fbpx
A história de espionagem que ajudou a derrubar o julgamento de Lady Renouf

O editor assistente da revista Heritage and Destiny (H&D), Peter Rushton,  revelou uma extraordinária história de espionagem da Segunda Guerra Mundial  – até então desconhecida dos historiadores militares e de inteligência.

Esta história foi uma das razões do abandono dos promotores de Dresden do processo contra Lady Michèle Renouf há três meses. Levou dois anos e meio para esta acusação chegar ao tribunal.

Lady Renouf foi acusada de ter cometido “negação do holocausto” durante um discurso improvisado em uma comemoração pública em Dresden em 2018. Parte de seu “crime” foi afirmar que não tinha sido “excepcionalmente cruel” para a Alemanha internar judeus, dado o o fato de que os judeus organizados declararam guerra à Alemanha e que seus representantes estavam intimamente envolvidos em várias formas de guerra aberta e secreta do lado britânico (e mais tarde soviético e estadunidense).

Peter Rushton, da H&D, era consultor de pesquisa da defesa de Renouf e  hoje divulga parte de um dossiê  que teria causado grande constrangimento às autoridades alemãs e britânicas se o caso fosse a julgamento.

Isso revela a existência de um espião até então não declarado no coração do Terceiro Reich – o banqueiro meio-judeu Robi Mendelssohn, sócio de sua família, o banco Mendlessohn & Co., o maior banco privado da Alemanha na década de 1930.

Mendelssohn era um agente do MI6 em Berlim durante a guerra, reunindo-se com oficiais da inteligência britânica durante suas viagens de negócios à neutra Estocolmo.

O caso levanta inúmeras questões não relatadas anteriormente sobre o estado da inteligência britânica em relação à Alemanha durante a guerra, incluindo o chamado “Holocausto”.

E é de especial relevância para o caso Renouf porque, por razões complexas, descobriu-se que o espião do MI6, Robi Mendelssohn, foi o homem que convenceu as autoridades de ocupação britânicas a reinstalar o acusado “criminoso de guerra” Hermann Abs no centro da reconstrução do sistema bancário alemão do pós-guerra.

Abs passou a ser o colega e amigo mais próximo do ex-marido de Lady Renouf, Sir Frank Renouf, que recebeu o  Verdienstkreuz  (a maior homenagem civil da Alemanha) por seu trabalho com Abs na transformação do banco de investimento alemão.

Mais detalhes aparecerão na edição de março da  H&D.


Fonte: nationalvanguard.org


 

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Quer receber nossas notificações?    SIM! Não, obrigado (a)