fbpx

À medida que a desintegração da nossa civilização prossegue, certas coisas se destacam claramente de seu contexto. Uma delas é que o socialismo se tornou uma força destrutiva. Nem sempre foi assim. Antes da guerra, o socialismo representava em grande parte, uma pretensão de uma sociedade moderna mais generosa. O movimento tinha paixão social. Ele atraiu seus recrutas entre aqueles que estavam indignados com as injustiças e desumanidades do sistema vigente. Antes de tudo foi uma revolta moral e deu ao mundo uma consciência social. Mas não é mais o caso. O socialismo pós-guerra é uma coisa muito diferente do socialismo pré-guerra. Que tende a se fundir com o comunismo e, à medida que isso acontece, passa a ser informado por um espírito diferente. No lugar da paixão pela justiça social, obtemos um espírito de luta de classes. Isso é uma consequência da Revolução Bolchevique, após a qual passou a acreditar nas venenosas doutrinas de Karl Marx. Assim, vemos que há duas tensões no socialismo ou o socialismo comunista, digamos assim. Um é idealista, culto, humanitário, generoso e confuso; o outro não se preocupa com nenhuma dessas coisas, ele é direito, materialista e sedento pela vingança. E este último, devido ao prestígio da Revolução Bolchevique, conquistou e matou o primeiro. Antes da guerra, era possível aos homens de boa vontade se identificarem com o socialismo, pois o elemento comunista era desprezível; era possível acreditar que o que havia de bom no socialismo iria triunfar. Infelizmente, não é mais assim. Hoje podemos muito bem saber em que direção as coisas estão indo, e os homens de boa vontade só podem continuar a se identificar com esse movimento se forem cegos a supor que aqueles cujas mãos a direção da política caiu no seu idealismo compartilhado. Os realistas veem que não fazem nada desse tipo. Apoiar o comunismo é ajudar e estimular um materialismo sórdido e prático, cheio de vingança, que não se importa com os ideais que os socialistas valorizam; para ideias, artes, cultura, exceto na medida que possam ser usados para propaganda.

Não podemos nos surpreender se houver muitos hoje que vivem apenas para a vingança, já que o industrialismo deixou muito pouco para as massas viverem. É natural que os homens que estão sendo explorados, atormentados e incomodados todos os dias de sua vida e são forçados a trabalhar em tarefas mecânicas e desumanas, tenham sede de vingança. Essa é uma razão para abolir o industrialismo, não para colocar o poder em suas mãos. Aos homens em seu estado de espírito não se deve confiar poder. Por sofrerem de um ardente sentimento de injustiça, e privados da cultura que dá uma verdadeira visão social, eles agem cegamente e vingativamente quando subitamente sobem ao poder. Eles também estão cheios de um ódio geral e amor pela destruição em seu próprio benefício, como é testemunhado a conduta dos vermelhos na Guerra Civil Espanhola, onde esse ódio de classes se junta com um ódio religioso. No entanto, em vez de reprová-los por seu vandalismo e atrocidades, os socialistas nesse e em outros países ficam em silêncio sobre eles e coletam dinheiro para o avanço de sua causa. Se uma pequena parcela dos crimes tivesse sido cometido pela direita, que canção eles teriam feito disso! Mas o terror, a tortura e o vandalismo estão, ao que parece, em perfeita ordem quando cometidos pela esquerda. Na Inglaterra, esse apoio continuou até que protestos de membros católicos romanos do Partido Trabalhista pararam os socialistas. É significativo que os protestos tenham vindo de católicos.

