fbpx

 

O secretário da OTAN, Jens Stoltenberg, anunciou que a organização aumentará o número de tropas presentes no Iraque passando gradualmente de 500 para 4.000. O objetivo – segundo os líderes da aliança militar – é “treinar as forças regulares do exército de Bagdá, para prevenir o terrorismo”. Stoltenberg especificou que as tropas da OTAN (Organização do Tratado do Atlântico Norte) “não se envolverão em operações de combate, mas apenas para apoiar a preparação militar do exército, a fim de evitar que o Estado Islâmico levante a cabeça”. Um trabalho que aconteceria em “total respeito à soberania iraquiana”, portanto. E isso representaria uma resposta a um pedido direto de Bagdá.

As reais intenções da OTAN no Iraque

Então, é um ato de boa vontade? Obviamente, um maior interesse geopolítico só pode ser incluído em tudo isso. Com a era Biden de fato acabou o isolacionismo americano. A nova administração tem o objetivo específico de limitar a influência de Moscou na área. O russo não é menos que o iraniano, agora que as negociações para uma reentrada bilateral e pacífica no acordo nuclear (JCPOA) se complicam. Além da luta contra Estado Islâmico, então. O que preocupa o eixo Washington-Bruxelas é o fortalecimento excessivo de outros atores regionais e internacionais, incluindo a Turquia – um membro da OTAN – cujas tentativas de se intrometer nos assuntos iraquianos poderiam ser canalizados para esta missão.

RECEBA NOSSOS LIVROS EM CASA

[carousel_slide id=’21184′]

 

“Respeito pela soberania e integridade territorial do Iraque”. São palavras que nos dizem muito sobre como se comportará a Aliança Atlântica nos anos Biden.

Se a OTAN pretende fortalecer sua presença no Iraque, é também porque intervenções como a morte de Qassem Soleimani se mostraram contraproducentes para a diplomacia. Destina-se, portanto, a conter a presença iraniana com seu próprio dissuasor militar e não mais com ataques diretos do lado oposto. Na frente de integridade territorial, a intenção é, em vez disso, tranquilizar Bagdá sobre sua legitimidade para com os territórios do Curdistão iraquiano.

Perspectivas para o futuro

As esperanças de independência de Erbil, um elo dispensável em vista do objetivo maior de manter o Iraque sob a esfera de influência ocidental, então se desvanecem.

Óbvio é um conflito entre as milícias pró-iranianas e as tropas ocidentais que chegam. Os militares próximos a Teerã já estavam aumentando a tensão contra as tropas estrangeiras, com ataques direcionados a militares, veículos e instalações pertencentes aos Estados Unidos. Agora, mais confrontos e tensões entre as forças em campo serão inevitáveis.


Fonte: Il Primato Nazionale


RECEBA NOSSOS LIVROS EM CASA

[carousel_slide id=’21184′]

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Quer receber nossas notificações?    SIM! Não, obrigado (a)