a trabalhar imediatamente. Uma comunicação secreta sobre a venda proposta, com base em um documento sigiloso do Departamento de Defesa, enviado pela Casa Branca aos membros dos Comitês de Relações Exteriores do Senado e dos Comitês de Relações Exteriores da Câmara, vazou para a AIPAC por assessores sionistas do senador Clifford P. de Nova Jersey. e o representante de Nova York Jonathan B. Bingham. Imediatamente, o lobby mobilizou sua organização em 197 grandes e 200 cidades menores através do país, alertando sobre os perigos para Israel. Em um memorando de duas páginas e uma carta descrevendo o escopo e a natureza da venda proposta, o lobby concluiu que era capaz de “fornecer cobertura para operações ofensivas contra Israel.”

RECEBA NOSSOS LIVROS EM CASA

 

As comunidades foram chamadas a agir de uma vez e a aplicar forte pressão. Dentro de vinte e quatro horas após a distribuição do memorando, os congressistas foram cercados por telefonemas, telegramas e correspondências de constituintes instando-os a se opor à venda do Hawk para a Jordânia. Apesar da ameaça de que o rei Hussein da Jordânia poderia se voltar para outro lugar, até mesmo para a União Soviética, os legisladores se mantiveram firmes e o assunto foi posto na mesa. Um senador democrata não identificado foi citado no Times dizendo que somente falaria sem atribuição sobre o lobby israelense “porque eles podem emitir votos e controlar muitas das contribuições de campanha. É por isso que não posso entrar em registro ou seria morto.”

“É o lobby mais forte,” adicionou o senador. “Não dilui sua força fazendo lobby em outras questões – muitos membros se ressentem, mas eles não sentem que que eles podem fazer qualquer coisa sobre isso. Esse lobby quer fazer o Congresso ‘pensar sobre Israel – eles não querem’ quaisquer julgamentos independentes.” As demandas ao Departamento de Justiça para investigar como um documento confidencial da Casa Branca foi transmitido a um agente do Estado de Israel foram ignoradas. O saguão era muito forte.

O trabalho de pá na Colina foi realizado por um grupo de jovens dedicados e funcionários chave. Michael Kraft, do gabinete do senador Case; Stephen Bryen da subcomissão do Oriente Médio da Comissão de Relações Exteriores do Senado; Scott Cohen, assessor do senador Charles Percy; Richard Perle, da equipe do senador Henry Jackson; Richard D. Siegel, do gabinete do senador Richard Shweicker da Pensilvânia; Mel Grossman, um assessor de Edward J. Gurney da Flórida; Edward A. “Pete” Lakeland, assessor de Jacob Javits; Daniel L. Speigel do gabinete do senador Muriel Humphrey; Mel Levine, assessor de John V. Tunney da Califórnia; Jay Berman, do escritório de Birch Bayh; e Kenneth Davis, um assistente de Hugh Scott da Pensilvânia quando ele era o líder da minoria.

De acordo com Stephan D. Isaacs em seu livro Jews and American Politics, este grupo tem trabalhado “silenciosamente, redigindo legislação e outros materiais e montando ‘contra-ataques’ para garantir o apoio de uma legislação apropriada que avance as muitas causas de Israel,” enquanto os senadores Jackson, Javits, Ribicoff e outros trabalharam “na frente” para angariar apoio entre companheiros senadores.

Foi esse esforço que foi o responsável pela aprovação da emenda Jackson-Vanick ao acordo comercial dos EUA de 1972 com a União Soviética, o primeiro prego colocado no caixão da détente {expressão da política internacional para entendimento entre ex-rivais}. Os apelos do presidente Ford – que antes havia expressado simpatia pela situação dos judeus soviéticos em um discurso sobre o “Estado do Mundo” – para rejeitar essa emenda como inimiga dos interesses americanos e das relações com a União Soviética foram de nenhuma valia. Jackson, o forte defensor do lobby na questão dos judeus soviéticos, insistiu em sobrecarregar o acordo, mutuamente vantajoso para os EUA e a União Soviética, com a emenda garantindo a emigração anual de um determinado número de judeus soviéticos. Se o détente é bom ou não para os EUA é discutível, mas vincular essa questão à questão dos judeus soviéticos é uma posição inteiramente insustentável.