Agora, qual é a explicação para essa degeneração do socialismo? Por que seu humanitarismo inicial terminou em tamanha desumanidade? Existem vários fatores. A primeira é que os socialistas sofrem de uma incapacidade total para ponderar evidências, ou discriminar algumas ideias, e são governados unicamente por suas ações e teoria abstrata. Na verdade, hoje, um socialista pode ser descrito como uma pessoa que está preparada para engolir qualquer veneno, desde que a garrafa esteja rotulada como “Para o bem do povo”, pois eles confiam em tudo e nunca checam o conteúdo dentro dela. Eles escutam histórias conflitantes do que acontece na Rússia, e aceitam a versão dos comunistas pois está de acordo com a sua disposição. Eles enxergam a sociedade como dois campos hostis. Num campo estão todos reformadores que apoiam a causa da iluminação e emancipação; no outro; estão as forças das trevas e da opressão. Na primeira categoria, eles colocam todos os que têm atrás de si numa tradição de reforma e rebelião – liberais, comunistas, anarquistas, socialistas; todas as almas nobres que nunca pensam em nada e nunca veem um fato até que esse fato o acerte em cheio na cara; no outro, colocam todos os que discordam dele. Socialismo, Coletivismo, Comunismo, os satisfazem completamente pois eles não veem abaixo da superfície. A vida para eles não tem profundidade ou altura; é apenas plano. Eles não têm compreensão dos fundamentos em que se encontram. Em consequência, o problema social é, para eles, apenas uma questão de arranjo, de planejamento, para usar o jargão corrente. Tudo o que é necessário é boa vontade; os detalhes podem ser deixados para um burocrata competente ou revisor oficial de contas resolver. Eles não podem imaginar alguém discordando deles que não tenha um machado para moer. Que, de fato, deveria haver pessoas que discordam dele, pois veem mais claramente do que eles veem; essas pessoas veem muito claramente que as atividades socialistas são subversivas da civilização, na medida em que seu resultado final é libertar a inundação da barbárie que nunca está abaixo da superfície, é uma ideia que nunca lhes ocorreu.

Mas essa cegueira social infelizmente não é um monopólio de pessoas superficiais e satisfeitas. Às vezes, homens são profundamente afetados por ela. Um exemplo disso é o filósofo espanhol Miguel de Unamuno. Ninguém acusaria o autor de The Tragic Sense of Life de superficialidade. No entanto, ele tem um ponto cego no que diz respeito à dinâmica social. Unamuno teve grande destaque entre os intelectuais responsáveis pela Revolução na Espanha. Entretanto, ele falhou totalmente em prever as consequências de derrubar a autoridade. Ele falhou em ver que o liberalismo, que tinha como interesse a queda da coroa espanhola, era essencialmente uma coisa de transição, que nunca poderia se tornar um centro de autoridade, e que sua ascensão ao poder só poderia pavimentar o caminho para o triunfo dos anarquistas. Só quando o pior aconteceu – quando o governo perdeu todo o controle e os anarquistas se tornaram os donos da Espanha, quando o terror, o roubo e o vandalismo se tornaram a ordem do dia, ele despertou para o fato de que a verdadeira questão não era entre monarquismo e republicanismo, capitalismo e socialismo, mas sim, entre civilização e barbárie; e se, ao menos se os comunistas fossem derrotados, a civilização morreria. As questões na Espanha são muito mais claras do que na Rússia; pois enquanto o comunismo é uma continuação e uma reação contra o liberalismo, o anarquismo leva o liberalismo à sua conclusão lógica, como qualquer pessoa familiarizada com a literatura anarquista sabe bem. Os anarquistas são lógicos. Não há resposta para o argumento pelo qual sua teoria social é apoiada, exceto indo atrás de Rousseau e repudiando a raiz do liberalismo, incluindo as várias teorias sociais que se desenvolvem a partir dele.

Perseguir Rousseau significa repudiar a doutrina da perfeição natural da humanidade e reafirmar a do pecado original. O reconhecimento da realidade do pecado original salvaguardaria os reformadores contra lançar seu idealismo em um tom muito alto. É uma lei da psicologia que um excesso de idealismo seja seguido por uma queda em desgraça, já que o homem não pode viver por muito tempo num plano moral superior ao normal; e isso é verdade tanto para movimentos quanto para indivíduos. Os socialistas começaram exigindo uma sociedade perfeita; isso é, eles começaram exigindo o impossível, pois nenhuma sociedade foi, ou poderá ser perfeita enquanto a natureza humana for imperfeita; não pode ser melhor do que o material humano que é composto. O vandalismo dos vermelhos na Espanha não deixam muito espaço para a esperança de que o volume do pecado no mundo tenha diminuído de forma apreciável, ou esperança em qualquer abordagem da perfeição natural da humanidade. Sua conduta desmente toda a teoria socialista e democrática de que todos os homens são iguais por natureza, iguais e virtuosos, que somente às circunstâncias os fazem parecer diferentes e que todos agiriam decentemente em condições diferentes. Pois quando o que é devido as circunstâncias é abstraído, permanece um resíduo do pecado original, que alguns possuem em maior medida do que outros, e somente mantendo isso em sujeição a sociedade pode existir. Isso não é para justificar os arranjos sociais existentes, mas para insistir que a sociedade não pode ser reconstruída com base no pressuposto de que todos os homens são iguais e perfeitos por natureza; mas apenas mediante uma aceitação franca do fato de que são desiguais e imperfeitos, e provavelmente permanecerão assim.

