Paradoxos da Esquerda e da Direita

Nos ajude a espalhar a palavra:

Todo mundo sabe que a esquerda e a direita são termos relativos como pai e filho ou alto e baixo, pois são conceitos que dependem uns dos outros.

Sabe-se, ademais, que as ideias políticas da direita e da esquerda nascem de como estavam localizados os parlamentares na época da Revolução Francesa e ainda mais conhecida é a opinião do filósofo Ortega y Gasset em seu livro A Rebelião das Massas onde afirma que: ‘Ser de esquerda é como ser de direita, uma das infinitas maneiras que o homem pode escolher para ser um imbecil: ambas, com efeito, são formas de hemiplegia moral.”

Porém o que poucos sabem é o paradoxo que há depois da segunda guerra mundial entre os conceitos de esquerda e de direita.

Assim hoje a esquerda aparece ou é apresentada como progressista, popular, democrática e avançada. Inclusive se fala em uma esquerda caviar que é a cômoda e agradável vida de todos aqueles que falando do povo e de suas virtudes, vivem como bacanas. Isso se dá sobretudo nos governantes e funcionários da esquerda progressista e social-democrata dos governos ocidentais, desde Lula a Zapatero e desde Kirchner a Rajoy.

Numa palavra, ser de esquerda é estar no topo de uma onda que dá a comodidade nas sociedades de consumo e a fama outorgada por todos os meios de comunicação de massa que estão a serviço desses ideais.

Isto é o que denominamos “a grande simulação” ou o que denomina o filósofo italiano Máximo Cacciari, “a paz aparente”, onde os governos não resolvem os conflitos, mas só os administram.

A direita, por sua vez, é o diabólico, o demonizado. São os trogloditas, os satisfeitos com o sistema. Nunca podem ser o povo, pelo contrário, são populistas os que sustentam os valores tradicionais dos povos. Nenhum candidato no Ocidente se diz de direita porque é politicamente incorreto. O sistema mundial dos meios de comunicação, que são os verdadeiros produtores do sentido do que acontece e se sucede no mundo, cairia em cima e o faria em pedaços.

Contudo, aqui aparece o paradoxo que queremos falar, direita para os gregos vinha de dexiós que significa habilidade, sorte e solidariedade e skaiós significa torpe, rústico, perverso e desagradável.

Aqui, na época dos romanos, a dexter seguiu sendo o hábil, portanto, a destreza e sua derivação, o directus que é o correto; enquanto que a siniestra é o temível, o obsoleto, o inútil.

Mais próximo de nosso tempo, Dante Alighieri na Divina Comédia faz o poeta Virgílio dobrar sempre à esquerda para chegar à sede de Satanás. E, já na entrada da modernidade, Francisco de Quevedo (1580-1645) afirma que: se você vai fazer negócios e vê um canhoto é um mau presságio, como se tropeçasse em um corvo ou em uma coruja.

Como vemos, o paradoxo permanece à vista. Durante dois mil anos, pelo menos, pensou-se uma coisa sobre a esquerda e a direita e fazem duzentos anos que começou-se a pensar outra, totalmente diferente.

Assim são as coisas neste mundo. Talvez seja por isso que devemos lidar com assuntos mais importantes como sugere o velho verso de menino que nos ensinavam:

“A Ciência mais completa
é a que o homem em graça acabou.
Pois no fim da dia,
aquele que se salva, sabe,
e o que não, não sabe de nada.”

Fonte: Nacionalismo e Estudos

Alberto Buela

Alberto Buela (1946 -) nasceu em Buenos Aires, Argentina. É um filósofo atuante em três tópicos específicos: metapolítica, teoria da dissidência e teoria da virtude. Ele também foi o fundador e diretor da revista Disenso de 1994 a 1999.
Sua alma mater é a Universidade de Buenos Aires (1972) e a Universidade Paris-Sorbonne (MA, 1981; PhD, 1984). Buela foi altamente influenciado por filósofos latino-americanos como Gilberto Freyre, Saúl Taborda e Julio Ycaza Tigerino. Ele também listou como influência a obra fenomenológica de Max Scheler , o existencialismo de Martin Heidegger, Hegel, Aristóteles e as teorias práticas de Carl Schmitt.

Seu trabalho foi baseado em uma troca com a fenomenologia como método e nos conceitos expostos por Heidegger em suas obras. Buela é autora de inúmeros livros e artigos sobre metapolítica, ontologia , filosofia política , entre outros tópicos.

Professor de filosofia na Universidade Tecnológica Nacional e na Universidade de Barcelona, ele é mais conhecido por seus trabalhos filosóficos sobre a metapolítica, Aristóteles e Peronismo. Buela também trabalha como pesquisadora na Universidade de Barcelona.

Ele se destaca como o fundador da metapolítica na América. Suas obras a este respeito são múltiplas e variadas. Para suas exposições éticas, é possível ressaltar que ele trabalhou na recuperação do sujeito das virtudes e dos valores.
Alberto Buela

Últimos posts por Alberto Buela (exibir todos)

Nos ajude a espalhar a palavra:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.