RECEBA NOSSOS LIVROS EM CASA

 

O único senador que, durante muitos anos, se recusou consistentemente a se curvar às pressões sionistas e que desafiou o lobby israelense foi o presidente do Comitê de Relações Exteriores do Senado, J. William Fulbright. Ele incorreu na ira sionista quando declarou em “Face the Nation” em 1973 que: “Os israelenses controlam a política do Congresso e do Senado … Algo em torno de 80% do Senado dos Estados Unidos está completamente em apoio de Israel em qualquer coisa que Israel queira …”

Judeus em Arkansas dispararam intensamente no senador: “O rival de Fulbright nas primárias democratas de maio de 1974, o governador Dale Bumpers se gabou:

Eu poderia ter comprado o centro de Arkansas com ofertas de dinheiro da comunidade judaica … A oferta de assistência veio de pessoas em Nova Iorque e Califórnia que tinham levantado muito dinheiro na comunidade judaica para propósitos políticos.

Para grande satisfação do lobby, esse fluxo de dinheiro ajudou a derrotar o senador Fulbright e devolvê-lo à vida privada. Mas essa vitória a longo prazo pode acabar sendo apenas uma vitória de Pirro para os judeus americanos.

Em um memorável discurso no plenário do Senado, o Sr. Fulbright tinha colocado “a serrada da política externa por certos grupos minoritários em detrimento do interesse nacional” em sua perspectiva histórica mais ampla:

Senhor presidente, esta nação acolheu milhões de imigrantes do exterior. No século 19 éramos chamados de cadinho e tínhamos orgulho dessa descrição. Isso significava que vieram para esta terra pessoas de diversos credos, cores e raças. Esses imigrantes se tornaram bons americanos, e suas origens étnicas ou religiosas eram de importância secundária. Mas, nos últimos anos, vimos o surgimento de organizações aparentemente dedicadas não aos Estados Unidos, mas a países e grupos estrangeiros. A condução da política externa da América foi seriamente comprometida nesse desenvolvimento. Nos ´podemos sobreviver a esse desenvolvimento, senhor presidente, apenas se nossas instituições políticas – e o Senado em particular – retiverem sua objetividade e independência para que possam servir a todos os americanos.

Mas por tanto tempo quanto os membros da equipe legislativa mantivessem seu judaísmo como o mais superior de tudo em mente, a objetividade vital nunca poderia ser realizada.

A Liga Anti-Difamação {Anti-Defamation League} (ADL) da B’nai B’rith, igualmente, tem feito sua parte na “conversão” de congressistas em momentos críticos. A oposição ao envio das mortíferas bombas de concussão C-3 para o estado sionista imediatamente trouxe sugestões abertas da ADL de que os oponentes eram secretamente antissemitas. Um assessor do Capitólio foi citado como dizendo “Essa é a força perversiva que eles atacam nos corações dos membros daqui.” “Se você está em oposição a qualquer coisa que Israel queira, você recebe um grande pincel branco que diz que você é antissemita.”

A estória por trás da chicana legislativa em nome de Israel escassamente vem à superfície e, quando isso acontece, é sumariamente descartada como propaganda antissemita. Mas um dia, previu um diplomata sênior dos EUA, de acordo com a revista Newsweek, haverá uma investigação no Congresso sobre como perdemos o Oriente Médio que fará com que o grande debate China pareça trivial. É triste contemplar quão muitos judeus americanos inocentes podem sofrer pelas ações de seus autonomeados porta-vozes. A influência indevida registrada por uma pequena minoria em nome de um estado estrangeiro não parecerá, de fato, bonita.