[carousel_slide id=’23543′]

Por causa da imperfeição da natureza do homem, uma sociedade perfeita não está ao nosso alcance; creio que seja sensato dizer isso. Mas para alcançar essa sociedade, devemos aceitar a natureza pecaminosa do homem como nosso ponto de partida, ou seja, como uma hipótese permanente, e procurar mantê-la em sujeição, Tal sociedade seria superior à de hoje na medida em que suas leis foram feitas (como foi declarado no preâmbulo de um código de leis do século VII) para permitir que os homens bons possam viver entre os maus, em vez de permitir que os ricos vivam entre os pobres – como as leis foram feitas quando os ricos tinham as coisas inteiramente à sua maneira, e até certo ponto ainda possuem. Mas não seria uma sociedade perfeita, pois a perfeição não é dessa terra.

Enquanto isso, os socialistas usam padrões impossíveis de sua sociedade perfeita como base para atacar todas as instituições tradicionais. Se os homens abusarem de suas posições, não foi por causa do pecado original, mas sim porque as instituições sociais estavam corrompidas, particularmente as instituições de propriedade privada, que foram feitas para suportar os pecados do mundo. E, ao negar a validade da propriedade privada, os socialistas passaram a negar a validade de todas as instituições tradicionais da sociedade, exceto a burocracia; que, por ser considerado um mal necessário, passou a ser exaltado como tipo e exemplo de organização social. Mas, ao dar as costas à tradição, eles entraram num mundo de irrealidade, onde a justiça social passou a ser associada com a insanidade social; pois, ao separar da tradição, eles tiveram que assumir sua posição na teoria; e a teoria divorciada da tradição pode se tornar real; deixa de ser uma explicação da realidade e passa a ser um substituto dela.

A democracia chestertoniana é uma concepção puramente mística, baseada na suposição de que as coisas que os homens têm em comum são mais importantes do que suas diferenças. Se isso for verdade, então os valores quantitativos sobre os quais homens estão de acordo são mais importante do que os valores qualitativos, sobre os quais divergem. É uma posição que considero impossível de aceitar. Em qualquer caso, não tem nada a ver com a democracia como a conhecemos. Na prática, democracia significa o “voto da maioria” – isso, e apenas isso. Todo aquele que acredita que a maioria, apenas pelo fato de ser a maioria, deve ter o direito de impor a sua vontade ao resto da comunidade, independentemente de serem ações sábias ou tolas, é um democrata; quem repudia essa hipótese não o é. Ele pode estar transbordando com o leite da bondade humana e pode sacrificar sua vida pelo bem da humanidade, mas ele não é um democrata; ele é outra coisa. Isso limparia o ar de uma grande discussão com propósitos contrários se resolvêssemos usar a palavra em nenhum outro sentido.

Lembro-me bem do primeiro choque que tive, que me motivou a questionar a democracia. Eu estava debatendo a questão democracia com um proeminente orador socialista nos anos 90 – alguém do tipo que sem dúvida seria um comunista se vivesse hoje. “Vou te contar minha ideia de democracia. Vá para o pithead; pegue os primeiros vinte homens que surgirem; eles estão tão aptos a governar a Inglaterra quanto quaisquer outros vinte.”. Foi uma das típicas observações tolas têm o efeito de elucidar a situação. A democracia não poderia mais me impor. A partir de então, ficou claro pra mim que a democracia só poderia significar no longo prazo duas coisas. Ou significava o governo dos sábios, como Rousseau, o pai da democracia imaginava que seria, ou significaria o governo por qualquer pessoa; e não poderia haver dúvida entre a direção em que estava se movendo. Veio à minha mente as palavras de um provérbio oriental: “Não perturbe as mentes dos ignorantes.”