Na luz do dia, a ligação entre a ocupação israelense de treze anos da Santa Jerusalém e o curso tomado pela revolução islâmica no Irã ficará mais do que clara. A aliança profana forjada entre Irã e Israel, apoiada por pressões sobre sucessivos presidentes, junto com a iniciativa Henry Kissinger-Nelson Rockefeller, em meio à crise dos reféns, para trazer o Xá para os EUA, um dia se tornará de conhecimento comum. Mais pessoas, para usar as palavras de 1948 do St. Louis Post-Dispatch na época do estabelecimento de Israel, reclamarão sobre “a vergonhosa sucata dos interesses internacionais para reconquistar os votos dos judeus.” O silenciamento do criticismo à política israelense por um verdadeiro mundo do Quem é Quem, que vai do filósofo William Ernest Hocking, Padre Daniel Berrigan e Dorothy Thompson a Dag Hammarskjold, Bruno Kreisky e Charles de Gaulle, provará, a longo prazo, que tem sido uma tragédia real para todos os americanos.

A comunidade judaica nos Estados Unidos pode ser trazida a seus sentidos antes que um desastre total tome conta dela? Pode o processo, uma vez descrito pelo editor do Jewish Newsletter William Zuckerman como “Campanha do Judaísmo,” pelo qual esta comunidade “tem quase conscientemente esvaziado ela própria de todas as altas aspirações e necessidades espirituais e voluntariamente se limitou ao papel de vaca leiteira financeira para outros” ser trazido para um fim? De fato, será difícil arrancar os líderes judeus e suas esposas dos Israeli Bonds {títulos da dívida de Israel promovidos no mundo como investimentos} e ímpetos dirigidos pela UJA {a alegada organização filantrópica denominada United Jewish Appeal}, dos chás do Hadassah e dos banquetes ruidosamente espalhafatosos e da publicidade desagradavelmente extravagante, todos mascarados como funções filantrópicas.

RECEBA NOSSOS LIVROS EM CASA

 

O professor de Química Orgânica da Universidade Hebraica, Israel Shahak, ele mesmo um sobrevivente de Bergen-Belsen, mantém que a devoção indesviável ao Estado de Israel por judeus israelenses e americanos é “tanto imoral como contra a corrente principal da tradição judaica e nada mais é do que apostasia judaica.”

Dr. Shahak adicionou:

Os judeus costumavam acreditar, e dizem isso três vezes ao dia, que um judeu deve ser dedicado a Deus, e somente a Deus. Uma pequena minoria ainda acredita. Mas me parece que a maioria do meu povo deixou Deus e substituiu um ídolo em seu lugar, exatamente como aconteceu quando eles se devotaram ao bezerro de ouro no deserto e deram seu ouro para fazê-lo. O nome desse ídolo moderno é Estado de Israel.

Não será uma tarefa simples destacar os judeus de tal adoração idólatra. O expansionismo aberto e desavergonhado, e racismo, desafiadoramente exibido pelo primeiro-ministro Begin não despertou os judeus americanos. Eles são incapazes de discernir que o perigo mais grave para a paz provém não tanto do expansionismo geográfico, sob o pretexto de segurança, ou da tomada de terras pertencentes a árabes palestinos por séculos, mas do expansionismo ideológico o qual vê a Palestina como pertencendo exclusivamente ao povo judeu como cidadãos ainda no início do estado estabelecido em seu nome. É extremamente duvidoso se algum sucessor de Menachem Begin, seja ele Shimon Peres ou Ezer Weizman, ousará tentar expulsar Israel de seu molde sionista ou que haverá uma revolta judaica americana.

Os criadores de mitos foram poderosos demais em tecer sua teia. Hebreu, israelita, judeu, judaísmo e o povo judeu foram aceitos como um só, sugerindo continuidade histórica. De fato, eles eram pessoas diferentes em tempos históricos diferentes com modos de vida variados que continuamente se casaram com amorreus indígenas, cananeus, midianitas, fenícios e outros ancestrais semitas dos árabes dos dias presentes. É também frequentemente esquecido que o Judaísmo era uma tremenda força proselitista através do mundo antes e mesmo depois da vinda de Jesus. Em A décima terceira tribo, Arthur Koestler, apoiado esmagadoramente por antropólogos como Ripley, Weissenberg, Hertz, Boas, Mead e Fishberg, prova que a vasta maioria dos judeus de hoje são descendentes dos khazares do sul da Rússia. Eles se converteram ao judaísmo em 70 d.C. na época da dispersão da pequena população judaica palestina original pelos imperadores romanos Vespasiano e Tito. Os Ben-Gurions, os Golda Meirs e Begins, que clamaram para voltar para “casa,” provavelmente nunca tiveram antecedentes naquela parte do mundo.

O judeu americano tem permitido que a busca sionista por raízes na Palestina o levasse aos bancos de areia mais perigosos. A relação anormal e única, a qual ele permitiu que fosse realizada em seu nome, entre judeus nos Estados Unidos e Israel, forjou uma política “Israel-Primeiro” a qual é um fator subjacente nas contínuas tensões que assolam o Oriente Médio e o mundo islâmico. Os interesses de segurança dos EUA têm ficado numa situação de perigo; uma crise de energia tem sido impelida através de todos os lares americanos. A inimizade para com os Estados Unidos, incorrida no mundo árabe-muçulmano, corroeu o reservatório incomensurável de boa vontade originadas por causa de muitas instituições educacionais e caritativas fundadas por americanos.

RECEBA NOSSOS LIVROS EM CASA

 

Em um mundo o qual nunca tem precisado de fé espiritual mais do que durante a presente ameaça à civilização, o próprio judaísmo universal tem ele próprio se tornado gravemente colocado em perigo. Pois o que resta de seus preceitos éticos universais sem o etos da retidão? Na conquista implacável da Palestina, ao expulsar a população indígena, os israelenses violaram princípios profundamente arraigados nas pregações dos Profetas. E, infelizmente, os judeus americanos têm agravado a felonia com atitudes racistas frente aos palestinos, em particular a Organização para a Libertação da Palestina (OLP) {Palestine Liberation Organization (PLO)}.

O que é tanto triste como igualmente irônico é que, ao se permitirem ser traumatizados por um mito racial refutado, os judeus da América permitiram que Hitler triunfasse. Ao distribuir encarceramento e morte enquanto varria a Europa conquistada, o Führer desfez as leis de emancipação e o processo de integração pelo qual tantos judeus lutaram por tanto tempo, quando decretou: “Você não é alemão, você é um judeu. Você não é um francês, você é um judeu. Você não é um belga, você é um judeu.”

No entanto, essas são as palavras idênticas que os líderes sionistas entoam ao promover meticulosamente a emigração para a Terra Santa de judeus de todo o mundo, planejando seu êxodo de terras nas quais eles têm vivido felizes por séculos. Moshe Dayan expressou isso sucintamente na revista New York Times: “Eu sou judeu antes de ser um israelense.”

Raramente o engano de tão poucos tem sido tão amplamente praticado em detrimento de tantos, como na formulação e implementação da política americana para o Oriente Médio. Mas as relações normais e amigáveis com todos os povos da região ainda podem ainda ser restauradas. Se a OLP {Organização para a Libertação da Palestina} for reconhecida pelos EUA e os obstáculos à criação de um estado palestino forem removidos, árabes e judeus, muçulmanos e hebreus, em uma atmosfera de justiça, ainda podem renovar lado a lado sua milenar coexistência pacífica. Mas não há lugar para o sionismo.

Tal meta feliz não é ilusória. Isso pode ser alcançado quando os judeus americanos encontrarem a coragem para se levantar como indivíduos e se livrar do jugo do judaísmo organizado. É imperativo – por palavra e, mais importante, por feitos – que todo judeu nos Estados Unidos articule esse credo abertamente e em voz alta: “O judaísmo não é sionismo – sionismo não é judaísmo – antissionismo não é antissemitismo. A bandeira de Israel não é, de forma alguma, minha.”


Fonte: Zionism and American Jews, por Alfred M. Lilienthal, The Journal of Historical Review, verão de 1981 (Vol. 2, nº 2), páginas 181-191. Este item foi publicado pela primeira vez na Arab Perspectives, junho de 1980. Disponível na web em: http://www.ihr.org/jhr/v02/v02p181_Lilienthal.html

Tradução e palavras entre chaves por Mykel Alexander em World Traditional Front


RECEBA NOSSOS LIVROS EM CASA

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Quer receber nossas notificações?    SIM! Não, obrigado (a)