É interessante, nesse contexto, relembrar as ideias de democracia de Rousseau. Em O Contrato Social ele diz: “É a melhor e mais natural ordem das coisas que os sábios governem a multidão, quando podemos ter certeza que eles a governarão em seu proveito, e não em seu próprio.” Além disso, foi porque as instituições monárquicas não deram nenhuma garantia de tal desideratum que ele fez objeções a elas. Assim, ele escreve:

[carousel_slide id=’23571′]

“O único defeito essencial e inevitável, que tornará um governo monárquico inferior ao republicano, é que nesse último a voz pública dificilmente sobe aos cargos mais altos, senão homens esclarecidos e capazes, que os ocupam com honra; ao passo que eles têm sucesso em monarquias são, na maioria das vezes, malandros, mesquinhos, intrigantes, cujo pequenos talentos, que lhes permitiriam obter altos cargos na corte. só servem para mostrar ao público sua inépcia assim que os alcançam. O povo está muito menos enganado sobre sua escolhe do que o príncipe; e um homem de verdadeiro mérito é quase tão raro num ministério real tão tolo quanto o chefe dum governo republicano. Portanto, quando por algum acaso feliz, um daqueles governantes natos assumir o comando dos negócios numa monarquia, quase destruída por tal conjunto de excelentes ministros, é bastante surpreendente os recursos que ele encontra. e sua subida ao poder marca época no país.”

Lendo essas palavras à luz de um século de democracia, parece algo bastante ingênuo em sua fé simples, já que o eterno, e talvez insolúvel, problema do governo é que o melhor e o mais sábio não chegam automaticamente ao topo, sob a democracia, mais do que qualquer outra forma de governo. É o mais inteligente do que o sábio geralmente inteligente. O fato de que os mais inteligentes, e não os sábios, vão pra frente sob a democracia é capaz de muitas explicações. Mas o mais óbvio é que a capacidade de falar em público, de apelo popular, é a qualificação indispensável para o sucesso; e isso não quer dizer que o homem possui esse dom, seja mais sábio ou mais confiável do que seus companheiros. Além disso, quanto mais complexa se torna a sociedade, maior é o obstáculo no caminho do sábio, pois mais difícil se torna para o sábio fazer-se compreender. Chegamos assim num paradoxo: quanto maior a complexidade, maior a necessidade de sabedoria no se está no comando, mas menor a chance de ela chegar, pois a complexidade promove o interesse de pessoas superficiais que não enxergam abaixo da superfície.

Em Unforessen Tendencies of Democracy, o Sr. E.L. Godkin mostra como o declínio dos ideais da democracia americana coincidiu com o crescimento das grandes cidades e o aumento do eleitorado. Nos primeiros dias da República Americana, quando os eleitores eram poucos, os homens de sabedoria e caráter eram pessoalmente conhecidos pelas comunidades em que viviam e se tornaram representantes públicos por causa de sua proeminência. Mas com o rápido aumento da imigração depois da Guerra Civil Americana, isso deixou de ser verdade. As pessoas já não se conheciam bem. A capacidade de apelo popular, em vez de caráter pessoa, se tornou a qualificação primária para a vida pública, pois apenas bons oradores podiam se dar o luxo de conhecer o eleitorado. Com essa mudança, veio a deterioração do tipo de representante público, o crescimento do poder da máquina política, da corrupção e o emprego, e a derrota do idealismo político.

O próprio Rousseau não estava cego a esses perigos, pois às vezes ele fala como se a democracia não pudesse fazer mal, outras vezes admite seus perigos; sua defesa de pequenos estados e pequenas propriedades não estava desconectada de apreensão da que espreitava nos grandes. Verdade seja dita, Rousseau qualificou sua posição de tantas maneiras que é difícil finalmente condená-lo por qualquer coisa, exceto pela acusação geral de que ele tinha uma confiança excessiva nas melhorias que ele presumia que automaticamente seguiriam uma mera mudança no mecanismo político; embora mesmo aqui seja possível citar trechos de seus escritos contra tal suposição. É claro que devemos ter mecanismos sociais e políticos: e há males que podem ser controlados com o fornecimento de mecanismos adequados. Mas nenhum mecanismo, de natureza democrática, pode assegurar que os sábios chegarão ao topo, pois não há meios de assegurar que os sábios sejam reconhecidos pelo povo.

Enquanto isso, o povo seguirá a liderança dos sábios se, por bem ou por mal, conseguirem encontrar o seu caminho para posições de autoridade. Mas eles não vão colocá-los lá; o que é perfeitamente lógico, pois se a teoria da igualdade for verdadeira, todos deveriam estar em um nível igual. Talvez outra razão pela qual muitos nunca promovem o sábio é que eles não podem distinguir entre um homem sábio e um excêntrico, e assim lutam contra ambos; ou talvez seja porque eles acham que promover o sábio é abdicar da autoridade, e sua cota de pecado original os impede de fazer isso. De qualquer forma, confrontado com a democracia, o homem sábio fica desamparado, pois nunca se pode esperar convencer a maioria da justiça de seus pontos de vista, se acontecer de se encontrar à mercê deles; eles estão além deles. Sua única chance é receber uma ajuda de alguém de entendimento já em posição de autoridade. Isso explica o motivo, da aristocracia, apesar de seus defeitos, funcionar melhor do que a democracia. Provavelmente, a inteligência média de um aristocrata não é maior do que a inteligência média de um indivíduo de qualquer outra classe. Mas o aristocrata está em posição de agir por conta própria, pois se ele não tivesse recursos, ele estaria em contato social com pessoas que podem prove-los; considerando que o indivíduo de nascimento democrático, sem meios, não o fará; e isso faz toda a diferença no que se diz respeito às perspectivas dos sábios.

[carousel_slide id=’23543′]

Em vez de desperdiçar suas vidas tentando em vão persuadir a democracia a permitir que eles ajam, como os sábios em uma comunidade puramente democrática são obrigados a fazer barulho, os sábios ou aristocratas de nascimento podem começar a trabalhar imediatamente, e o resto da comunidade irá segui-los, pois estão em posição de dar provas práticas de sua sabedoria superior. E os aristocratas sábios irão promover os interesses de outros homens sábios que não têm as vantagens do nascimento. E por causa de tais ações, o ponto de vista dos sábios virá mais ou menos a prevalecer na classe aristocrática, dar-lhe seu tom, e a partir daí infiltrar-se-á, fermentando toda a sociedade. Mas se não houver sábios que herdem a riqueza ou posição, não haverá sábios em autoridade, pois a democracia não os promoverá, e ninguém mais pode. E, como consequência, o tom da comunidade diminuirá progressivamente. A teoria das médias sempre leva a um nível inferior.

Tudo isso serve para mostrar que em seus corações as pessoas não acreditam verdadeiramente na democracia como ela é entendida hoje; eles exigem autoridade e liderança, e, por sua própria conta, não pensariam, se fosse honesto, em questioná-lo. É a exploração que eles objetam, e eles só desafiam a autoridade quando ela está intimamente associada à exploração. As pessoas percebem que em qualquer sistema, democrático ou não, elas devem obedecer; e que as instituições democráticas não significam governo pelo povo mais do que a monarquia ou a aristocracia, mas governo por convenção política que exerce autoridade em nome do povo. O que eles realmente querem não é o controle sobre o governo nacional, que lida com coisas remotas, mas o controle sobre as circunstâncias imediatas de suas próprias vidas, que os homens das guildas medievais possuíam e que o capitalismo e o industrialismo lhes negam. Vista sob esse prisma, a democracia hoje se apresenta como uma tentativa de assegurar por meios externos um controle sobre os rumos econômicos da sociedade que só pode ser exercido de dentro pra fora, como era na Idade Média. Ao restaurar as guildas reguladoras do tipo medieval, as pessoas recuperarão o controle sobre suas vidas. Para o resto, será governo por consentimento, seja qual forma que a autoridade assuma.

A maioria das pessoas descarta qualquer sugestão de voltar à vida Idade Média para um modelo de organização puro como romantismo, sem qualquer reação com o problema que nos confronta. Mas isso ocorre apenas pois muito poucas pessoas se dão ao trabalho de pensar em alguma coisa. Aqueles que fazem a descoberta de que retornar aos fundamentos, aos quais o mundo moderno deve retornar se quiser evitar a catástrofe, significa retornar à Idade Média em mais de um sentido; pois na Idade Média se encontram os primórdios do mundo moderno, bem como as fontes espirituais da vida. Dispensar, portanto, qualquer ideia por ser medieval é recusar-se a rastrear as ideias até sua fonte, que é exatamente o que os modernistas fazem; isso explica por que estão tão confusos sobre tudo. Mas se as pessoas quiserem recuperar o controle sobre as circunstâncias de suas vidas, em certo sentido terão que retornar à Idade Média, para se posicionar novamente nas grandes tradições do passado; a busca do progresso é uma liderança do fogo-fátuo que só pode aumentar sua miséria e escravidão.

A “sociedade perfeita” dos socialistas está cheia de obstáculos. Não funciona pois a natureza humana é falha. O bom senso sugere, portanto, que ao invés de começarmos com a suposição de que a natureza humana é perfeita, comecemos com a suposição de que não é; e que, se a sociedade deve manter sua integridade e hierarquia, o mal deve ser mantido em sujeição, a fim de que os homens bons possam viver entre os maus. Para traduzir essa ideia em termos de organização social, devemos, como as guildas medievais, partir dum padrão de moralidade comercial só pode ser mantido quando existem leis para poder suprir um padrão inferior. Com isso em mente, não devemos procurar abolir a indústria privada em favor da indústria cooperativa, mas dividir a indústria de grande escala em pequenas unidades e sobrepor a cada indústria que as sociedades profissionais forçam uma disciplina entre seus membros. Mas haverá essa diferença, que, além de manter um padrão de conduta profissional, tais guildas reguladoras se preocupariam em promover certa medida de igualdade econômica, da mesma forma que os sindicatos fazem hoje. Tais guildas insistem que todos os que se engajam em qualquer setor devem obedecer aos seus regulamentos, que se preocupam com coisas como a manutenção de preços e salários fixos e justos, a regulamentação de máquinas e aprendizagem, a manutenção de um padrão de qualidade em produção, prevenção de adulteração e mau acabamento, ajuda mútua e outras questões pertinentes à conduta da indústria e ao bem-estar pessoal de seus membros.

Embora essas guildas reguladoras sejam idênticas em princípio às guildas medievais, ainda não existe dificuldade técnica que impeça seu estabelecimento na indústria hoje; pois os princípios aos quais se propõe dar aplicação prática nada mais são do que a imposição de padrões morais. Pois a indústria moderna difere da indústria medieval, as diferenças são técnicas, e nenhuma diferença técnica pode envolver uma diferença de princípios morais. Pelo contrário, o que está em causa é uma diferença de aplicação. Pois enquanto as guildas medievais exerciam controle sobre os empregadores e seus assistentes envolvidos em pequenas oficinas, de propriedade de seus senhores, nossa proposta de guildas reguladoras modernas, a princípio, exercia controle sobre esses empregadores e trabalhadores engajados em grandes e pequenas fábricas e oficinas de proprietários privados, sociedades de responsabilidade limitada e grupos autônomos de trabalhadores. Posteriormente, as sociedades de responsabilidade limitada tenderiam a desaparecer como consequência da pressão constante que poderia ser aplicada, e o pequeno homem poderia voltar a ocupar seu lugar na indústria; pois a aplicação de padrões morais, a supressão de abusos, cortaria a raiz da indústria da empresa.

[carousel_slide id=’23571′]

Para efetivar esse controle, seria necessário afastar-se do modelo medieval na medida em que, em vez de a autoridade ficar exclusivamente nas mãos dos senhores, como era na Idade Média, os trabalhadores deveriam ter representação. Talvez os Sindicatos da Itália Fascista, onde empregadores e empregados têm representação igual a um funcionário do governo para agir como árbitro, forneçam o melhor modelo. (ênfase adicionada) Seria necessário fazer esse afastamento do modelo medieval pois o típico empregador hoje não é um mestre em seu ofício, ciumento de sua honra como era o empregador medieval, mas um financista que está interessado apenas na conta de lucros e perdas, e, portanto, não merece a autoridade final. Daí a conclusão de que se os padrões de honestidade e lealdade devem ser mantidos, preços e salários fixados num nível justo, maquinários e outras coisas necessárias para a conduta adequada da indústria regulamentada, a autoridade final deve ser investida no comércio como um todo, pois apenas aqueles que sofrem com o crescimento de abusos devem tomar medidas para suprimi-los.

Em comparação com a aplicação de tais padrões morais na indústria, todas as outras questões, como se os trabalhadores estão engajados na produção cooperativa ou em associações de produção são empregadores por terceiros, são secundários. Não são questões de princípios, mas de conveniência ou preferência pessoal. Não há erro maior do que supor que a maioria dos homens prefere trabalhar de forma cooperativa com os outros. Pelo contrário, a maioria, a grande maioria, prefere, creio eu, igualdades de circunstâncias entre empregadores e empregados. Muitos homens preferem trabalhar como assistentes pois não gostam de exercer responsabilidades; ao passo de que os homens de disposição magistral são muito individualistas por temperamento para amar a cooperação e seriam mera força e atrito dentro de qualquer organização do tipo cooperativo; enquanto outros homens preferem trabalhar com homens de disposição magistral; pois gostam de saber exatamente onde estão; enquanto outros homens preferem trabalhar sozinhos. Preferências desse tipo nada têm a ver com indiferença ou amor ao dinheiro. Os homens podem ter qualquer uma dessas diferenças e ser bons ou maus cidadãos. É inteiramente uma questão de temperamento. Por isso, uma economia mista, que é flexível e contém diferentes tipos de organização, e mais bem adaptada ás diferentes necessidades humanas e às diversas circunstâncias da indústria. O importante é que esses diversos tipos de homens em qualquer indústria – empregadores, empregados, cooperadores – devam se submeter aos mesmos regulamentos ou sofrer expulsão da guilda. Se os padrões morais fossem impostos à indústria por guildas reguladoras, a maneira particular como os homens preferiam trabalhar poderia ser deixada para eles decidirem, pois suas diferenças não podem ter consequências prejudiciais; Deveria, como já disse, a aplicação da disciplina da guilda combinada com a tributação da indústria de maior escala tenderia a eliminar formas indesejáveis de organização industrial, como as sociedades de responsabilidade limitada.

Mas tudo isso é desperdiçado com os socialistas. Como hereges em todas as idades; eles acreditam apenas em uma coisa necessária para a salvação; no caso deles, é a abolição da propriedade privada, na qual eles têm uma fixação. E eles estão tão obcecados com essa ideia que os cega tanto para a experiência quanto para os ditames do bom senso. Finalmente, isso os deixa à mercê de gigolôs e outros elementos de má reputação da sociedade; pois, atribuindo todos os males a causas externas, eles negligenciam o papel desempenhado pelos desejos malignos dos homens, e removem todas as barreiras sociais e políticas, na suposição de que os homens são por natureza perfeitos; descobrir, quando já é tarde demais, que eles não estabeleceram a sociedade perfeita, mas abriram as comportas para a anarquia e a vingança.


Retirado de The American Reviews, dezembro 1936. Disponível na web em https://www.nationalreformation.org/post/2018/11/26/the-degeneration-of-socialism. Tradução de Alerta Nacionalista

By Alerta Nacionalista

Alerta Nacionalista é uma mídia independente com foco na propagação do Nacionalismo com uma série de conteúdos que abrangem política, filosofia, história alternativa e a verdade dos fatos para fins históricos e educacionais, e não pretende criar tensão racial ou religiosa - mas sim o oposto, a união de todos os brasileiros (ricos, pobres, brancos, mestiços, negros, pardos, indígenas, nordestinos, sulistas, homens e mulheres) pelo bem do Brasil.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Quer receber nossas notificações?    SIM! Não, obrigado (a)